Novidade: Coleção Graphic Novels Marvel – Vol. 53 e 54

Deixo-vos informação detalhada dos volumes 53 e 54 da colecção Graphic Novels Marvel, que tem reunido algumas das melhores ou mais significativas histórias da Marvel.

Sobre o volume 53

 

“Quem é Marcus Johnson e por que motivo é caçado por alguns dos mais letais supervilões do planeta? Com a S.H.I.E.L.D., o Treinador, o Capitão América e até mesmo Deadpool no seu encalço, o ex-Ranger dos Estados Unidos vê-se no meio de uma conspiração que só agora começaa ser revelada — com consequências imprevisíveis. Preparem-se para conhecer um dos mais bem guardados segredos do Universo Marvel!”

À medida que os eventos de A Essência do Medo se aproximavam da sua conclusão, a Marvel provocou os seus leitores com quatro enigmáticos epílogos, que levariam a outras tantas histórias envolvendo alguns dos seus principais heróis, os arcos de história que remodelariam o Universo Marvel durante o ano seguinte. Destas vinhetas finais, a mais intrigante envolvia um estranho homem numa cadeira de rodas a ser informado do assassinato de uma, aparentemente inocente, senhora de meia-idade. A única explicação providenciada para tal ato foi o facto de ser a mãe de um Ranger do exército chamado Marcus Johnson, cujo nome nada significava para os leitores, mas que estaria prestes a tornar-se no homem mais procurado do planeta… O motivo de tudo isso tornou-se óbvio no decorrer da história de Marcas de Guerra. Delineada por Matt Fraction, Cullen Bunn e Chris Yost, com argumento de Yost e arte de Scot Eaton, a história vai expôr um dos maiores segredos de todos, a história do Sargento Marcus Johnson, um homem com um segredo capaz de abalar as fundações do Universo Marvel!

Sobre o volume 54

“A milhões de anos-luz da Terra, e forçados a combater pelo derradeiro prémio, os maiores heróis e vilões da Marvel continuam a sua épica Guerra Secreta. À medida que a batalha prossegue, um novo perigo surge quando o Dr. Destino tenta roubar para si o imenso poder do Beyonder. Os heróis sabem que terão de impedi-lo a qualquer custo ou o universo inteiro ficará submetido aos desígnios de Destino!”

Desde o início do planeamento de Guerras Secretas que Jim Shooter, o seu argumentista, declarou que iria criar uma história que iria trazer consequências reais às personagens e ao universo da Marvel. Estas consequências conferiram um significado mais profundo ao evento, garantindo um lugar na história da Marvel. Embora alguns dos seus resultados mais imediatos tenham caído no esquecimento, outros, tais como o fato simbiótico do Homem-Aranha, em breve adquiririam estatuto lendário nos anais da Marvel. Mas a maior mudança que trouxe foi a que acabou por afetar toda a indústria de comics. As Guerras Secretas assinalariam toda uma nova era de gigantescos eventos intraeditoriais. Estes megaeventos, tais como a Guerra Civil, Dinastia de M ou Cerco, tornaram-se quase uma tradição anual. Fervorosamente aguardados pelos fãs, estes livros constam normalmente entre os mais vendidos do ano, cuidadosamente elaborados por argumentistas e artistas de topo da Marvel.

Várias vezes imitado, e raramente igualado, Guerras Secretas é o evento contra o qual todos os outros que estão por vir serão comparados. Um momento importante não só na história da Marvel, como também na história de toda a indústria dos comics, e que será recordado com apreço durante as gerações vindouras.

Por isso, acabem de ler esta saga, e regressem ao Mundo de Batalha para descobrir quem irá reclamar a vitória nas Guerras Secretas…

 

Fables Vol.13 – The Great Fables Crossover

A presença demoníaca que se libertou com a queda do Império continua a exercer o seu efeito sobre as figuras dos contos de fadas e sobre os comuns mortais. Se nas cidades comuns se verifica um aumento do crime e do medo de todas as sombras, já algumas personagens de contos de fadas percebem que o seu lado negro está descontrolado, pronto a partir para a violência.

Enquanto Bigby (o lobo mau / lobisomem) e o Monstro (de a Bela e o Monstro) se batem quase mortalmente por não se conseguirem controlar, Jack envia uma mensagem – o Literal responsável pela criação de todos eles está ainda mais louco e pretende acabar com a existência de todos os seus Mundos e respectivas fábulas!

