Novidade: O Rio do Sonho – Joanne Harris

Quem me conhece (ou segue este blogue) já deve ter percebido que o género Romance não se enquadra muito nos meus gostos. Uma das poucas excepções são alguns dos livros de Joanne Harris (mais do que o filme baseado no livro, como seria de esperar) onde consegue cruzar algum realismo mágico e apresentar personagens em contextos românticos sem a pesada tragicidade de algumas obras típicas do género.

Realço, por exemplo, Gentleman and players (em português lançado como Cheque ao Rei) em que a autora apresenta uma trama interessante, centrando-se no assassino , sem nunca revelar o seu género, faceta que é mais possível desenvolver na língua inglesa do que na portuguesa.

Ao mercado português chegou mais um dos livros de Joanne Harris, neste caso centrado no deus nórdico mais dúbio – Loki! O livro tem lançamento marcado pela Asa para Julho:

Asgard caiu. Os deuses nórdicos foram derrotados e estão agora confinados ao tormento eterno da Terra dos Mortos. Mas o maquiavélico Loki não se conforma. Está determinado a fugir. E, um dia, encontra uma saída. Pois os deuses não morrem enquanto forem lembrados e, ao perceber que a Humanidade ainda sonha com eles, Loki encontra nas suas fantasias uma maneira de regressar à Terra… dentro da mente de uma jovem adolescente. Jumps tem 17 anos, é rebelde e inquieta… e não fica nada satisfeita com a intromissão, principalmente porque o seu deus de eleição é Thor. Mas também os seus melhores amigos são tomados pelos deuses, que, um a um, estão a conseguir escapar. Thor, Odin e muitos outros… Loki não antecipou tal movimentação. E tão-pouco está preparado para enfrentar a determinação de Jumps… ou o plano de Odin, que quer restituir o domínio dos deuses. Claro que, com Loki à mistura, o caos é total…

 

Malditos amigos – André Diniz

Viver com depressão ou esgotamento não é fácil. Falamos de uma realidade em que a doença psicológica é diminuída por uma grande parte da população, e em que o próprio não consegue ter perspectiva para se aperceber da sua situação. Aliás, esta uma das características da doença psicológica – no caso do esgotamento caracteriza-se pelo fecho em si mesmo, pelo isolamento, pelo adiar constante de responsabilidades, pelo tratamento erróneo dos que rodeiam o doente.

Em Malditos Amigos o autor apresenta um tatuador em São Paulo que apresenta todos os sintomas de uma depressão – esquece-se frequentemente de dias inteiros e tem pouca paciência para aturar os que encontra, fugindo de conversas ou encontros, e deixando para trás até os eventos com que sempre sonhou.

Alternando estes episódios da realidade actual da personagem, encontramos alguma da sua história, como se fascinou pelo mundo das tatuagens e como se mudou para São Paulo, a cidade que tem tudo o que sempre sonhou, com espaço para prosseguir a sua arte e a suas paixões. Mas estas paixões parecem ter dado lugar a apatia e irritabilidade.

Mas se algum do comportamento irritado é explicado pelo estado de espírito do tatuador, a verdade é que alguns dos que o rodeiam apresentam (ou apresentaram) comportamentos injustificados e parasitas – comportamentos que o tiram, e vão sempre tirar, do sério.

No estilo próprio de André Diniz (que já tinha tido hipótese de observar em O Idiota, publicado na colecção Novela Gráfica no ano passado) este Malditos Amigos é uma boa história, com boas tiradas sobre a doença psicológica da personagem principal que mostra a importância de nos rodearmos das pessoas certas.

Malditos Amigos foi publicado pela Polvo.

Novidade: Steampunk Internacional

Ir a eventos internacionais tem grandes vantagens. Uma é passar a conhecer mais intimamente o que se faz em países europeus, como a vizinha Espanha. Outra é criar contactos para futuras parcerias e fazer germinar projectos a médio prazo – como este livro Steampunk Internacional.

