The Forever War – Joe Haldeman

Primeiro número da mítica colecção de SF Masterworks da Gollancz, The Forever War é um exemplo típico (ou O exemplo) de ficção científica bélica, envolvendo alienígenas, como forma de, num contexto abstracto, criticar a espécie humana e a motivação das guerras que desenvolve.

Se a história começa por nos apresentar uma espécie hostil que terá sido responsável pelo desaparecimento de algumas naves terrestres, cedo apanhamos alguns detalhes que nos fazem questionar a verdadeira origem da guerra e a forma como esta está a ser conduzida. Se a guerra pode ser vista, do ponto de vista económico, como uma força impulsionadora de algumas indústrias (e avanços tecnológicos) verdade é que, pode, também, ser usada como forma de exercer pressão nas sociedades, para apertar os cordões à bolsa ou implementar limitações na liberdade. Aliás, é com o conceito de inimigo comum, vigilante e poderoso que se justificam algumas das mais famosas distopias como 1984 ou Kallocaína.

Aqui, de forma bastante circunstancial, vamos assistir a algo semelhante. Neste caso, aproveitando, não só a guerra mas, também o crescimento absurdo da população humana, todos os bens são racionados, e a maioria das pessoas não possui um emprego. Os restantes conseguem algum dinheiro através da substituição ilegal dos verdadeiros trabalhadores por % bastante menores – na prática os detentores do emprego podem nunca chegar a trabalhar e ainda ganham o suficiente para se manterem.

Mas divago. Esta percepção crítica da sociedade em que alguns se mantém à margem em quintas onde podem viver em paz e produzem os mantimentos para os restantes, que permanecem em cidades decadentes carregadas de violência, é apenas uma pequena parte da história mas que terá um efeito determinante em fazer regressar à guerra, soldados que já estavam fartos de morte e destruição.

One thing we didn’t have to worry about in this war was enemy agents. With a good coat of paint, a Tauran might be able to disguise himself as an ambulatory mushroom. Bound to raise suspicions.

Infelizmente, neste caso, o inimigo existe. Ou é materializado sob a forma de alienígenas, os Tauran. As batalhas decorrem em condições extremas e várias expedições são enviadas para os destruir. Seguimos Mandella, um soldado que consegue sobreviver às duras condições de treino onde padece a maior parte dos colegas, e que faz parte da primeira missão em que se consegue capturar um Tauran. De missão em missão percebe que está cada vez mais isolado e que, apesar de pouco ter envelhecido, a vida passa na Terra. Depois de uma missão catastrófica em que resta ele e uma companheira, tentam regressar às suas respectivas famílias, descobrindo que a sociedade está caótica e que já não têm lugar entre os civis. Qualquer semelhança com a realidade dos soldados que retornam da guerra não é uma coincidência.

Depois de alguns episódios violentos e disruptivos ambos resolvem regressar às missões. Demasiado distantes do inimigo, as viagens provocam discrepâncias temporais na vida dos soldados. Mandella vê-se, assim, no ano de 2458, isolado da sua parceira de guerra e, entretanto, companheira, como um homem adulto incapaz de se adaptar às novidades sociais. É que a homossexualidade passou a ser imposta como forma de controlar a natalidade (que apenas existe por meios artificiais) e Mandella é, na prática, o ser humano com comportamento sexual desviante, visto como uma raridade estranha.

A par com a natalidade artificial existe a selecção e uniformização genética, eliminando diferenças raciais e doenças – ainda que esta selecção possa não ser assim tão vantajosa como poderá parecer à primeira vista. Se ambas podem ser defendidas positivamente como tendo em vista a eliminação do racismo e de efeitos genéticos nefastos (pontos expressos durante a narrativa), a verdade é que, do ponto de vista biológico, a eliminação da variedade, a par com a gestação exterior, pode vir a ter duras consequências futuras pela dependência da tecnologia (algo, também, indiciado levemente ao longo da história).

Back in the twentieh century, they had established to everybody’s satisfaction that “I was just following orders” was an inadequate excuse for inhuman conduct… but what can you do when the orders come from deep down in that puppet master of the unconscious?