Enquanto Branca de Neve e Bigby partem para investigar os Literais, a quinta sofre uma revolução. Os animais estão crentes no possível regresso de Blue que irá conduzir o repovoamento dos reinos das fábulas. Uma crença demasiado excessiva que leva a um fanatismo extremo, fanatismo aproveitado por Jack que se faz passar por Blue para pregar mais umas quantas partidas.

Os literais serão as entidades responsáveis pela escrita dos vários géneros literários e os criadores de vários mundos. Para cada género encontramos um literal que se expressa de acordo com o género a que corresponde. O literal responsável pelo reino das fábulas acordou de um torpor e encontrou as fábulas com percursos diversos, bastante diferentes do que pretendia – o Lobo Mau casado com a Branca de Neve? Que desvio tão grande!

Percebendo o risco que correm, Branca de Neve e Bigby procuram o Literal responsável, sofrendo directamente algumas consequências transformadores – o Literal é capaz de, com o escrever de uma caneta, mudar o aspecto de Bigby. Mas, por alguma razão que não compreende, não consegue matá-lo logo num acidente.

Divertido e utilizando uma ideia engraçada, este volume mostra como a crença em Blue cresce e se torna problemática, enquanto as restantes fábulas enveredam por batalhas que, sendo necessárias, atrasam o enfrentar da figura maléfica que destruiu a cidade e os impede de prosseguir na reconquista dos reinos fantásticos.

Visualmente interessante (ainda que menos do que o próximo, o 14 volume – sim, sem querer troquei a leitura de ambos, sem grande prejuízo) The Great Fables Crossover mostra como se tornam independentes e passam a ser responsáveis pelo seu próprio destino.

As serpentes de água – Tony Sandoval

Já tinha sentido alguma curiosidade pelos livros do autor, sobretudo depois de ter visto, o ano passado, uma longa fila à procura de um autógrafo no Amadora BD. Foi com o lançamento de Ecos invisíveis, um livro também da Kingpinbooks com autoria partilhada com Grazia La Padula, que senti maior curiosidade e peguei neste volume a solo.

O que encontrei foi uma história negra e misteriosa onde uma jovem rapariga encontra, nas suas deambulações fora a cidade, uma amiga estranha e especial. Estranha por contar histórias carregadas de elementos sobrenaturais, fruto, decerto, da sua imaginação. Mas será apenas imaginação?

Juntas, divertem-se, enveredando pelas mais simples aventuras. Até ao dia em que algo estranho acontece, algo que roça o sonho mas que será o evento que faz Mila questionar a existência física da amiga ,Agnês. Tendo deixado a bicicleta em casa da amiga, o irmão trá-la, revelando-lhe o quão sortuda é por ser capaz de ver Agnês.

A partir daqui as aventures atingem níveis míticos e surreais com estranhos elementos fantásticos que conferem, a esta história, um ambiente próprio. O facto de serem duas meninas não torna a aventura menos perigosa e mirabolante, levando-as a uma prova de afirmação e superação.

As serpentes de água foi publicado pela Kingpin books.

Uma Aldeia Branca – Tomeu Pinya

Numa ilha quase perdida, de ritmo pausado, numa aldeia branca, existe um pequeno bar onde se revelam várias histórias de vida, algumas fantásticas, outras ficcionais, que vão servindo como paga para mais uma noite no quarto disponibilizado por Rafa, o dono do bar.

Consoante o espírito de cada história é-lhe colado um estilo diferente, uma representação que faz justiça a outros autores e que se lhe adequa. É fácil identificar o estilo de Toppi numa história mais exótica, uma belíssima imitação, mas noutras será mais difícil, até por desconhecimento dos autores que pretende representar.

Não se tratam, no entanto, de trechos isolados – entre as histórias contadas seguimos as mesmas personagens que cruzam caminhos e evoluem, algumas usando a ilha como refúgio temporário, outras como pausa sem fim.

Uma aldeia branca é um conjunto de histórias envolvente e bem disposto com a qual se simpatiza facilmente. Sem grandes enredos ou complicações é um excelente conjunto, tanto pela adopção de diferentes estilos, como pela aura da história.

 

Uma aldeia branca foi publicado pela Levoir em parceria com o jornal Público na colecção Novela Gráfica.

Valerian Vol.10 – Tempos Incertos / Nas Imediações do Grande Nada – Christin, Mézières

Depois de algumas aventuras deambulando pela Galáxia, Valerian e Laureline resolvem pôr mãos à obra e procurar a Terra da sua realidade – talvez no Grande nada? Apanhando as entidades que controlam economicamente a Terra (e que representam Deus, Jesus e o Espírito Santo, sem que faltem as acções de Sat) arranjam pistas adicionais para procurar a Terra do seu tempo.