Pedro Cipriano foi um dos portugueses que esteve na Eurocon 2016 e foi a partir dos contactos criados nesse evento que se pensou na possibilidade de criar uma antologia Steampunk que tivesse autores de três países e que fosse publicada em todos os três! Assim surge esta antologia, uma obra trilingue, que reúne autores portugueses, ingleses e filandeses! Nos autores ingleses destaca-se George Mann, um autor bastante conhecido da ficção especulativa.Eis, pois, o alinhamento da antologia, bem como a sinopse. O livro já se encontra em pré-venda pela editora, é só seguirem a ligação! 

Um rinoceronte que poderá ou não ter alma, uma jovem com muita vontade de aprender contra uma família que não deseja a sua emancipação, um artista capaz de tudo pela obra sublime, um chapéu com vontade própria, um homem alado em busca da filha, um cérebro em fuga… Desde a fria Finlândia, passando por Paris e Londres, terminando na solarenga Lisboa. Desde a Renascença, passando pelo início do século XX, com um final num futuro em que a própria humanidade já nem existe. Assim é a nova antologia da Editorial Divergência: nove autores de três países, numa obra trilingue – em português, mas também em inglês e finlandês – com alguns dos melhores contos de Steampunk. Do Reino Unido chegam-nos os trabalhos de George Mann, Jonathan Green e Derry O’Dowd; da Finlândia, escolhemos Magdalena Hai, Anne Leinonen e J.S. Meresmaa; e de Portugal publicamos os inéditos de Diana Pinguicha, Anton Stark e Pedro Cipriano.

 

Novidade: Donald Vol. 5

Retorna amanhã às bancas a colecção Donald pela Goody, com o quinto volume! Deixo-vos informação mais detalhada sobre o conteúdo, bem como algumas páginas!

Conteúdo:

  • SUPERPATO O TEMPO FOGE -Texto de Tito Faraci e Desenhos de Emilio Urbano, Ettore Gula, Graziano Barbaro, Nicola Tosolini, Roberta Migheli e Stephano Turconi
  • SAL QUANTO BASTE – Texto de Francesco Artibani e Desenhos de Corrado Mastantuono
  • EVRONIANOS
  • DONALD E A CASA ASSOMBRADA – Texto de Rune Meikle e Desenhos de Miguel Fernandez Martinez
  • ZÉ CARIOCA A INCONTORNÁVEL GARGALHADA – Desenhos de Fernando Bonini

Dylan Dog – Os Inquilinos Arcanos

Este volume fecha com chave de ouro uma colecção de autores e heróis praticamente inéditos em Portugal. Tex não era inédito e no caso de Dylan Dog tínhamos já tido a publicação de um magnífico volume fora da colecção Bonelli, na colecção Novela Gráfica, publicada pela Levoir. E porquê com chave de ouro?

Comecei a sentir verdadeira curiosidade por Dylan Dog com Dellamorte Dellamore, filme que conheci numa das sessões de culto de Filipe Melo, inspirado na banda desenhada. Antes disso, já tinha visto alguns comentários sobre a banda desenhada (sobretudo pelo Artur Coelho) mas o que me fez ganhar interesse foi, não só a temática, mas a forma como é abordada, no limite do absurdo sem perder o romantismo.  E ao ver o filme vi uma série de referências espalhadas na ficção a Dylan Dog!

De uma forma bastante mais fascinante, este volume abre com Filipe Melo a referir como o herói influenciou a sua entrada no cinema e na banda desenhada, levando-o a criar I’ll see you in my dreams e Dog Mendonça, dois projectos que começaram por ter sucesso nacional e se estenderam ao sucesso internacional. Trata-se de um relato apaixonante de Filipe Melo, uma espécie de pequena homenagem a Dylan Dog.

