Novidade: Os Vingadores – Vol. 7 Série II

O sétimo volume de Os Vingadores chega amanhã às bancas! Eis mais informação:

Conteúdo:

  • SECRET EMPIRE (2017) #1-2 – POR NICK SPENCER, STEVE MCNIVEN, ANDREA SORRENTINO E ROD REIS
  • CAPTAIN AMERICA: STEVE ROGERS (2017) #17 – POR NICK SPENCER E ANDRES GUINALDO
  • SECRET EMPIRE (2017) #3 – POR ANDREA SORRENTINO E ROD REIS.

O DERRADEIRO ATAQUE DA HIDRA. Depois de meses de manipulação e esquemas, Steve Rogers, o Capitão América original transformado por um Cubo Cósmico num agente adormecido da Hidra, conseguiu finalmente que os Estados Unidos ficassem sob o controlo desta organização criminosa. Para piorar a situação, a Terra prepara-se para ser atacada por uma gigantesca horda Chitauri, tendo sido criado um impenetrável Escudo de Defesa Planetária para evitar a invasão. A criação do mesmo deixou muitos dos seres mais poderosos da Terra fora do Planeta, encontrando se apenas um punhado de heróis em posição de contrariar o sinistro regime do Capitão América… ou arcar com as consequências. O Império Secreto, uma das mais fortes sagas da Marvel dos últimos tempos, em todo o seu esplendor.

Novidade: Deadpool – Vol. 1

Começa já amanhã a nova mini série da Goody centrada num dos mais controversos heróis Marvel – Deadpool! Deixo-vos a sinopse, detalhe de conteúdo, bem como algumas páginas do interior:

Conteúdo:
DEADPOOL (2015) #13 — POR GERRY DUGGAN, CHARLES SOULE, SAVID WALKER, JACOPO CAMAGNI, GUILLERMO SANNA, ELMO BONDOC, PACO DIAZ, VERONICA GANDINI, MAT LOPES, NOLAN WOODARD e ISRAEL SILVA
DEADPOOL (2015) #25 — POR GERRY DUGGAN, SCOTT KOBLISH e NICK FILARDI

Deadpool é o anfitrião de uma grande misturada que vai trazer à ribalta alguns dos maiores protagonistas do Universo Marvel – Luke Cage, Punho de Ferro e Demolidor – numa história hilariante que vai colocar esta malta a vasculhar uma enorme lixeira no meio de fraldas sujas e papas de aveia fora de prazo. Porquê? Tudo começa quando um grupo de lesados do Banco Starnes decide reaver o dinheiro sujo investido naquela famosa instituição financeira. O problema é que neste grupo vamos encontrar alguns dos gangsters mais perigosos de Nova Iorque, incluindo a vilã Mary Typhoid. Neste volume vamos também encontrar a continuação de Deadpool 2099. Como devem estar recordados, em 2099 o nosso Mercenário Desbocado não passa de uma carcaça velha que tenta sobreviver perante a loucura da filha Warda (da sua relação com Shiklah). Pelo meio ainda temos Ellie Camacho, a outra filha do nosso anti-herói, um Punho de Ferro a cair de podre e uma resma de inocentes em perigo de vida.

 

Novidade: Balcão Trauma – Reduz – Álvaro Santos

Aproveitando a vaga de lançamentos que antecedem o Beja BD, eis novo livro de Álvaro Santos! Trata-se de uma nova edição que apresenta a história que era intenção inicial do autor (segundo o próprio):

A ideia para uma banda desenhada passada nas urgências de um hospital surgiu por volta de 2006 quando estava a terminar “Sexo, Mentiras e Fotocópias”. A personagem principal daquela obra maior depois de ter arrancado à dentada uns sinais de trânsito e tentado agredir uma funcionária de um centro de cópias com os respectivos sinais de trânsito, tinha sido arrastada no final da história para uma ambulância. E daí decidi continuar a coisa nos mesmos moldes num livro com mais páginas e com umas inovações aqui e ali. Inicialmente como, a avaliar pelos esboços, esta sequela iria ter umas 250 páginas foi-me sugerido dividir esta obra ainda maior em vários volumes.

Olhei para a planificação e vi que dava para partir a BD em duas, obtendo um final em aberto para o primeiro volume. Para o início do segundo volume acrescentei umas páginas extra no início para situar e resumir a história até ali. Estas páginas extra não foram incluídas nesta presente edição para voltar ao propósito inicial que consistia numa história de argumento dinâmico sem paragens do início ao fim.