(…) I was disgusted with the human race, disgusted with the army and horrified at the prospect of living with myself for another century or so… Well, there was always brainwipe.

Numa sociedade tecnologicamente avançada, como convencer soldados inteligentes a lutar? A ideia de um inimigo não é suficiente. Mesmo tratando-se de seres alienígenas, são humanóides e podem causar empatia. Nada melhor do que uma campanha para distinguir o outro, com recurso a mensagens subliminares onde se relata a violência que terá perpetuado, como forma de incitar respostas selvagens. Mesmo que o cérebro consciente do soldado perceba que estes relatos são impossíveis e irracionais, o que lhe provoca dissonância emocional.

Estes temas não são endereçados directamente. Joe Haldeman usa a vida de Mandella, implementando vários elementos paralelos com os que lutaram no Vietnam, para fazer uma crítica intemporal às motivações políticas e económicas por detrás das guerras, bem como ao condicionamento dos soldados, o valor das suas vidas e o retorno a uma vida civil. Tudo isto enquanto nos apresenta uma narrativa com elementos de tecnologia avançada e se questiona sobre a sua utilização. E é por todas estas razões que este é, sem dúvida, um grande clássico do género.

Mais ficção de Joe Haldeman

Resumo de Leituras – Março de 2017 (2)

57 – O Submarino David – Os Túnicas Azuis – Willy Lambil e Raoul Cauvin – Se num volume anterior assistimos à utilização, na Guerra da Secessão, dos primeiros navios couraçados, neste volume acompanhamos a utilização do CSS David, já considerado um submarino;

58 – Agnar, o Bisavô – A Casta dos Metabarões – Jodorowsky e Gimenez – Este foi lido na biblioteca enquanto aguardava a sessão de lançamento de Lovesenda da autoria de António de Macedo. Este volume continua a apresentar a história dos antepassados do Metabarão demonstrando que se trata de uma linhagem forte que apenas poderia resultar na produção de um super guerreiro;

59 – My work is not yet done – Thomas Ligotti – O conhecido autor de terror apresenta um trio de histórias de terror corporativo onde se apresentam as intensas e corrosivas relações entre chefes de departamento. Nalguns episódios o ar é tão pesado que se apresenta como nevoeiro, impossibilitando o normal andar dos empregados. Claro que sendo Thomas Ligotti não se trata, apenas de terror de ambiente – esperem algumas partes mais gore  brutais com elementos sobrenaturais;

60 – Histórias de outro Mundo – Vários autores  – Antologia de histórias de banda desenhada de ficção científica, possui bons momentos e boas histórias, algumas com pitada de humor e ironia.

Herland – Charlotte Perkins Gilman

A ideia de uma sociedade constituída exclusivamente por mulheres não é nova – tem vários séculos, para não dizer milénios e o mito grego poderá ter ganho força (ou inspiração) num grupo de nómadas iranianos onde se poderiam encontrar mulheres guerreiras.

De forma bastante diferente, mas revolucionária, Herland foi escrito há mais de um século e ninguém o diria se o lê-se sem saber a data de publicação. Não só pela prosa, que é escorregadia, mas sobretudo pelas ideias originais e avançada para a época, onde o contraste de uma sociedade exclusivamente feminina permite vislumbrar pessoas e não géneros, sem condescendências ou agressividades.

Herland começa por nos apresentar um grupo de três exploradores (homens, claro) que parte em busca de um rumor onde se expressa a existência de uma civilização composta apenas por mulheres. A expectativa é baixa. Sem homens decerto que não terão ordem nem ciência. Esperam uma sociedade caótica, desorganizada e fútil, onde as mulheres se sentam a fazer casacos de malha ou a cochichar.

O que encontram não podia ser mais discrepante. Pensando, inicialmente, que existirão homens (escondidos) que justifiquem a civilização que encontram, são capturados por várias senhoras que, educadamente, os mantém em quartos compostos. O dia a dia é passado a aprender a língua desta civilização, mostrando estes homens o quão superior pensam ser.