Tal introdução dá especial enquadramento a este volume que nos apresenta três histórias. A primeira, mais longa, Os Inquilinos Arcanos, apresenta uma série de episódios estranhos que ocorrem num edifício. No primeiro episódio um apartamento encontra-se assombrado e Dylan Dog é chamado a investigar a veracidade da assombração. Trata-se de um episódio com detalhes irónicos que nos dá a conhecer parte da vizinhança do edifício.

Entre inquilinos cujo apartamento desaparece e parte de um edificío que permanence vigilante após a demoliação, Os Inquilinos Arcanos possui um enredo interessante e divertido, tocando no sobrenatural não sob a forma de horror, mas entre o fascínio e o misterioso.

A história seguinte recordou-me o clássico Eternauta. Em O grande nevão Dylan Dog conhece os próximos acontecimentos – uma catástrofe que irá ser perigosa para a maioria da espécie humana, uma série de monstros que atacam os sobreviventes, seguida de uma vaga de zombies. De final dúbio trata-se de uma história movimentada e de narrativa circular que deixa a personagem convencida de ter descoberto o seu mistério. Visual e narrativamente, esta tornou-se a história preferida do conjunto.

Em Dançando com um desconhecido Dylan Dog investiga os acontecimentos estranhos numa escola, acontecimentos que o levam por um rumo imprevisível e a um final redentor.

As histórias contidas neste volume apresentam visuais bastante diferentes, mostrando a diversidade que é possível para uma série como esta onde participam vários narradores e vários desenhadores. A personagem continua o galã do costume, envolvendo-se com algumas das raparigas que se lhe apresentam, mas não daquela forma excessivamente prepotente que caracteriza alguns heróis bidimensionais.

O resultado não é um volume profundo que dê lugar a questionamentos filosóficos, mas histórias engraçadas e movimentadas, que distraem o leitor por caminhos inusitados e imprevistos, acompanhadas por desenhos agradáveis e competentes para o final a que se destinam.

Este volume é o último da Colecção Bonelli, publicada em Portugal pela Levoir em parceria com o jornal Público.

Novidade: X-men Série 1 – Vol.7

Chegou, no dia 15 de Junho, às banca, novo volume da colecção  X-men! Deixo-vos a sinopse, bem como detalhe de conteúdo e algumas páginas disponibilizadas pela editora:

IMPÉRIO SECRETO CHEGA AOS MUTANTES

O impacto de ter um agente infiltrado da Hidra aos comandos da S.H.I.E.L.D., e a decidir os destinos dos Estados Unidos, está a atingir a comunidade mutante como seria de esperar. Steve Rogers, através de um regime totalitário e impiedoso, colocou já os Inumanos em centros de detenção espalhados pelo país e negociou com Emma Frost (que tenta evitar a todo o custo ter o mesmo destino dos Inumanos) a criação de uma nova nação soberana para todos os mutantes – Nova Tian. Steve Rogers quer sobretudo ganhar tempo e não abrir demasiadas frentes de batalha nesta altura, mas os planos da Hidra para Nova Tian estão longe de ser pacíficos… restando agora saber qual será a resposta dos Heróis mutantes a tudo o que se está a passar com este Capitão América.

 

Novidade: Deadpool Vol.3

Encontra-se nas bancas, desde dia 12 de Junho, o terceiro volume da série Deadpool, uma pequena série de quatro números centrada no mercenário mais maluco de sempre. Deixo-vos a sinopse, bem como detalhde de conteúdo e algumas páginas disponibilizadas pela editora:

SER OU NAO SER MADCAP . Steve Rogers, o velho Capitão América, acaba de vez com o Esquadrão de Unidade dos Vingadores para se concentrar no seu maquiavélico plano da Hidra, que acaba por envolver todos os super-heróis… mesmo os desbocados. Mas não ser Vingador deixa Wade, o nosso querido Deadpool, com mais tempo para a sua família… ou melhor, deixaria se não existisse um tal de Madcap a assombrar cada um dos seus passos. Como se não bastasse tudo isto a relação com a bela Shiklah continua pautada por múltiplos momentos românticos, que acabam na sua generalidade com Deadpool a ser esventrado com o primeiro objeto encontrado pela Rainha dos Demónios. Ah, e ainda falta a sua fi lha, que teima em não reconhecer Deadpool como pai. Aguentará Deadpool tamanha pressão ou entrará numa espiral assassina?
Esperem… isto é um livro do Deadpool. Ele vai entrar numa espiral assassina por certo.