Nas imediações do Grande Nada, numa prisão onde existem presos anónimos e escondidos, Laureline e Valerian instalam uma pequena nave comerciante a fim de obter informações sobre o que os rodeia.

Enquanto Laureline faz a diferença na vida de um grupo de ex-empregadas de uma fábrica, Valerian consegue que sejam novamente multados. Existe algo a esconder e os guardas da prisão não gostam de novos olhos no planeta.

Este é, sem dúvida, um volume que pretende colocar os nossos heróis no local necessário para o grande final. Sem grandes pressas, apresenta a forma como obtém informação sobre o Grande Nada e uma forma de investigarem sem darem muito nas vistas.

Demonstrando, mais uma vez, o espírito aventureiro e decidido de Valerian, bem como o espírito bondoso de Laureline que faz a diferença nos locais por onde passa, sem deixar de lado a inteligência que a caracteriza, é um volume com algumas reviravoltas e com episódios de transição para um objectivo que só a seguir será cumprido.

A série Valerian foi publicada em Portugal pela Asa.

Resumo de leituras – Novembro de 2017 (5)

225 – O imperativo Thanos – Excessivo em acção e demasiado denso em imagens de coloração pesada, é dos volumes da colecção um dos que achei menos interessante. Enquanto Thanos regressa lutando contra tudo e contra todos com o objectivo de encontra a morte, um vilão poderoso entra nesta realidade. Tendo descoberto como enganar a morte eternamente, pretende expandir com a sua horda demoníaca;

226 – Neutron Star – Larry Niven – Uma série de contos de ficção científica que se centram num aventureiro. Quase sempre solitário e de nome heróico, a personagem principal assiste a grandes eventos quando aceita, a troco de somas avultadas, ser pioneiro de uma nova nave. A partir daí o conhecimento que advém desta viagem impulsiona algumas espécies a tomarem decisões de largo prazo para a sua sobrevivência;

227 – A filha do professor – Uma história engraçada e mirabolante em que as múmias egípcias possuem capacidade para se movimentar e falar. Uma delas estará apaixonado pela filha de um historiador, sendo que a interacção de ambos leva a acontecimentos catastróficos;

228 – O infante – Daniela Viçoso – Uma história centrada num infante português, um menino mimado e protegido, a quem nunca são pedidas responsabilidades e que nunca é confrontado pela realidade. Vive, assim, aventureiro, sendo que são os que o rodeiam que sofrem as consequências dos perigos a que se submete;

229 – Deadpool – O Mercenário desbocado – Duggan e Hawthorne – Centrado neste invulgar herói da Marvel, não é uma história genial, mas é uma história divertida carregada de imprevistos e confrontos mirabolantes. Deadpool é uma personagem controversa, de moralidade flexível e com evidentes falhas de memória;

230 – Monstress – Vol.2 – Marjorie Liu e Sana Takeda – Mantendo o peculiar aspecto gráfico desta banda desenhada, o segundo volume aprofunda o mistério em torno da personagem principal, apresentando uma alteração de dinâmica entre a rapariga e o Deus que a ela se fundiu, consumindo-a.

Novidade: Os Vingadores 9

Chega às bancas amanhã o nono volume de Os Vingadores. Deixo-vos sinopse, detalhe de conteúdo e algumas páginas:

Um dos maiores do Universo Marvel vai atingir neste volume o seu apogeu. Além de todas as incidências do julgamento (altamente mediático) do Gavião Arqueiro, com destaque para a presença de Matt Murdock – o próprio Demolidor – como advogado de acusação, a comunidade de super-heróis terá de lidar com mais uma visão aterradora de Ulysses, o inumano capaz de prever o futuro: nada mais, nada menos que o assassinato do Capitão América (Steve Rogers) às mãos do novo Homem-Aranha (Miles Morales). Face a esta terrífica premonição, a Capitã Marvel tenta colocar o jovem Miles sob custódia, mas o Homem de Ferro está lá para impedir a detenção. Já não existe espaço para o diálogo. Os maiores heróis da terra vão viver e morrer com base numa única decisão: proteger ou mudar o futuro?

Conteúdo

THE ACCUSED (2016) #1 – Por Mark Guggenheim, Ramon Bachs, Garry Brown e Ruth Redmond;
Civil War II (2016) #6-8 – Por Brian Michael Bendis, David Marquez e Justin Ponsor.