Balcão Trauma é, ou tentou ser, uma BD onde os limites entre a realidade e a caricatura se desvanecem.

Tentou ou conseguiu.

Hoje já não sei…

Convém o leitor ter em mente que as páginas deste livro foram pensadas e executadas entre 2006 e 2015, numa altura em que os cartunistas e os humoristas estavam convencidos que os lugares de liderança mais importantes neste planeta só eram ocupados por criaturas grotescas em filmes de ficção científica de muito baixo orçamento.

 

Novidade – Assassin’s Creed – Terceiro volume

Chegou às bancas o terceiro e último volume da mini série de Assassin’s Creed publicada em Portugal pela Goody! Deixo-vos a sinopse, bem como algumas páginas disponibilizadas pela editora.

A Irmandade dos Assassinos está em apuros. A sua longa rivalidade com a Ordem dos Templários esgotou os seus recursos, deixando o grupo numa luta para recuperar o seu equilíbrio num mundo sob ameaça. Poderá a  união de forças com um misterioso coletivo ajudá-los a virar a sua sorte? Ou será impossível tal aliança?

Junta-te a Charlotte de la Cruz e Galina Voronina, enquanto estas tentam encontrar um caminho mais claro para os assassinos através de águas turbulentas.

 

Novidade – O Núcleo – Peter V. Brett (Saga A Noite Dos Demónios)

Com este quinto volume chega ao fim a saga fantástica de Peter V. Brett, uma saga com uma premissa interessante em que os demónios, todas as noites, sobem do centro da Terra e atacam os humanos. Para se protegerem os humanos utilizam runas, pequenas inscrições que, bem feitos, adquirem poder mágico e formam uma barreira contra os humanos.

Por conta da subida, diária, à noite, dos demónios, a sociedade dos humanos regride – longos séculos após esta rotina, existem restos de uma civilização anterior, mais evoluída, uma civilização que sucumbiu. Deixo-vos a sinopse do quinto volume desta série fantástica lançada na colecção 1001 Mundos:

Demónios sedentos de sangue rondam a noite. A raça humana está reduzida a uma resistência dispersa e dependente de magias antiquadas. De entre os resistentes, surgem dois heróis. Tão próximos como irmãos, e no entanto divididos por uma amarga traição. Arlen Bales, o Homem Pintado, está coberto de tatuagens de poderosos símbolos mágicos que lhe permitem combater – e vencer – os demónios. Ahmann Jardir, possuidor de armas mágicas, autoproclamou-se o Libertador, uma figura que as profecias dizem ser capaz de unir a humanidade e conduzi-la ao triunfo na Sharak Ka – a derradeira guerra contra os demónios. Mas, nos seus esforços para derrotar os demónios, Arlen e Jardir desencadearam uma força que poderá pôr fim a tudo: um Enxame. A guerra está à porta, e a única esperança da humanidade reside em Arlen e Jardir. Com a ajuda de Renna, mulher de Arlen, tentam subjugar um príncipe dos demónios, obrigando-o a indicar-lhes o caminho até ao Núcleo, onde a Mãe dos Demónios está a formar um exército invencível. Enquanto os leais Leesha, Inevera, Ragen, e Elissa guiam o turbulento povo das Cidades Livres na batalha contra o Enxame, Arlen, Renna e Jardir lançam-se numa perseguição desesperada nas profundezas mais escuras do mal – de onde nenhum deles espera regressar com vida… Com “O Núcleo”, chega ao fim o épico “Ciclo da Noite dos Demónios”, uma das mais aclamadas sagas de fantasia dos nossos tempos

I.R.$ – Vol.7 – O Ouro de Yamashita / Os Sobreviventes de Nanquim – Vrancken e Desberg

Neste sétimo volume vislumbramos, finalmente, um pouco mais da personalidade do Agente de I.R.$. Se, nas primeiras histórias, Max é uma figura distante que cumpre a sua missão com sagacidade e competência, com a morte de Gloria, a senhora com quem falava diariamente e que, pela sua inacessibilidade, incarnava todas as possibilidades, torna-se uma pessoa com um objectivo que demonstra um pouco da sua personalidade.