Apesar da origem comum, os três homens apresentam perspectivas bastante diferentes. O narrador é mais acessível e rapidamente percebe que a civilização que encontrou corrigiu todos os defeitos da sua – sem religião (ou pelo menos num conceito bastante diferente) e sem conflitos, é uma sociedade próspera com capacidade de evolução, em que se concede a liberdade de prosseguir as inclinações de cada indivíduo, deixando o papel da educação aos mais sábios e experientes com uma dissociação lógica entre o papel de progenitora e mãe.

É desta forma que aprende a ser parceiro da mulher que o ensina e a aceitá-la como ser inteligente, capaz e igual, algo que não ocorre com outro dos membros do grupo que conhece apenas a lógica do forçar o género feminino ao interpretar o não como sim obscuro, minimizando o querer individual e mostrando-se como incapaz de percepcionar uma mulher como um indivíduo por si.

Tão interessante quanto a sociedade descrita é a evolução do narrador quando confrontado com as diferenças, inicialmente relutante e céptico em relação à perfeição daquela cultura, mas que, com a constante exploração e confronto de ideias, percebe as diferenças, a igualdade entre os membros daquela irmandade, impossível no mundo de competição e corrupção em que cresce.

Interessante não só pela perspectiva de género mas pela perspectiva de construção social em que, sendo possível a igualdade, é também possível o desenvolvimento individual e a concretização das capacidades de cada um, Herland torna-se uma leitura excepcional por conseguir apresentar todas estas ideias de uma forma estável, coesa e lógica.

The long way to a small angry planet – Becky Chambers

Lançado em 2014, The long way to a small angry planet tem uma história curiosa. O livro foi publicado como edição de autor no seguimento de uma angariação de fundos pela própria autora e viria a ser um daqueles raros casos em que o sucesso levou a nova publicação por uma editora conceituada no meio editorial.

Seguir-se-iam nomeações para o prémio Arthur C. Clarke e para o BSFA e referências sucessivas ao livro como uma Space Opera bem humorada, mas nem por isso menos séria ou interessante, com momentos de tensão e de elevado entendimento da condição humana – por vezes, da condição alienígena – mas acima de tudo do entendimento de diferentes entidades inteligentes com questões culturais próprias.

A história apresenta-nos a tripulação de uma nave mercante que realiza diversas missões por um valor que é distribuído pelos membros. Encontramos a nave no momento em que se preparam para aceitar mais um membro, uma jovem que terá como missão ajudar a lidar com as burocracias e colmatar o entendimento entre diferentes espécies alienígenas.

Desde logo percebemos que esta jovem assume uma identidade falsa, não sob pretextos criminosos, mas como forma de esconder a ligação familiar a outros humanos de índole duvidosa. Claro que não é a única a esconder um segredo. A A.I. da nave desenvolveu uma personalidade muito própria e prepara-se para passar a um corpo humano (algo ilegal) e um dos membros da tripulação tem um caso altamente secreto com uma bela alienígena. Um a um, vamos percebendo a diversidade de personalidades que se encontram a bordo.

Depois de estabelecer o ambiente a bordo, de companheirismo bem humorado e respeitoso, com excepção para alguns membros incapazes de grande socialização, Becky Chambers aproveita a diversidade de espécies alienígenas para confrontar hábitos e costumes, diferentes formas de pensar e de agir, justificando-os à luz de cada cultura sem dissertações exaustivas, mas conferindo uma unicidade a cada elemento que o torna mais compreensível e, consequentemente, possível alvo da empatia do leitor.

Assim se exploram algumas questões de descriminação realçando os hábitos que foram sendo progressivamente assumidos pelos viajantes de vários mundos (como não olhar durante demasiado tempo ou tentar conhecer antecipadamente gestos ou expressões que possam ser ofensivas) ou questões de género.

Cada espécie alienígena possui formas bastante próprias de sociedade e serve como modelo para a exploração de diferentes sexualidades e comunidades, ultrapassando a noção estanque de uma sociedade homogénea e estereotipada – cada um dos elementos carrega a sua própria história para além da sua espécie.