A Balada do Mar Salgado – Hugo Pratt

Este é, dos álbuns que já li de Corto Maltese, aquele que melhor apresenta o mítico espírito aventureiro que me descreveram. Aqui Corto Maltese é uma espécie de pirata. Mas não um pirata qualquer, um pirata honrado mas que não conseguiu conter uma revolta dos seus marinheiros que lhe ficaram com o barco.

E assim que acaba a bordo do barco de Rasputine, outro capitão pirata a mando do famoso Monge, onde encontra dois jovens que foram recolhidos como náufragos. Sendo os dois jovens de famílias abastadas, Rasputine espera recolher um bom resgate, principalmente pela rapariga. O rapaz pode tornar-se mais problemático e Rasputine estaria pronto a eliminá-lo, não fosse a intervenção de Corto Maltese.

Ainda que compactue com a pirataria de Rasputine, Corto Maltese consegue intervir para impedir que a violência escale, acompanhando os jovens, sem os deixar fugir, mas também evitando que sejam mal tratados. Em contrapartida, quando são todos capturados por tribos locais será Corto Maltese que será salvo.

Ainda assim, o relacionamento entre os jovens e Corto Maltese é agridoce. Os jovens nem sempre percebem o papel de Corto, ou o seu tom irónico que denota uma vida de experiência. Principalmente o jovem rapaz que tenta aproveitar todas as situações para se afirmar, tomando atitudes idiotas e impulsivas.

Paisagens exóticas e comportamentos misteriosos – este volume decorre num local pouco conhecido onde ainda habitam vários tribos de rituais próprios, algumas com fama canibal, local que Umberto Eco se encarrega de apresentar, numa esplêndida introdução. Trata-se de um local privilegiado para ainda ser pirata e para que se efectuem algumas manobras bélicas pelas potências em guerra.

A Balada do Mar Salgado apresenta uma história carregada de enigmas, alguns que não se chegam a explorar, fazem parte do contexto, e outros que são necessários para o desenrolar inevitável dos acontecimentos. Corto Maltese continua misterioso, expressando-se apenas quando é mesmo necessário, mas mostrando, nas suas intervenções, uma boa capacidade de observação e entendimento, elementos que se vão revelar necessários para se desenvencilhar das situações difíceis em que se coloca.

A Balada do Mar Salgado foi publicado em Portugal pela Arte de Autor.

Novos projectos literários em curso

Amanhãs que cantam

Este é o novo projecto da Imaginauta, em parceria com a Épica, que já nos trouxe obras como Comandante Serralves, uma obra de ficção científica portuguesa que ultrapassou todas as expectativas e nos presenteou com um conjunto coeso de histórias que decorre numa realidade alternativa interessante – o que tem de peculiar este conjunto? Está carregado de referências bem portuguesas!

Amanhãs que cantam, o novo projecto pretende agregar histórias que decorram numa realidade alternativa em que Portugal ficou sob um regime comunista desde 1968, ano em que Salazar caiu da cadeira. Neste projecto os contos não têm de ser concordantes e podem expressar a sua própria versão deste regime, podendo constituir histórias utópicas ou distópicas.

Interessados? Podem consultar o regulamento na página oficial da Imaginauta.

Concurso nacional de contos de ficção especulativa

Este concurso resulta numa parceria entre o Sc-fi LX, a Imaginauta e a Editorial Divergência e pretende premiar contos de ficção especulativa, ou seja, fantasia, ficção científica ou terror. O concurso tem, associado, um prémio e um acordo de exploração comercial. Para mais detalhes podem consultar a página da Imaginauta sobre o prémio.

 

Antologia de Space Opera “Na imensidão do Universo”

Trata-se de um projecto da Editorial Divergência, uma das poucas editoras portuguesas que tem vindo a apostar na publicação de ficção especulativa de autores nacionais, com obras como Lovesenda de António de Macedo ou Anjos de Carlos Silva, para além das inúmeras antologias.

Para mais detalhes podem consultar a página oficial com o regulamento e informação sobre o que é pretendido.

Antologia de Fantasia Rural “O resto é paisagem!”

Esta antologia resulta de uma parceria com Luís Filipe Silva, conhecido autor de ficção científica português que já organizou outros projectos e que tem representado Portugal nalguns eventos internacionais de ficção especulativa, como a Eurocon.

Para mais detalhes podem consultar a página oficial com o regulamento e informação sobre o que é pretendido.

Base de dados de ficção especulativa Portuguesa

Este projecto distingue-se dos anteriores por não se referir à organização de uma antologia ou por envolver a escrita de contos. Ou melhor. Já envolveu a escrita. Pretende-se criar uma antologia que seja representativa da produção nacional dentro da Ficção Científica, do Fantástico e do Horror.