Max foi alguém que queria seguir o mundo do cinema – até descobrir a forma como o pai resolvia os seus problemas financeiros. A partir daí dedica-se a investigar a circulação de avultadas somas de dinheiro, cruzando-se com enredos imprevistos e crimes originais.

Aqui, Max procura vingar Glória e persegue o seu assassino pelo Globo, não percebendo que não está a ser tão subtil quanto pensa. Cai, assim, nas mãos de um grupo de asiáticos que pretende descobrir a localização de um grande tesouro, um tesouro perdido há várias décadas.

Este volume marca uma evolução da personagem, torna-a mais humana e tridimensional, afastando-se das primeiras impressões, mais frias e distantes que faziam com que a história só valesse a pena pelas teias criminosas descobertas. Max é, afinal, humano – teve um passado quase normal. Esta exploração da personagem afasta-o do cliché de agente secreto inacessível e inatingível.

A série I.R.$. foi publicada em Portugal pela Asa em parceria com o jornal Público.

Passatempo: Os Vingadores – Guerra Kang / Rogers – Vol.3 série II

Toda a história de Steve Rogers sofre uma incrível reviravolta quando a linha temporal é alterada levando-o a querer aniquilar a SHIELD e os Vingadores!

Este passatempo irá sortear um exemplar do terceiro volume da segunda série de Os Vingadores, oferecido pela editora Goody!

Como participar:

Para ganharem este volume têm de efectuar três acções:

  1. Seguir a página do Rascunhos ;
  2. Partilhar o passatempo no facebook;
  3. Enviar um mail para rascunhos.blog [AT] gmail [DOT] com, indicando nome, morada e link do perfil facebook, com o título “Passatempo – Visões“, conjuntamente com o link da partilha do passatempo no facebook.

O passatempo decorrerá até ao dia 08 de Junho.

Notas adicionais: Os dados enviados serão usados apenas para o passatempo. Aceitam-se participações em Portugal (continental e ilhas). Quem está fora de Portugal poderá participar desde que pague os portes. Uma única participação por pessoa / mail. Ou seja, não podem participar várias pessoas do mesmo endereço, nem uma única por vários endereços de e-mail. Podem participar várias pessoas com a mesma morada desde que usem diferentes endereços de e-mail. Participações adicionais serão ignoradas. O único exemplar disponível será sorteado, e o vencedor comunicado no Rascunhos. Irei, também, enviar um e-mail para o vencedor, com o intuito de confirmar os dados antes do envio. Se não me responder em tempo útil (duas semanas) passarei ao segundo contemplado. O exemplar foi fornecido pela editora, o envio será realizado por mim pelo que vai depender da disponibilidade em me dirigir aos correios (a expectativa é que seja rápido).

Redneck – Vol.1 – Donny Cates, Lisandro Estherren, Dee Cunnife

Redneck é uma série de vampiros no interior americano – uma premissa que tem sido bastante explorada no cinema e na televisão, mas que, aqui, não assume detalhes românticos ou sonhadores, apenas práticos. Neste caso concreto trata-se de uma família de vampiros que tenta uma existência pacífica alimentando-se de sangue de vacas para conseguirem sobreviver sem entrar em conflito com os humanos.

De longas existências, estes vampiros desejam manter-se em paz, mas a verdade é que, tanto eles, como os humanos, recordam tempos em que tal não era possível. A tensão, sobretudo psicológica acumula-se, o receio dá lugar à materialização do medo. O resultado é uma guerra sangrenta de vingança, uma guerra com origem num mal entendido.

Nem todos os vampiros possuem os mesmos dons e, no caso desta família, apenas dois possuem o poder de ler os pensamentos e memórias de outros seres. Neste caso trata-se de um vampiro idoso que aspira aos costumes antigos, e um vampiro muito jovem que ainda não tem maturidade para que o deixam percepcionar determinados acontecimentos. Ambos possuem a chave para se perceber os acontecimentos que dão origem à guerra, mas, por motivos opostos, não se procura a capacidade de nenhum a não ser quando já é demasiado tarde.

Redneck é uma história sombria que explora personagens cuja longa vida não os deixa esquecer os traumas do passado – tão habituados estão a que os acontecimentos se desenrolem de determinada forma que é só uma questão de tempo para que voltem a acontecer. E ainda que tal seja verdade na maioria das vezes, esta expectativa fortalecida pela experiência leva-os, neste caso, a assumir determinados factos antes de os validarem.