Conteúdo:

DEADPOOL (2016) #21 a #24, #26 a #27 — POR GERRY DUGGAN, MATEO LOLLI, PAOLO VILLANELLI, SCOTT HEPBURN,
SEAN IZAAKSE e SALVA ESPIN.

 

 

 

Novidade: Aqui mesmo – Tardi e Forest

O segundo volume da Colecção Novela Gráfica volta com Tardi, o autor de Assim foi a Guerra das trincheiras, um dos livros de banda desenhada bélica mais impressionantes que já li. Deixo-vos a sinopse, bem como algumas páginas fornecidas pela editora:

Aqui Mesmo, segundo volume da colecção Novela Gráfica publica-se a 13 de Junho e é de um autor sobejamente conhecido dos leitores portugueses, Jacques Tardi, de quem a Levoir já editou  Foi Assim a Guerra das Trincheiras.

O argumentista,  é  Jean-Claude Forest, criador de Barbarella, a sua personagem  mais conhecida, levada ao cinema em Outubro de 1968 por  Roger  Vadim e interpretada por Jane Fonda.

Aqui Mesmo, conta a história surreal e satírica de Arthur Même, que foi despojado das suas terras que lhe foram usurpadas pelos primos sem escrúpulos. Depois de numerosas disputas consegue recuperar os muros da propriedade onde passa a viver. E é ali, no alto daqueles muros que mantém a sua posição estratégica, possuidor das chaves que abrem e fecham todas as portas e portões da propriedade e, com a ajuda de um célebre e caro advogado, que espera recuperar a totalidade das suas terras.

Aqui Mesmo foi um dos títulos fundadores da revista francesa (À Suivre) em 1978, tendo feito a capa do primeiro número e vencido o prémio de melhor argumento no Festival de Angoulême de 1980.

A parceria destes  dois grandes artistas, Tardi/Forest, resultou numa das obras mais originais de toda a história da BD.

 

 

 

Novidade: Dylan Dog – Os inquilinos arcanos – Colecção Bonelli

A colecção Bonelli termina com mais um volume de Dylan Dog! Eis a sinopse, bem como algumas páginas disponibilizadas pela editora:

Os Inquilinos Arcanos, história dividida em três partes aparentemente diferentes, mas que têm um denominador comum: um olho, que perscruta os personagens e entra no leitor. Histórias de uma intensidade incrível como só Sclavi poderia fazer. Publicada originalmente na revista Comic Art, tem argumento de Tiziano Sclavi (criador da série), Mignaco e Baraldi, com desenhos de Roi, Breccia e Manara. Nesta aventura, Dylan Dog investiga os estranhos fenómenos que afectam um edifício em Londres, assombrado por presenças inquietantes.

Em A Grande Nevada, depois de despertar de um horrível pesadelo em que Londres sofria um  ataque de zombies no meio dum estranho nevão, Dylan Dog descobre que o que havia sonhado está a ponto de se tornar realidade… Uma história imperdível, que tem argumento de Luigi Mignaco e desenhos do lendário desenhador argentino Enrique Breccia, um dos ilustradores de A Vida de Che, editado pela Levoir em Outubro de 2017.

Finalmente, em Bailando com um Desconhecido, Nives Manara, a irmã do mestre do erotismo, Milo Manara, ilustra uma história de fantasmas escrita por Barbara Baraldi.