Para tal criou-se uma base de dados de acesso livre com os contos portugueses já publicados, e criou-se um fórum para facilitar o debate sobre que contos devem ser escolhidos para tal antologia.

Deixo-vos as ligações para cada uma das componentes

Homem-aranha Vol.5 – Entre a terra e o céu – Molina, Bianchi, Broccardo, Bermudez

Entre a ciência e o misticismo, este volume centra-se num homem que regressou à vida na noite em que foi enterrado. Afastando-se qualquer hipótese de ter sido enterrado vivo (tinha sido autopsiado) o homem-aranha investiga o caso.

Ainda mais estranho do que ter regressado à vida é o facto deste homem efectuar alguns milagres por onde passa e o de não agir como anteriormente. Algo mais parece estar por detrás do regresso do seu corpo à vida e o Homem-aranha segue as pistas até à cidade de Remédios em Cuba.

Entre lutas com os Santeiros e outros elementos sobrenaturais pouco corpóreos, o Homem-Aranha é obrigado a enfrentar os seus próprios fantasmas, mais propriamente o fantasma do seu tio que o guia por esta aventura com uma série de frases obscuras e misteriosas.

Apesar de cruzar elementos religiosos de outras culturas, retirando-lhe um pouco da aura negativa de superstição e engodo, este volume de Homem-Aranha é engraçado mas prefiro as restantes aventuras apresentadas até aqui. Os Santeiros são um grupo complexo, de opinião mutável que justificam algumas cenas de batalha pouco objectiva.

Mas se em termos de história não fiquei tão bem impressionada, já do ponto de vista visual este número possui páginas espectaculares, em que a densidade da coloração consegue ser balanceada por uma disposição mais cuidada sem sobrecarregar a vista do leitor.

Homem-aranha encontra-se em publicação pela Goody.

Resumo de leituras – Novembro de 2017 (4)

219- Ecos invisíveis – Tony Sandoval e Grazia La Padula – Com desenhos particularmente emotivos onde se realçam as expressões, Ecos invisíveis é uma pequena história envolvente que segue um homem que perdeu a esposa. Este episódio trágico provoca o despertar de uma capacidade que o leva a isolar-se;

220- A Asa Quebrada  – Antonio Altarriba e Kim – Depois de fazer uma banda desenhada em torno do pai, Altarriba percebeu que tinha sido injusto com a mãe, a mulher que viveu toda a vida com um braço aleijado sem que ninguém tenha dado por isso, nem o marido ou o próprio filho;

221 – Homem-aranha Vol.5 – Este volume apresenta uma aventura onde os Santeiros têm um papel preponderante. Quando um homem regressa à vida depois de enterrado muitos parecem crer num milagre mas o homem parece comportar-se de maneira diferente e provavelmente o seu regresso terá origens obscuras;

222 – As serpentes de água – Tony Sandoval – Uma menina aventureira encontra a parceira de brincadeiras perfeita – muito imaginativa e algo lunática, andar com ela é uma diversão. Mas quando se apercebe que nem o irmão a vê, só a ouve, apercebe-se que a nova companheira de brincadeiras não é mesmo uma menina normal;

223 – Alice num mundo real – Isabel Franc e Susanna Martin – A autora enfrenta o cancro da mama a apresenta os vários passos e situações por que passou de uma forma leve com pitadas de humor;

224 – Homem-aranha Vol.6 – Este volume marca o início da Guerra Civil com o homem de ferro a puxar Miles Morales para o seu lado.

Novidade: Homem-aranha 8

Já andas nas bancas, desde dia 10, o oitavo número de Homem-Aranha! O número promete seguir os dois heróis (Peter Parker e Miles Morales) durante o conflito que separa as várias entidades com poderes sobre humanos! Eis sinopse, conteúdo mais detalhado e algumas páginas:

Peter Parker tem levado uma vida dupla. Por um lado assume o papel de presidente da sua empresa multinacional do sector da alta tecnologia; por outro está constantemente em ação vestindo a pele (ou será o fato?) do espetacular Homem-Aranha. Peter tem andado tão ocupado que nem sequer tem tido tempo para a sua família (e amigos), situação que pretende reverter com uma grande festa em Nova Iorque. Tudo estava a correr bem até ao momento em que o marido da sua tia May, Jay Jameson, sofre um colapso repentino. Num enredo cheio de surpresas e grandes reviravoltas, “Nunca Digas Nunca” marca o pontapé de saída nos eventos que vão anteceder uma das maiores sagas da história recente do famoso aracnídeo, ou seja, “A Conspiração dos Clones” (saga que será apresentada na íntegra na Série II do Homem-Aranha).