Este volume começa de forma lenta, tentando acumular tensão nas primeiras páginas para levar o leitor ao esperado episódio de acção. E ainda que o tenha feito, parecem faltar peças no puzzle e os acontecimentos sucedem-se sem conseguir envolver, consistentemente o leitor. Ainda que existam momentos em que consegue captar, esta capacidade não se mantém, oscilando durante os episódios mais calmos que deveriam servir para tal.

Entenda-se, não é uma má banda desenhada. Tem personagens interessantes que poderiam ter sido melhor desenvolvidas e uma premissa que, não sendo totalmente original, poderia ter resultado melhor se alguns episódios tivessem sido limados. Trata-se de uma leitura engraçada, mas que ainda não sei se me vai levar a ler os restantes da série.

Novidade: Príncipe das trevas – Mark Lawrence

No seguimento das fantasias mais negras, de autores como George R. R. Martin (que não tem medo receio de exterminar as suas personagens) ou Joe Abercrombie (que se centra em personagens que podem ser descritas como “feios, porcos e maus”), temos Mark Lawrence, agora publicado em português pela TOPSELLER:

A Rainha Vermelha está velha. Ainda assim, controla todo o poder no seu vasto império. Jalan Kendeth, o seu neto, não tem tais preocupações. A bebida, as mulheres e uma vida longe de todas as responsabilidades mantêm-no ocupado.

Por isso fica tão surpreso quando é chamado a ouvir estas histórias da boca de escravos e prisioneiros. Porque quereria a Rainha Vermelha envolvê-lo? Quando Snorri, um guerreiro nórdico, conta uma história de cadáveres devolvidos à vida e do Rei Morto, Jalan só pensa nas várias formas de o utilizar para ganhar dinheiro. São fantasias, o que conta. Mitos. Histórias de encantar.

E é por isso que Jalan fica tão frustrado quando a magia o liga a Snorri. Agora vai ter de ir ao norte desfazer o feitiço. O que será que os espera?

 

 

 

 

 

Bibilioteca de Brasov – Afonso Cruz (Enciclopédia da Estória Universal)

Biblioteca de Brasov é o sexto volume de Enciclopédia da Estória Universal – um conjunto de livros da autoria de Afonso Cruz em que a(s) história(s) vai sendo apresentada como entradas numa enciclopédia por ordem alfabética. É comum encontrarmos referências a histórias de outros livros (mesmo que não sejam da enciclopédia) ou a entradas anteriores, fazendo com que cada livro seja um jogo de memória e de ocorrências interligadas.

Em Nova Iorque, os fumadores só podem fumar se estiverem três metros afastados das entradas dos edifícios, para que as pessoas que saem desses prédios possam respirar os fumos dos escapes dos carros em toda a sua pureza.

Entre os pedaços interligados de uma história encontramos frases como esta, de perspectiva irónica sob algum aspecto da sociedade humana. São elementos soltos que nos fazem parar para pensar. No caso deste volume, para além destas frases encontramos uma longa menção a cogumelos, com entradas de cariz cultural que explicam o surgir de várias lendas e criaturas sobrenaturais (como o Pai Natal e as suas renas), ou uma história centrada no poder venenoso dos cogumelos.

A verdade é que a alucinação deste cogumelo gera dois tipos de sensações facilmente identificáveis: a sensação de que somos muito grandes ou muito pequeninos – o que explica as visões com duendes e gigantes – e uma grande sensação de leveza ou de voo. daí o trenó voador do Pai Natal e os seus duendes.

Ao longo do volume encontramos, também, várias referências a outras obras e autores, desde Monterroso a Kafka, neste caso como forma de apresentar o conceito de identidade, e de que forma se afasta o «eu» de um número num cartão:

Uma pessoa poderia acordar transformada em barata checa, que continuava a ser ela, olhava-se ao espelho e, apesar de estar completamente diferente, com antenas e exosqueleto quitinoso, continuaria a dizer «eu».

Apesar de continuar a achar que o primeiro volume da Enciclopédia foi o meu favorito (mais coeso e com entradas mais interligadas) este volume volta a subir o nível em relação a outros que achei demasiado disconexos. Biblioteca de Brasov foi publicado em Portugal pela Alfaguara.

Outros livros do autor

Passatempo: Os Vingadores – Guerra Kang / Rogers – Vol.2 série II

A única forma de enfrentar Kang parece ser uma viagem ao passado para reformular o rumo dos acontecimentos! É o acontece neste segundo volume da segunda série de Os Vingadores!