 

 

 

Cinco mil quilómetros por segundo – Manuele Fior

Um relacionamento na adolescência é carregado de altos e baixos, oscilações provocadas pela imaturidade e pelo excesso de hormonas. Estas oscilações podem contaminar, para sempre, o relacionamento entre as duas pessoas e não é de estranhar que, quando finalmente conseguem afastar-se, procurem pessoas opostas.

Lucia apercebeu-se, a 5000 quilómetros de distância que não pretendia continuar o relacionamento tóxico com o namorado da adolescência. É na Noruega que se refugia, local onde ganha coragem para o afastamento, enquanto cria novas raízes – até ao dia em que bate uma enorme saudade de tudo o que deixou em Itália.

A vida é feita de encontros e desencontros. Nem sempre se encontra a pessoa certa no momento certo, nem sempre se tem a maturidade para se conseguir manter a dinâmica de um relacionamento. Por outro lado, existe alguma pressão social, a impressão que se quer dar aos amigos e familiares, elementos que dão outras dimensões aos conflitos a dois, principalmente quando demasiado jovens.

Em Cinco Mil Quilómetros por segundo mostra-se como a vida revolve sobre si mesma e como as distâncias podem servir para quebra ou aproximação, aproveitando-se o diferente clima entre os dois locais para o espelhar visualmente.

Cinco Mil Quilómetros foi publicado pela Biblioteca de Alice.

Rascunhos na Voz Online – Programa 09

Depois de uma conversa com João Barreiros que se centrou no seu interesse na ficção científica enquanto leitor e escritor no género, tivemos outra conversa centrada mais na sua actividade enquanto editor e participante / organizador de algumas iniciativas de ficção científica que ocorreram há largos anos mas que, na altura, atingiram uma proporção interessante.

Deixo-vos, então, a ligação para ambas as conversas:

Novidade: Homem-aranha Vol.7 série 2

O sétimo volume da segunda colecção de homem-aranha chegou às bancas no dia 08 de Junho. Deixo-vos a sinopse, bem como algumas páginas disponibilizadas pela editora:

DUO NAS ARCADAS E VENOM

Arcade é um dos vilões mais cómicos da história da Marvel, mas quando se junta a Homem-Aranha e ao desbocado Deadpool, o humor passa a ser totalmente descontrolado.

A dupla mais improvável continua assim em grande, com Wade e Peter Parker a mostrarem que a sua relação pode evoluir para um novo patamar… ou não!

Já o regresso de Venom tem tudo menos humor e, como se esperava, o aracnídeo foi arrastado para confrontos com o temido simbionte. O seu hospedeiro mostra-se cada vez mais violento, em histórias que nos prendem de princípio a fim.

Conteúdo

SPIDER-MAN/DEADPOOL (2016) #21-22 – POR ELLIOTT KALAN E TODD NAUCK

VENOM (2016) #3-6 – POR MIKE COSTA, GERARDO SANDOVAL, JUANAN RAMÍREZ E IBAN COELLO

 

 

Terra 2.7 – MAF

Em Terra 2.7 os seres humanos tentam colonizar e dominar um novo planeta. Felizmente, os seres inteligentes deste novo planeta encontram-se protegidos por divindades que recordam as do antigo Egipto, e os seres humanos são obrigados a manter-se no seu próprio espaço, produzindo materiais para estas divindades.

Sabe-se que estes seres poderosos possuem um soro da imortalidade, um soro que será composto por grande parte dos materiais produzidos pelos humanos, mas falta-lhes um ingrediente secreto. Numa arriscadíssima missão os humanos enviam agentes, esperando saber um pouco mais sobre os divinos.

A premissa é interessante – os humanos tentam colonizar um novo planeta mas são travados nas suas ambições. Ainda assim, não me cativou. Apesar de ter algumas páginas graficamente interessantes, encontrei componentes demasiado estáticas e diálogos demasiado estereotipados que não soaram naturais.