Se Peter Parker está prestes a entrar num imbróglio que fará regressar à ribalta alguns dos seus maiores inimigos, em Guerra Civil II, o jovem Miles Morales tenta perceber o seu papel no conflito, algo que o fará questionar a sua própria essência e onde não vão faltar inimigos que vão tentar aproveitar-se da situação.

Conteúdo

Nunca Digas Nunca
Argumento: Dan Slott
Arte: Giuseppe Camuncoli e R.B. Silva
Cores: Marte Garcia e Jason Keith

Guerra Civil II
Argumento: Brian Michael Bendis
Arte: Nico Leon e Sara Pichelli
Cores: Marte Garcia e Rachelle Rosenberg

Sandman Vol.7 – Vidas Breves – Neil Gaiman, Jill Thompson e Vince Locke

Neste sétimo volume de Sandman, Neil Gaiman volta-se a centrar no Mestre dos Sonhos, explorando, mais propriamente, as intrincadas e difíceis relações familiares. A história começa com Delírio, a mais nova dos Eternos que procura o irmão, Destruição.

Ao perceber que, sozinha, pouco consegue concretizar, Delírio procura a ajuda de vários irmãos, chegando a Morfeu com poucas esperanças. Mas Morfeu, que recupera de mais uma recente desilusão amorosa, aproveita a demanda para se distrair e acede a ajudar a irmã na busca.

A busca por Destruição começa, com base numa lista construída por Delírio onde constam os amigos do irmão (ou aqueles que costumavam conhecê-lo). Tratam-se de entidades quase imortais, elementos que passam por seres humanos mas que vivem na Terra há largos milhares de anos.

Pista a pista, os elementos que outrora conheceram Destruição vão perecendo de formas diversas, resultado do infortúnio ou dos seus próprios poderes. Morfeu desiste assim de procurar o irmão, deixando Delírio desesperada – mas a chave para este mistério reside na própria família.

De páginas visualmente delirantes, entre a sonho e a loucura, este volume de Sandman explora algumas personagens secundárias mas centra-se mais nos Eternos. A sua longevidade faz com que os relacionamentos entre eles se tornem difíceis, existindo sempre a memória de algum momento menos positivo.

Não sendo um dos volumes mais interessantes até agora, este sétimo parece estabelecer as bases para algo mais, um volume que deixa vislumbrar, novamente, as várias facetas dos Eternos.

Sandman foi publicado em Portugal pela Levoir em parceria com o jornal Público.

Asa Quebrada – Antonio Altarriba e Kim

Em A arte de Voar Altarriba apresentou a história do pai fazendo da mãe, Petra, uma figura quase inexistente, uma sombra perdida na religiosidade extrema. Sem estar envolvida na política, a mãe é efectivamente uma figura que se refugia na religião, uma atitude bastante mais compreensível se conhecermos a sua história.

Quando nasceu o pai tentou matá-la. Assim começa a história de Petra, cuja mãe faleceu ao dar à luz. Salva por outros familiares, retém uma mazela para toda a vida – um braço partido que, após a cura, nunca ganha mobilidade. Um defeito que nem filho, nem marido se aperceberam durante toda a sua vida.

Petra vive os primeiros anos sem apoio paterno, criada pela irmã. Felizmente, sendo a cara da mãe, o pai acaba por reconhecê-la e aceitar que viva na família. Desde cedo aprende a realizar as tarefas domésticas, ocultando a pouca mobilidade do braço, mas não é uma existência fácil – o pai é um homem de sonhos esmagados, tão rígido que os filhos acabam por sair de casa à primeira oportunidade.

Ironicamente, Petra acaba por ficar sozinha em casa com o pai, entretanto inválido. Só após a sua morte acaba por ir para a cidade, onde arranja emprego e onde acaba por conhecer o futuro marido.

Vida carregada de altos e baixos que aceita fazendo o melhor que consegue das circunstâncias, Petra distancia-se fisicamente do marido por medo de uma nova gravidez de risco, e psicologicamente quando este se ausenta para estar com outras mulheres.

Se a vida do pai de Altarriba esteve carregada de peripécias bélicas, a de Petra revela-se não menos sofrida, mas menos compreendida e conhecida por aqueles que a rodeiam.

A Asa Quebrada foi publicado pela Levoir em parceria com o jornal Público na colecção Novela Gráfica.