Este passatempo irá sortear um exemplar do segundo volume da segunda série de Os Vingadores, oferecido pela editora Goody!

Como participar:

Para ganharem este volume têm de efectuar três acções:

  1. Seguir a página do Rascunhos ;
  2. Partilhar o passatempo no facebook;
  3. Enviar um mail para rascunhos.blog [AT] gmail [DOT] com, indicando nome, morada e link do perfil facebook, com o título “Passatempo – Barreira“, conjuntamente com o link da partilha do passatempo no facebook.

O passatempo decorrerá até ao dia 08 de Junho.

Notas adicionais: Os dados enviados serão usados apenas para o passatempo. Aceitam-se participações em Portugal (continental e ilhas). Quem está fora de Portugal poderá participar desde que pague os portes. Uma única participação por pessoa / mail. Ou seja, não podem participar várias pessoas do mesmo endereço, nem uma única por vários endereços de e-mail. Podem participar várias pessoas com a mesma morada desde que usem diferentes endereços de e-mail. Participações adicionais serão ignoradas. O único exemplar disponível será sorteado, e o vencedor comunicado no Rascunhos. Irei, também, enviar um e-mail para o vencedor, com o intuito de confirmar os dados antes do envio. Se não me responder em tempo útil (duas semanas) passarei ao segundo contemplado. O exemplar foi fornecido pela editora, o envio será realizado por mim pelo que vai depender da disponibilidade em me dirigir aos correios (a expectativa é que seja rápido).

 

 

Jogos aos Sábados – A Floresta Misteriosa – Carlo A. Rossi e Daniel Lieske

Quando se pega em A Floresta Misteriosa, o grande destaque vai para o aspecto visual, semelhante ao livros da saga fantástica em que é baseado – The Wormworld Saga. Ambos (livros e jogo) se centram num rapaz, Jonas, que tem de explorar uma floresta num mundo estranho, carregada de monstros horríveis.

Partindo deste cenário fantástico, o objectivo do jogo é ultrapassar todas as etapas da floresta com sucesso! E como se ultrapassam estas etapas? Tendo, na mochila, o equipamento necessário para cada etapa! O jogo começa com a revelação da carta de cada etapa onde se mostra o equipamento necessário. À fase de revelação sucede-se uma de recolha de equipamento, onde os jogadores devem recorrer à memória para conseguirem cumprir os requisitos.

Não sendo meu objectivo explicar detalhadamente a dinâmica do jogo (podem consultar a página da MEBO que tem vídeos explicativos – aprende a jogar em 3 minutos) trata-se de um jogo cooperativo com uma dinâmica simples que pode ser jogado pelos mais jovens ou em família. É um jogo que exercita a memória e cuja complexidade pode ser adaptada, tornando o jogo mais simples, retirando etapas, ou mais complexo, retirando os dados que permitem peças especiais ou acrescentando mais etapas!

Tendo como atractivo o aspecto cuidado (com peças que respeitam o visual dos livros, em imagens fantásticas fabulosas) o jogo ganha particular interesse pela componente cooperativa que favorece o trabalho em equipa e a coordenação dos diferentes jogadores!

Este jogo está a ser lançada este mês pela MEBO.

Mais jogos

Novidade: Homem-aranha Vol.6 – Série II

Chega, hoje, às bancas, o sexto volume da segunda série de Homem-aranha publicada pela Goody! Este volume promete trazer, para além de Homem-aranha, Venom e Deadpool! Deixo-vos com a sinose, bem como detalhe de conteúdo e algumas págias disponibilizadas pela editora:

Aventuras a triplicar? Sim, não uma, não duas, mas três histórias explosivas, carregadas de surpresas, grandes reviravoltas e… esperem lá… parou tudo… Venom? Sim, é isso mesmo, o simbionte mais famoso e amado por todos está de regresso a Nova Iorque e tem um novo hospedeiro. Mas onde está o Aranha? Concentradíssimo na perseguição ao seu grande arqui-inimigo, Norman Osborn. O supervilão tem estado bastante ativo com a venda ilegal de armamento e veículos de guerra, mas isso é apenas a ponta do icebergue do seu novo plano maléfi co para dominar o mundo. Felizmente que o nosso super-herói conta com a ajuda de vários aliados, incluindo a Sabre de Prata. Esta edição especial conta ainda com mais uma história da parelha mais famosa do mundo, Aranha / Deadpool, numa aventura hilariante onde os nossos “heróis” decidem assumir uma postura mais profi ssional, sem recurso a piadas secas e violência desnecessária. Como é óbvio é muito fácil falar, difícil é fazer, sobretudo quando pelo meio a dupla maravilha terá de lidar com Slapstick, o famoso palhaço pastelão em formato desenho animado.

