Este pequeno livro cumpre exactamente o que se encontra no título – num formato diminuto, com cerca de 120 páginas em letra muito pequena, vai apresentando cada um dos sub-géneros e obras mais clássicas em cada um deles, referindo sobretudo os livros mais conhecidos.

Temos, portanto, uma secção dedicada às viagens no espaço (com explicação da origem da Space Opera), encontros alienígenas (não faltando as referências aos filmes clássicos), o foco na tecnologia (e a forma como alguns editores seleccionavam histórias que fossem totalmente lógicas em termos científicos), as utopias e distopias e as ficções com viagens no tempo.

O que falta? Bem, esta introdução à ficção científica é quase totalmente centrada na ficção anglo-saxónica, descurando, até, o que era produzido em França ou noutros países Europeus. Escusado será dizer que não existem referências a obras exteriores à Europa. Existe, no entanto, no final, uma breve menção aos movimentos que têm surgido e que têm trazido diversidade ao género.

Cumprindo exactamente aquilo a que se propõe, este livro é uma boa introdução para dar noção do que é a ficção científica e de alguns sub-géneros que podemos encontrar, referindo várias abordagens dentro de cada sub-género. É, portanto, um bom livro para estragar o nosso orçamento em livros, que tem, como defeito, o excessivo foco na publicação anglo-saxónica.