Resumo de leituras – Novembro de 2017 (3)

213 / 214 / 215- Valerian – Vol. 10, 11 e 12 – Christin, Mézières – Chega assim ao fim a série de ficção científica que nos transporta pelo tempo e pelo espaço, numa série de aventuras mirabolantes e divertidas, carregadas de detalhes imaginativos. Não faltam as espécies alienígenas com as suas particularidades nem as armas que são animais vivos prontos a serem comandados por um dono. Sem um vilão concreto na maioria das aventuras, vai ganhando complexidade e aproveitando os elementos que criou em aventuras anteriores para enriquecer as seguintes;

216 – A história de um rato mau – Bryan Talbot -Uma história de abuso sexual dentro do espaço familiar que resulta na fuga de uma jovem. Sem abrigo, vive alguns maus momentos até encontrar, finalmente, um local onde se encontra segura;

217 – Sandman Vol.7 – Vidas Breves – Um volume mais centrado em Orfeu, mais concretamente nas suas tumultuosas relações familiares. Os Eternos acumulam tensões e simpatias mas não são totalmente imutáveis;

218 – Astérix e a Transitálica – Jean-Yves Ferri e Didier Conrad – A nova aventura de Astérix e Obélix leva-os a percorrer a Península Itálica percebendo-se que nem todos os habitantes desta zona são romanos. A corrida está carregada de contratempos e nem todos são obra do acaso. Divertida, carregada de nuances e trocadilhos, não ultrapassa a diversão que obtive no volume anterior.

Homem-Aranha Vol.4 – A ascensão do Escorpião / Miles Morales

O quarto volume começa com uma mirabolante viagem que leva o Homem Aranha e Fury a vários satélites que se encontram em torno da Terra. Só no espaço, nestes satélites é que o Homem Aranha consegue, com rapidez, a informação de que necessita sobre o Escorpião. Infelizmente, tal faz com que o Escorpião destrua alguns destes satélites, acção que terá grande impacto nas comunicações terrestres.

O retorno do Homem-aranha é turbulento e deixa-o vulnerável a um ataque por parte de Escorpião, um encontro quase fatal não fosse a intervenção dos Gémeos, outra entidade associada ao horóscopo que tem objectivos a cumprir, mais importantes do que a eliminação do herói.

Trata-se de uma aventura carregada de acção que permite, com a ida ao espaço, o enquadramento numa série de espaços visualmente espectaculares. Não faltam as batalhas com os vilões nem as pequenas piadas à homem-aranha ou os salvamentos de último minuto.

Depois de uma pequena aventura no dia dos namorados (parece que nem nesse dia os vilões descansam e deixam Homem-Aranha ir, descansado, a um encontro) segue-se a continuação da história de Miles Morales, o novo Homem-aranha, um rapaz ainda novo que não consegue explicar, à família, a súbita descida das notas na escola.

O quotidiano escolar de Miles é agitado por um novo super-herói na escola – um super-herói que o seu melhor amigo idolatra de tal maneira que expõe o segredo da identidade de Homem-aranha. Mas antes de poder conversar decentemente com o amigo Miles é necessário na sua função de Homem-aranha mas tal chamada revela-se um engodo para o apanhar.

O fato deste Homem-aranha é bastante mais apelativo do que o do original e Miles revela ter poderes e capacidades tecnológicas bastante diferentes. Apesar de possuir o título de Homem-Aranha este, mais jovem, apresenta história e personalidade própria, bastante diferentes.

Se sempre achei que o Homem-aranha original caia demasiado em episódios de autocomiseração e depressão. Este parece bem mais decidido, carregando a responsabilidade que advém dos poderes sem um episódio sombrio para enegrecer a vertente de herói.

Homem-Aranha está a ser publicado em Portugal pela Goody e pode ser encontrada nas bancas.

Resumo de leituras – Novembro de 2017 (2)

207 – Valerian Vol.9 – Christin, Mézières -Sem o mundo que lhes deu origem, Valerian e Laureline vão-se envolvendo nos conflitos a que assistem, vivendo pequenas e movimentadas aventuras. É nestas que irão conhecer alguns dos elementos que lhes permitirão fazer uma revolução em volumes mais avançados da história;

208 / 209 – Homem-aranha vol.3 / 4 – Slott, Camuncoli, Buffagni, Bendis e Pichieli – Enquanto o homem-aranha original explora novas geografias mas luta contra vilões já muito conhecidos, Miles Morales, o novo homem-aranha debate-se com as suas responsabilidades quotidianas, enquanto jovem estudante, e tenta justificar, à família, a quebra nas notas;