Conteúdo

SPIDER-MAN/DEADPOOL (2016) #19-20 – POR JOSHUA CORIN, WILL ROBSON, SCOTT HANNA e JORDAN BOYD
AMAZING SPIDER-MAN (2015) #27 – POR DAN SLOTT, STUART IMMONEN, WADE VON GRAWBADGER e MARTE GRACIA
VENOM (2016) #1-2 – POR MIKE COSTA, GERARDO SANDOVAL e DONO SÁNCHEZ-ALMARA

 

Os Humanos – Matt Haig

Este livro foi escrito durante uma profunda depressão do autor, uma depressão que o levava a olhar para as restantes pessoas como alienígenas estranhos e aversivos, e é esta mesma perspectiva, sob uma camada cómica e leve, que o autor traduz em Os Humanos – mas neste caso é um extra-terrestre que está entre nós, desconhecendo normas de conducta ou palavras!

E porquê que está um extraterrestre no corpo de um humano? Bem, é que a Andrew Martin, um matemático de personalidade execrável, terá consigo demonstrar a hipótese de Riemann e se os extraterrestres não intervirem, a humanidade irá evoluir rapidamente para além da maturidade que possuem para lidar com a tecnologia. Ou com os outros alienígenas, dada a sua propensão para a violência! A solução é fácil –  enviar um extratrrestre materializado no corpo de Andrew Martin (que entretanto foi eliminado) e seguir as pistas para todos os que possam saber de tal descoberta.

Os humanos são uma espécie arrogante, que se define pela violência e pela avidez. Pegaram no seu planeta natal, o único a que actualmente têm acesso, e colocaram-no no caminho da destruição. Criaram  um mundo de divisões e categorias e revelam-se incapazes de ver as semelhanças entre eles mesmos. Desenvolveram tecnologia a uma velocidade a que a psique humana não consegue acompahar, mas, ainda assim, não deixam de conseguir o progresso pelo progresso apenas, e pelo dinheiro e fama por que tanto anseiam.

Presos na sua própria mortalidade, os humanos são incompreensíveis para os extraterrestres, que são imortais e lógicos, sem laços afectivos como os humanos e agindo como um todo, com consciência partilhada. Ao se ver num corpo humano, a primeira perspectiva do alienígena com poderes que consideramos sobrenaturais, é de asco. Asco pelas feições, pela estranha forma humana. Estranheza para com as formas de comportamento, aversão à tecnologia que usam, demasiado estática e incapaz de prever as necessidades do utilizador.

Na Terra, o termo «notícias» significa, de um modo geral, «notícias que afectam directamente os humanos». Não houve nem uma acerca de antílopes, dos cavalos-marinhos, da tartaruga de orelha vermelha ou dos restantes nove milhões de espécies existentes no planeta. (…) Na verdade, a guerra e o dinheiro são tão populares que o noticiário podia ter o nome de O Programa da Guerra e do Dinheiro.

Os primeiros contactos com a cultura dos humanos suportam a hipótese de que tudo o que lhes interessa é o dinheiro e a fama, levando o alienígena algum tempo até perceber as motivações por detrás da esposa de Andrew Martin que, achando que o alienígena é o marido com um esgotamento, cuida dele. O que lucra ela com este comportamento? Deixado em casa sozinho, explora a música e lê alguns livros de poesia, percebendo que, com a mortalidade, se cria uma confusão mental nos humanos que os leva a desperdiçar a vida e a uma perspectiva bastante mais fechada.

Tenho de admitir que os humanos desperdiçam grande parte do seu tempo, ou praticamente todo, com cenários hipotéticos: podia ser rico, podia ser famoso, podia ter sido atropelado por aquele autocarro, podia ter nascido com menos sinais e mamas maiores, podia ter passado uma parte maior da minha juventude a aprender línguas estrangeiras. É seguramente a forma de vida que mais usa o tempo condicional.