Terra 2.7 foi publicado pela Escorpião Azul.

Novidade: Afirma Pereira – romance de Antonio Tabucchi por Pierre-Henry Gomont

Entre os títulos publicados recentemente pela G Floy temos uma adaptação do romance de Tabucchi por Pierre-Henry Gomont. O autor esteve recentemente em Portugal para o lançamento do livro no Festival de Beja, tendo ocorrido, também, duas sessões de autógrafos. Deixo-vos a sinopse e algumas páginas disponibilizadas pela editora:

Obra emblemática sobre a resistência contra o totalitarismo e a censura, Afirma Pereira conta a progressiva tomada de consciência de um homem dos anos 1930 contra a ditadura que se vai erguendo no seu país, aqui contada numa adaptação gráfica profunda, imbuída de uma notável expressividade e dinamismo no seu desenho. Um verdadeiro retrato duplo: o de um homem cheio de sensibilidade humanista, e o de uma Lisboa ao mesmo tempo plena de cor e de melancolia.

Afirma Pereira, de Antonio Tabucchi, é um dos mais belos romances do escritor italiano, que era quase um português por adopção e por paixão pelo nosso país. E é também um dos mais interessantes e complexos romances para adaptar a banda desenhada: o artista francês Pierre-Henry Gomont aceitou o desafio lançado pela sua editora, a Sarbacane, e produziu um dos mais belos e mais premiados livros de BD de 2016, num estilo que é uma verdadeira homenagem aos céus e cores do nosso país, e à sua capital, Lisboa.

Bestiário Fantástico – Jean Ray

Eis um autor de terror sobejamente falado nas sessões de Sustos às sextas, um dos grandes eventos do género em Portugal. Apesar da sua notoriedade em vários países europeus, não é um autor muito publicado em Portugal, e os livros que se encontram em português só se podem encontrar em alfarrabistas – como este Bestiário Fantástico que adquiri recentemente na Feira do Livro.

Bestiário Fantástico é um pequeno volume que nos traz histórias em torno de criaturas fantásticas – algumas não fantásticas apenas enquanto excepcionais, outras autênticos monstros ou simples curiosidades. Temos cães valorosos, abandonados à sua sorte que procuram companhia e brincadeira, tritões e monstros marinhos.

Se algumas histórias são longas e envolventes, outras são curtas pretendendo narrar rapidamente os factos (ou a lenda) pela qual se defende a existência de determinada criatura. Outras há que narram eventos estranhos em torno de uma criatura, ave ou aranha, enquanto outras, ainda, envolvem animais normalíssimos confrontados com estranhos seres humanos.

O conjunto é, apesar de heterogéneo, interessante e de tom pausado, enquadrando-se naquele género de terror que não resvala para o gore ou a carnificina.

Novidade: Tio Patinhas Vol.5

Eis o retorno da série Tio Patinhas da Goody! Com melhor qualidade no papel utilizado para a impressão e maior centralismo na personagem que lhe dá nome, eis informação sobre este volume:

Conteúdo:

  • O MEU DÉCIMO SÉTIMO MILHÃO – Texto de Fausto Vitaliano e Desenhos de Ettore Gula
  • DEPOIS DO FIM
  • AS MENSAGENS SOBRE CERA – Texto de Bruno Sarda e Giorgio Figus e Desenhos de Giulio Chierchini
  • CHARLESTON – Texto e Desenhos de Enrico Faccini
  • DONALD CANTOR INTERGALÁCTICO – Texto de Gérson L. B. Teixeira e Desenhos de Eli Marcos M. Leon
  • DUCKTALES PARA TRÁS NO TEMPO… POR DEZ CÊNTIMOS – Texto e Desenhos de Don Rosa
  • MAGA PATALÓJIKA E A SUPERPOÇÃO – Texto de Ivan Saidenberg e Desenhos de Verci de Mello