210 – Apocryphus – Vol.2 – vários autores – Graficamente melhor do que o primeiro volume (se tal era possível), este segundo denota, também, uma melhoria a nível narrativo, explorando a temática Crime;

211 – Vingadores secretos – Vol.35 Coleção oficial de Graphic Novels Marvel – Visualmente este volume é esplendoroso. Explora um conjunto de super-heróis que age de forma mais subtil, realizando pequenas missões secretas com o objectivo de salvar o mundo;

212 – Thor o último Viking – Vol. 33 Coleção oficial de Graphic Novels Marvel – Volume com trechos mais antigos que explicam o surgir de Thor, bem como os anos que passou entre os mortais sem reconhecer os seus poderes. Como mortal procura uma identidade banal que lhe possibilite sobreviver, mas o aparecimento de monstros que procuram eliminá-lo dificulta a sua existência em anonimato.

O Imperativo Thanos – Marvel Graphic Novels Vol. 37

Não sei se pela alternância com outras histórias mais calmas, achei este volume excessivo. Excessivo na acção, não tendo momentos de paragem e transmitindo uma constante urgência, excessivo na densidade cromática e de quadrados, fazendo com que ocorra demasiado em pouco espaço, e apresentando diferentes características visuais na mesma página. Há, também, a destacar que, visualmente, este volume tem, também, planos brutais nalgumas páginas que dão espaço para todo o detalhe que elas possuem.

Thanos volta mas a sua obsessão não se concretiza. Thanos quer morrer a todo o custo e as suas acções são determinadas pela possibilidade de tal desejo ocorrer. Em simultâneo Cancroverso liberta-se neste Universo e com ele uma série de monstros imortais, provenientes de uma realidade em excesso por se ter dado cabo da Morte.

Perante esta ameaça, diversos grupos se unem, provenientes dos mais diversos planetas e de todos os cantos do Universo. A ameaça é enorme e os episódios de luta frustrada sucedem-se, levando os heróis a enveredar por engodos, armadilhas e subterfúgios. Existe, na prática, não uma luta contra a morte, mas a favor da morte, demonstrando que tem um papel fulcral no Universo na renovação e manutenção do equilíbrio.

Entre o rápido questionamento filosófico a ameaça desdobra-se e impõe-se, levando ao cansaço dos heróis que nem sempre tomam as opções mais correctas, agindo contra o comum acordo estabelecido.

Ainda que possua elementos interessantes, este é um dos volumes que achei menos interessantes da colecção, sobretudo pela sobrecarga de acção. Este é o volume 37 da Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel.

Novidade: Colecção Liga da Justiça – Levoir

Não esquecer que amanhã começa nova colecção da Levoir em parceria com o jornal Público! Desta vez trata-se de uma colecção da DC, Liga da Justiça, apresentando cinco volumes. Como já é habitual os volumes são em capa dura, por 10,90€ cada livro. Eis datas e títulos, bem como páginas e sinopse para o primeiro volume.

1 -Nova Ordem Mundial de Grant Morrison e Howard Poter- 9 de Novembro

O ponto de partida desta nova fase de Grant Morrison, que declarou numa entrevista que o que está “a fazer com a Liga da Justiça é regressar ao tipo de histórias que gostava de ler quando era miúdo e a tentar fazer uma versão actualizada dessas histórias, capaz de agradar aos miúdos de hoje”, é bem evidente neste Nova Ordem Mundial, e consiste em colocar a Liga da Justiça a defrontar um tipo de ameaças tão poderosas que mais ninguém seria capaz de enfrentar.

A recém-formada Liga da Justiça depara-se com a ameaça de um grupo de seres chamado Hyperclã que chega à terra, dizendo-se sobreviventes de um mundo que foi destruído há milhares de anos e que vieram para a Terra para impedir que a humanidade se destrua. De início realizam milagres, transformando o Deserto do Saara numa floresta e reduzindo a taxa de criminalidade como nunca antes tinha sucedido ganhando a simpatia da população. Porém, mal sabe a Liga da Justiça – e também o mundo – que os tais “bem-feitores” são marcianos brancos querendo dominar o planeta.

 

2 – O Vírus Amazo de Geoff Johns- 16 de Novembro

3 -O Prego: Teoria do Caos de Alan Davis- 23 de Novembro

4 – Darkseid 1 de Geoff Johns e Jason Fabok -30 de Novembro

5 – Darkseid 2 de Geoff Johns-7 de Dezembro