O alienígena apercebe-se, lentamente, do que é ser humano e deixa-se corromper e envolver, tentando convencer os restantes da sua espécie a agir de outra forma para com os seres humanos. Sem grande sucesso – é difícil mostrar o que é individualidade e que, se alguns seres humanos são execráveis, outros têm objectivos bastante distantes de acumular fama e dinheiro.

Foi então que percebi que a única coisa pior do que ter um cão que nos odeia é ter um cão que nos ama. Sinceramente, não devia haver uma espécie mais carente em todo o Universo.

Partindo de uma perspectiva alienada, de asco para com a biologia humana e aversão para com a sua tecnologia, o alienígena cria uma perspectiva interessante e, até, cómica pela forma como se expressa. Entre o desenvolvimento da história, movimentada, e estas observações cómicas, Os Humanos de Matt Haig é um livro que proporciona uma rápida e divertida leitura, constituindo uma das histórias mais envolventes que li recentemente.

Os Humanos foi publicado pela TOPSELLER.

Novidade: Le Storie – Sangue e Gelo

Chegámos ao quinto volume da colecção Bonelli! Deixo-vos a sinopse, bem como algumas páginas disponibilizadas pela editora:

Sangue e Gelo, passa-se no início do século XIX quando o Grande Exército napoleónico desgastado pela estratégia russa da “terra queimada”, retira através de um deserto de neve deixando atrás de si centenas de milhares de homens à fome, que lutam pela mera sobrevivência num ambiente de horror. Um pedaço de pão e um fogo em torno do qual se aquecer é tudo o que os homens do capitão Lozère querem. Quando um brilho distante, quente e convidativo, aparece sob o cinzento mortal do céu, a esperança parece renascer … No entanto, é como se no ar frio e sombrio houvesse algo sinistro, uma sensação ingrata, uma presença sem rosto aguardando a sua chegada com paciência imortal.

 

Dampyr – Infante – Aventuras em Portugal – Boselli / Bocci / Eccher / Dotti

Dampyr surpreendeu-me, sobretudo, pelo aspecto gráfico. Constituindo uma espécie de pulp da banda desenhada, com histórias movimentadas e de premissa simples, esperava desenhos mais simples e menos detalhados. Em Dampyr encontramos vampiros e outras criaturas sobrenaturais mas os verdadeiros monstros parecem ser os humanos que os ajudam, ludibriando outros humanos e entregando-os.

As duas aventuras reunidas neste volume rodam em torno de um caçador de vampiros, que é fruto da união de um vampiro com uma mulher humana e que, por isso, possui os seus próprios poderes peculiares. Ambas as aventuras decorrem no Norte de Portugal, a primeira num castelo quase abandonado, cenário de filmagem de um filme de terror, e a segunda no Porto, em torno da produção do vinho do Porto.

Que o ambiente de filmes de terror é propício à loucura dos actores, sobretudo das acrizes que fazem de vítimas, é conhecido. Mas na primeira aventura parecem existir sérias razões para tais desvaneios – é que o castelo onde decorrem as filmagens é o palco de várias histórias locais de terror e de perdição, um local onde poucos têm a coragem de se deslocar, sobretudo de noite.

Na segunda história o alerta para a existência de vampiros (ou outras entidades) provem da visita de um casal às caves do vinho do Porto. Aqui a senhora, com capacidades psíquicas, descobre um fantasma que a leva a uma sala onde vários terrores terão ocorrido. Conhecida do caçador de fantamas logo o chama, e juntos irão investigar a prosperidade do dono das caves.

Não esperem, em Dampyr, histórias com profundidade ou introspecção. São, sobretudo, aventuras que utilizam os clichés das criaturas sobrenaturais em que se centram, não faltando as referências cinematográficas, e que aproveitam cenários conhecidos dos autores. Ainda assim, não são histórias demasiado lineares, apresentando episódios centrados noutras personagens, ou episódiso que decorrem várias décadas ou séculos antes. Não sendo uma das minhas leituras favoritas desta colecção destaca-se pelo detalhe dos desenhos que, neste caso, fazem uma grande menção a Portugal.

Dampyr é o segundo volume da colecção Bonelli publicada em Portugal pela Levoir em parceria com o jornal Público.

Resultado Passatempo – Aranha Clones

Nesta grande aventura de Homem-aranha o instinto da aranha dispara quando confrontado com os sobreviventes a um milagroso procedimento médico! O que realmente estará por detrás deste procedimento?