The long way to a small angry planet é um livro divertido. Apesar de não levar o leitor a grandes gargalhadas estabelece um ambiente agradável entre os vários elementos (que são, quase todos, boas pessoas) colocando-os em situações difíceis de confronto moral e ético, nos quais se vão safando de forma oscilante. Não esperem acções heróicas ou respostas lineares. Tratam-se de personagens complexas que apresentam as suas próprias limitações e que irão responder de forma diferente conforme a ocasião.

Sem chegar ao patamar de extraordinário (por vezes alonga-se demasiado em episódios de pouca importância e possui algumas arestas a limar na apresentação de personagens) The long way to a small angry planet é uma excelente leitura que recomendaria, mesmo a quem não costuma ler o género da Space Opera.

Resumo de Leituras – Março de 2017 (1)

img_2633

53 – O ouro do Quebeque – Túnicas Azuis – Vol. 10 – Ambos os lados da Guerra enviam um par de soldados disfarçados ao Canada com o intuito de capturarem o ouro acumulado por um garimpeiro. Não esperam é que o guia que arranjam seja pior que eles a orientarem-se nas florestas…;

54 – Louco: Fuga – Rogério Coelho – Visualmente esplendoroso, centra-se no Louco, uma personagem da Turma da Mónica que é conhecido pelos episódios mirabolantes. Aqui mostra algumas das suas aventuras entre mundos, fugindo ao cinzento, e aspirando à liberdade das ideias;

55 – Deadpool – A Guerra de Wade Wilson – Duane Swierczynski e Jason Pearson – Neste volume da colecção da Salvat reúnem-se duas histórias sobre a origem desta personagem contadas pelo próprio, e alteradas para sua própria conveniência consoante a situação. Na primeira faz parte de um plano demente como soldado a soldo, e com a segunda pretende angariar alguém que adapte a sua história para um bom filme;

56 – Through the woods – Emily Carroll – De ambiente negro, este livro reúne várias histórias de horror curtas que terminam, quase todas de forma péssima para as personagens, ou, no mínimo, traumática.

Histórias do outro mundo – vários autores

img_2939

Este Histórias do Outro Mundo publicado pela Escorpião Azul reúne várias histórias de ficção científica de premissas e visuais variados, algumas histórias irónicas, outras traumáticas ou pesadas, mas todas numa boa combinação de elementos narrativos e artísticos.

img_2952

Histórias de horror perpetuadas por familiares, bases espaciais atacadas em surtos de guerra ou enormes catástrofes apocalípticas – algumas investem em sucessivas reviravoltas narrativas, outras em fortes cenários e episódios de acção. Escolham o que preferem numa história de ficção científica e decerto encontrarão neste conjunto.

img_2957

Histórias do Outro Mundo foi publicado pela Escorpião Azul.

img_2955

Hoje aconteceu-me uma coisa brutal – El Torres e Julián López

img_3064

Hoje aconteceu-me uma coisa brutal foi publicado aquando da Comic Con Portugal de 2016, com a vinda dos autores El Torres e Julián López ao evento. Apesar de ter ficado curiosa só recentemente adquiri o livro e descobri uma história de super-herói com poderes um pouco mais introspectiva do que é habitual e um excelente visual.

img_3073

Para além das fortes dor de cabeça, Daniel começa, um dia, a ouvir uma voz feminina – uma voz que só ele é capaz de ouvir. A voz instiga-o a intervir no episódio de violência doméstica que decorre no apartamento ao lado e é assim que descobre uma força sobrenatural aliada a uma elevada capacidade de regeneração.

img_3080

A este sucedem-se vários episódios em que se decide a intervir, aproveitando os novos poderes para parar e enfrentar criminosos. Como seria de esperar, existem outros como ele, que, desde logo percebe, terem planos próprios ainda que não encarnem o papel de vilão maléfico.

img_3090

Apesar destes elementos com super-poderes diferentes juntarem, por vezes esforços para atingirem objectivos comuns, Daniel percebe, num mau momento, que raramente poderá contar com a imediata ajuda e apoio dos restantes. Qual exactamente o papel de cada um e as suas intenções desconhecemos.

