Retrospectiva 2010 – As melhores leituras

Sem demoras, eis o meu top para o ano de 2010, sem nenhuma ordem em especial:

De entre os livros escolhidos, apenas um é de este ano, The Golden Age, de Michal Ajvaz, e três foram lançados este ano em português, O Grande Retrato, Sempre vivemos no Castelo e Sonho Febril.

The Golden Age capta o leitor essencialmente pelas ideias diferentes e pelas imagens fortes. É também este um dos pontos fortes de The Master and Margarita, que se caracteriza por um ambiente surreal carregado de ironia e sátira. Little, Big é sem dúvida uma obra fantástica, mas subtil que nos apresenta um enredo familiar ao longo de várias gerações, que vão sendo influenciadas pelas fadas para a construção de uma história maior. Suavemente apaixonante. Bastante diferente, mas também de teor fantástico, Adventures in Unhistory é um conjunto de ensaios em torno de figuras ou acontecimentos míticos, sobre os quais o autor disserta inteligentemente.

Mister Pip é uma história excelente passada numa ilha onde os nativos sobrevivem entre as milícias e os exércitos. Devido à falta de professores, o único homem branco da ilha resolve ensinar as crianças, recorrendo à história de Great Expectations, de Charles Dickens. Sem dúvida, emocionante.

Esqueçam os vampiros românticos e penteados, e arrepiem-se com as criaturas criadas por George R. R. Martin em Sonho Febril. Com criaturas também pouco reais mas menos sobrenaturais, Perdido Street Station é um dos melhores livros de fantástico de todos os tempos: o autor constrói um mundo excepcional e dá-lhe vida, constrói e destrói personagens. Se pensar em Perdido Street Station me deixa apreensiva pela sua carga melancólica, pensar em The Last Book traz-me um sorriso. Misto entre fantástico, mistério e ficção científica, este é, para mim, um dos melhores livros do autor.

A lista termina com dois clássicos, O Grande Retrato e Sempre vivemos no castelo. O primeiro poderá ser considerado como ficção científica, possuindo cenas cómicas com pitadas de terror, onde se realça o ambiente sombrio. Também sombrio é o segundo, consequência da loucura das personagens.

Destaques para

Se Acordar Antes de Morrer só não consta da lista dos melhores por ser uma colectânea onde algumas das histórias já conhecia. Mas realço que a maioria dos contos são excelentes com a pitada de humor característica de João Barreiros. Também quase no top, Enciclopédia da Estória Universal de Afonso Cruz, que só descobri em 2010.

Os livros de Peter V. Brett distinguiram-se por serem viciantes, ainda que não excelentes, e City of Ruin surpreendeu-me ao melhorar relativamente ao primeiro volume. Boneshaker é uma história divertida  e The Dream of Perpetual Motion é uma obra nostálgica e intemporal que merecia ter sido aperfeiçoada de  modo a tornar-se mais coesa. Finalmente, Finch é um final excelente para a cidade de Ambergris e Flatland é um clássico que, embora divertido e inteligente, não me fascinou totalmente como história.

__________________________

Melhores de

2009

2008

2007

2006

Lista completa de livros lidos em 2010

 

3 pensamentos sobre “Retrospectiva 2010 – As melhores leituras

  1. Pingback: Retrospectiva 2014 – Resumo | Rascunhos

  2. Pingback: Retrospectiva 2015 – Resumo literário | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.