Quem irá descobrir é a Diana Batista que ganhou este livro no passatempo! Parabéns!

A maldição de Hill House – Shirley Jackson

Autora de obras conhecidas como The Lottery ou Sempre vivemos no castelo, Shirley Jackson escreveu, também, um dos mais conhecidos e reconhecidos livros de terror gótico, uma das melhores histórias de fantasmas do século XX, A Maldição de Hill House. À semelhança de Sempre vivemos no castelo ou das histórias curtas de Dark Tales, não esperem, em A Maldição de Hill House, um terror explícito, mas sim, algo que questiona as capacidades psicológicas e emocionais das personagens, e que joga com a percepção do leitor.

A Maldição de Hill House começa com um cientista, John Montague, que assumir um perspectiva científica no estudo do paranormal e que, para tal, convida várias pessoas para a realização de uma experiência. Dada a natureza da experiência quem lhe aluga a casa coloca como condição o envio do jovem futuro herdeiro da casa. A história centra-se numa das duas jovens que aceita o convite, Eleanor, que cresceu a cuidar da mãe inválida e de cuja morte se atribui a culpa por ter adormecido.

Após uma peculiar introdução da casa – Eleanor é a primeira a chegar e depara-se com o casal peculiar de caseiros que se recusam a pernoitar na casa – John Montague introduz ao grupo a peculiar história da casa. Construída por um homem que visa a prosperidade da sua família numa casa grandiosa, Hill House é palco de uma sucessiva série de infortúnios que resulta na loucura e morte de alguns dos seus anteriores moradores.

Mas não é só a história da casa que é peculiar. Construída como um labirinto de difícil percepção e orientação, Hill House possui uma série de ângulos e inclinações ligeiramente diferentes da construçao usual que provocam a impossibilidade de manter fechada uma porta, e a consequente confusão de quem lá circula.

Jogando com a interacção entre as personagens e a desorientante geometria da casa, A Maldição de Hill House apresenta uma série de fenómenos estranhos, sobretudo pela perspectiva de Eleanor que, já na infância, tinha sido centro de uma série de acontecimentos de teor duvidoso. Através da mente emocionalmente instável de Eleanor os acontecimentos são apresentados de forma dúbia e questionável, jogando, também, com a percepção do leitor e nunca fazendo com que se tenha a certeza da assombração.

Shirley Jackson tece, em A Maldição de Hill House, um inteligente puzzle sem resolução óbvia que deixa o leitor desorientado, como um mero espectador que poderá criar a sua própria conclusão dos acontecimentos a que assistiu.

A Maldição de Hill House foi publicado pela Cavalo de Ferro.

Passatempo: Os Vingadores – Guerra Kang / Rogers – Vol.1 série II

Depois da Guerra Civil (sobre esta importante componente podem ler a primeira série de Os Vingadores) as marcas na vida dos superheróis têm de ser ultrapassadas para que possam combater um inimigo comum !

Este passatempo irá sortear um exemplar do primeiro volume da segunda série de Os Vingadores, oferecido pela editora Goody!

Como participar:

Para ganharem este volume têm de efectuar três acções:

  1. Seguir a página do Rascunhos ;
  2. Partilhar o passatempo no facebook;
  3. Enviar um mail para rascunhos.blog [AT] gmail [DOT] com, indicando nome, morada e link do perfil facebook, com o título “Passatempo – Kang“, conjuntamente com o link da partilha do passatempo no facebook.

O passatempo decorrerá até ao dia 01 de Junho.

Notas adicionais: Os dados enviados serão usados apenas para o passatempo. Aceitam-se participações em Portugal (continental e ilhas). Quem está fora de Portugal poderá participar desde que pague os portes. Uma única participação por pessoa / mail. Ou seja, não podem participar várias pessoas do mesmo endereço, nem uma única por vários endereços de e-mail. Podem participar várias pessoas com a mesma morada desde que usem diferentes endereços de e-mail. Participações adicionais serão ignoradas. O único exemplar disponível será sorteado, e o vencedor comunicado no Rascunhos. Irei, também, enviar um e-mail para o vencedor, com o intuito de confirmar os dados antes do envio. Se não me responder em tempo útil (duas semanas) passarei ao segundo contemplado. O exemplar foi fornecido pela editora, o envio será realizado por mim pelo que vai depender da disponibilidade em me dirigir aos correios (a expectativa é que seja rápido).