img_3101

Com elementos comuns a tantas outras histórias semelhantes (o acolhimento alegre e desprendido dos amigos quando descobrem as capacidades de Daniel, a existência de outros, a utilização imediata dos poderes para o bem) e de não conseguir concretizar, na totalidade deste volume, o potencial possível, Hoje aconteceu-me uma coisa brutal tem, também, um desenvolvimento cliché, quase genérico, com a desilusão nos outros elementos com super-poderes e o afastamento necessário de quem se gosta para não os por em perigo.

img_3094

No final existem alguns episódios que fogem um pouco à linha narrativa habitual, não se revelando todos os segredos deste mundo e mostrando que o herói central pode escolher o seu próprio percurso afastando-se do que é imediatamente esperado dele.

img_3098

Apesar dos elementos conhecidos que são desenvolvidos ao longo da história, a leitura de Hoje aconteceu-me uma coisa brutal vale bastante pelo visual, de fortes contrastes onde se explora, como cenário, a cidade de Barcelona.

img_3082

Hoje aconteceu-me uma coisa brutal foi publicado pela Comic Con Portugal.

Drifter – Vol.2 – Ivan Brandon e Nic Klein

img_2650

O segundo volume de Drifter continua a linha do primeiro – visual brutal e história misteriosa onde vamos encontrando pistas do que originou as aparentes quebras na linearidade temporal percepcionada, tanto pelas personagens como pelo leitor.

img_2873

Passo a explicar. A história começa com um homem a ser salvo de estranhos alienígenas. A percepção que tem é de que a nave onde viajava acabou de se despenhar. Para os que o salvaram, a nave despenhou-se há muito, criando uma pequena confusão na mente deste homem que se refugia na violência como forma de apagar o forte sentimento de impotência.

img_2865

Paralelamente vamos assistindo a vários episódios, envolvendo outras personagens,  episódios que visualizamos com pouco contexto, como se, também nós, tivéssemos acabado de chegar e desconhecêssemos este mundo e esta sociedade. Percebemos que os alienígenas funcionam em comunidade entre eles, com uma perspectiva muito própria sobre o que é justiça e regras de convivência, constituindo personagens arrepiantes, pela incapacidade que sentimos em as compreender.

img_2870

Misterioso, deixando pequenas pistas ao longo da narrativa saltitante, Drifter é uma leitura desafiante que nos leva a construir um puzzle entre elementos estranhos e pouco lineares, onde os relacionamentos não são óbvios e os acontecimentos não ocorrem de forma sequencial.

img_2877

Resumo de Leituras – Fevereiro de 2017 (7)

img_2626

49 – Terra de Sonhos – Jiro Taniguchi – Este volume reúne duas histórias bastante distintas, uma primeira, mais longa em que assistimos aos últimos dias de um cão, um animal doméstico muito bem tratado que aguenta o sofrimento da velhice por longos dias, a que se segue a adopção de uma gata prenha que vem preencher o espaço deixado. A segunda é uma história sobre a exploração e o ultrapassar de barreiras físicas e mentais;

50 – Black Face – Túnicas azuis Vol. 9Willy Lambil e Raoul Cauvin – A série continua a explorar a guerra da Secessão aproveitando, neste caso, para explorar o tema da escravatura, um pretexto para fazer uma guerra de ambição e de busca por lucros, que pouco tem a ver com o trabalho escravo;

51 – Histórias de Vigaristas e canalhasOrganizada por George R. R. Martin e Gardner Dozois, a antologia reúne várias histórias fantásticas protagonizadas por vilões em diversos cenários e premissas mirabolantes e imaginativas;

52 – Drifter – Vol.2 – Ivan Brandon e Nick Klein – Tal como no primeiro, a história não é linear e directa. Vamos observando o desenrolar de acontecimentos como meros espectadores, com pouco enquadramento ou compreensão e temos de ir construindo a história, com pistas espalhadas ao longo das várias narrativas.

Destaque: Novas edições

Não são só os novos livros que devem ser destacados, mas também aqueles que se recuperam no mercado para não caírem em esquecimento. Eis alguns que serão lançados novamente nos próximos tempos:

cidades-rtp

Um dos grandes livros de Italo Calvino, As Cidades Invisíveis, terá nova edição na colecção RTP, em capa dura e preço acessível. Este clássico da literatura fantástica apresenta várias cidades ficcionais descritas por Marco Polo ao Imperador Kublai Khan. Nomeado para o prémio Nebula, o livro já serviu de inspiração para uma Opera. Eis a sinopse:

A este imperador melancólico, que percebeu que o seu poder ilimitado conta pouco num mundo que caminha em direção à ruína, um viajante visionário fala de cidades impossíveis, por exemplo, uma cidade microscópica que se expande, se expande até que termina formada por muitas cidades concêntricas em expansão, uma cidade teia de aranha suspensa sobre um abismo, ou uma cidade bidimensional como Moriana. […] Creio que o livro não evoca apenas uma ideia atemporal de cidade, mas que desenvolve, ora implícita ora explicitamente, uma discussão sobre a cidade moderna. […] Penso ter escrito algo como um último poema de amor às cidades, quando é cada vez mais difícil vivê-las como cidades.» Italo Calvino «Ao projetar a sua própria voz nos relatos de cidades que pontuam o diálogo entre Marco Polo e Kublai Kan, Calvino reencontra essa capacidade dos antigos construtores de fábulas, e sabe transmitir o prazer que aquele que conta tem de suscitar no ouvinte, que é o próprio leitor.» Nuno Júdice Prefaciado por Nuno Júdice.

prestigio

Adaptado para cinema, O Prestígio é a história fantástica da rivalidade tempestuosa entre dois mágicos:

Uma história de segredos obsessivos e curiosidades insaciáveis. Londres, 1878. Dois jovens mágicos cruzam caminhos enquanto actuam em luxuosas salas de espectáculo vitorianas. E cedo nasce um feudo cruel que irá assombrar as suas vidas, levadas ao extremo pelo mistério de uma espantosa ilusão que ambos fazem em palco. A rivalidade instiga-os a atingir o pico das respectivas carreiras, mas com consequências terríveis. Na busca de um truque que conduza à ruína do rival, escolhem o caminho da ciência mais negra. O sangue será derramado, mas não será suficiente. No fim, o legado dos mágicos irá passar para as futuras gerações e serão os descendentes a ter de desvendar a teia de loucura que envolve estranhos actos de magia…

loki

Publicado há algum tempo no mercado português, retorna pela G Floy:

Há dois lados para cada história, e agora chegou a altura de ouvir o lado de Loki: o filho preterido de Odin vai contar a história toda do seu ponto de vista, a sua sede insaciável de poder, os seus sentimentos ambíguos para com Sif, a sua antipatia para com Balder, e o seu imenso ressentimento contra o seu irmão mais velho, Thor. Com a excepcional arte de Esad Ribic, um dos maiores artistas da Marvel, e argumento do romancista Robert Rodi, esta história auto-contida vai mostrar-nos Asgard como nunca a tínhamos visto! Loki tornou-se finalmente soberano de Asgard, e Odin foi colocado a ferros, tal como todos aqueles que batalharam em seu nome. No entanto, Loki vê-se cercado de antigos aliados e interesses vários, todos em busca de recompensa pela ajuda prestada na sua ascensão. E Hela, deusa do Reino dos Mortos, empurra-o para completar o seu triunfo com a execução de Thor. Loki terá de ponderar se a sua existência fará algum sentido sem o seu meio-irmão…

Sobre Loki deixo-vos, também, algumas páginas disponibilizadas pela editora:

loki_page_1 loki_page_2 loki_page_3 loki_page_4

Deadpool – A Guerra de Wade Wilson – Duane Swierczynski e Jason Pearson

img_2675

Entre a loucura e a trapaça pouco ou nada se pode acreditar no que Deadpool diz. Este volume reúne duas histórias em que Deadpool tem oportunidade para revelar como surgiu a sua identidade, como se destruiu a sua aparência, como se tornou mercenário. Herói consciente da sua presença numa banda desenhada, consciência que o torna ainda mais louco para os que o rodeiam, Deadpool é um misto de angústia e loucura inteligente.

img_2751

Deadpool é, na prática, um palhaço perigoso. Capturado no seguimento de uma missão que originou uma carnificina colossal, é chamado a testemunhar no senado americano. De máscara em máscara conta uma versão da sua história que poucos conseguem corroborar, nem que seja parcialmente. O homem que foi, Wade Wilson, poderá não ter existido, ou pelo menos não da forma como descreve.

img_2756

Desfigurado, Deadpool esconde-se por detrás da máscara e por detrás de uma grande dose de sarcasmo sob a forma de piadas constantes que oscilam entre a auto-comiseração e a perda da razão ou de percepção. Entre o que conta e o que sucedeu existe uma grande diferença, e no final ficamos sem perceber se a versão final é minimamente credível. Provavelmente não é.

img_2766

Para além da história que dá título, o volume apresenta uma outra história sobre a origem de Deadpool (X-Men Origins: Deadpool). Também aqui Deadpool conta a sua história, procurando, entre os argumentistas de Hollywood quem possa fazer uma boa adaptação.

img_2778

Tratando-se de Deadpool, a abordagem é violenta. De argumentista em argumentista, quase todos tentam, sem o ouvir, apresentar uma versão alternativa da sua própria vida, dando-lhe outra profissão ou outra origem. As entrevistas sucedem-se, deixando um rasto de sangue e destruição, até ao momento em que encontra, finalmente, alguém que começa por ouvir a versão de Deadpool.

img_2770

Rindo-se de si próprio, perante os que o rodeiam e perante o próprio leitor, consciente de que existe um leitor, Deadpool é uma personagem do qual nada se pode esperar. Pouco linear, escondido sob várias camadas de versões mais ou menos romanceadas dele próprio, ou demasiado brutais, percebemos que o verdadeiro Deadpool, que existe em raros momentos de sanidade, se encontra entre todas estas versões que utiliza a seu belo prazer, consoante a audiência e o objectivo.

img_2747

Este volume constitui o 36º de A Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel da Salvat.

Histórias de vigaristas e canalhas – Vários autores

img_2483

À semelhança de Histórias de Aventureiros e Patifes, Histórias de Vigaristas e Canalhas reúne contos de conhecidos autores de ficção científica e fantasia onde os protagonistas são ladrões, aldrabões ou trapaceiros. O ângulo de acção de todos é sempre, ou quase sempre, o de arranjar uma forma de lucrarem com a situação em que se encontram, arranjando esquemas mirabolantes e arriscados para enganarem os que os rodeiam.

A selecção foi feita pelos famosos Gardner Dozois e George R. R. Martin e inclui autores tão conhecidos como Joe Abercrombie (com vários livros publicados em Portugal pela 1001 Mundos), Steven Saylor (mais voltado para a ficção histórica com a famosa série Roma Sub-Rosa), Michael Swanwick (do qual foi publicado O Verdadeiro Dr. Fausto pela Saída de Emergência) ou Cherie Priest (ainda não publicada em Portugal mas muito conhecida pelo Steampunk).

lamina

A antologia começa com Está difícil para todos, um conto de Joe Abercrombie que reflecte bem o espírito da restante ficção do autor onde as personagens, apesar de não totalmente más, se mostram implacáveis, escolhendo o único caminho que conhecem, o da criminalidade. Neste caso um estranho pacote é roubado sucessivamente por várias pessoas que escondem outros interesses (para além dos monetários). Um conto movimentado onde vamos conhecendo criminosos de vários tipos e capacidades.

boneshaker

Em Heavy Metal, de Cherie Priest, forças muito antigas ocupam descampados e um peso pesado investiga o peculiar desaparecimento de dois jovens. A sobrevivente acredita que estes estarão mortos, mas a cena que descreve é, no mínimo, surreal. Envolvendo forças sobrenaturais e confrontos mágicos, é um conto com um desenvolvimento inesperado.

lowmidnight

O conto seguinte é de Carrie Vaughn, conhecida autora de fantasia sobrenatural, uma best-seller no género. O conto decorre num bar escondido onde duas senhoras esperam para fazer negócio. O que as traz não sabemos, mas logo percebemos que, no bar, o clima é de calma apenas aparente. Entre as várias personagens pouco humanas e de grandes poderes, o jogo ilegal decorre prometendo uma explosão a qualquer momento.

wrack

Vencedor do World Fantasy Award e do John W. Campbell Memorial Award, Bradley Denton é um nome que não me recordo de ter lido anteriormente. O conto que aqui se encontra é uma reviravolta divertida onde ladrão que engana ladrão tem cem anos de perdão. Bem, não tem, mas pelo menos o aproveitar de um esquema em curso para roubar ladrões descuidados e inexperientes é quase como ver o Karma em acção – e é divertido.

this-is-not-a-game

Diamantes de Tequila, de Walter Jon Williams, centra-se num actor com um passado sombrio. As filmagens do mais recente projecto em que se encontra envolvido decorrem no México. De figura pouco atraente, ganha sobretudo papéis de vilão. A par com a sua figura, tem, para maior publicidade, um falso romance com a grande actriz do elenco. As filmagens em cenário paradisíaco começam a correr mal quando encontra a falsa namorada morta no seu quarto, o resultado de um esquema químico que pode por em causa o negócio das drogas e das indústrias farmacêuticas.

sabriel

Do autor da trilogia fantástica iniciada com A Missão de Sabriel, Um carregamento de Marfins grupos diferentes de ladrões sobrepõem-se na sua missão nocturna, mas acabam por juntar forças para defrontar uma figura divina, imensa e raivosa.

majestrum

O conto de Matthew Hughes, A Estalagem das Sete Dádivas, é um dos melhores do conjunto, acompanhando um ladrão solitário e trapaceiro que, ao ouvir os gritos de socorro de um homem, capturado por seres fortes, canibais e horrendos, decide aguardar para que se afastem e poder recolher os objectos que o homem terá deixado. O que não conta é que entre estes objectos está um pequeno Deus encerrado numa pequena figura e que, ao tocar-lhe ficará possuído e obrigado a ir salvar o homem. Sempre em busca do melhor ângulo, acaba por arranjar um pequeno acordo com a divindade que se tornará bastante proveitoso.

triunfo

Steven Saylor é bastante conhecido pela série sub-rosa, uma série de ficção histórica que decorre na Roma Antiga, centrada num investigador maduro, Gordiano, de bom coração e casado (se tal se podia dizer para a época) com a escrava. Em Invisíveis em Tiro Gordiano é apenas um rapaz que acompanha o seu tutor, Antípatro. Na viagem que os dois realizam Antípatro tem objectivos obscuros que não contou a Gordiano, pretendendo adquirir uns antigos livros de sabedoria que conterão fórmulas para tudo e mais alguma coisa. Inclusivé, para a invisibilidade.

verdadeiro

Tawny Petticoats é o conto de Michael Swanwick onde dois trapaceiros de profissão procuram uma rapariga para pôr em curso os seus esquemas. Ao invés de uma jovem inocente ou ingénua encontram uma colega de profissão que alinha no golpe. Os visados não são boas pessoas. Um deles comanda os zombies da cidade, e outra as prostitutas. Os zombies não são os comuns mortos-vivos, mas seres humanos que, tendo contraindo dívida, ingerem uma poção que os fará desligar o cérebro e obedecer cegamente, para assim poderem pagar o que devem.

windhaven

O conto seguinte é de Lisa Tuttle, uma das autoras do genial Windhaven, O Curioso Caso das Esposas Mortas. Neste conto uma detective recebe um estranho caso em que uma menina, criança, acredita ter visto a falecida irmã, caminhando e respirando, no cemitério onde terá sido enterrado. Não crendo que a jovem está viva, mas percebendo que a história tem algo de estranho, a detective aceita o caso. O que encontra é um caso mirabolante de farsas e enganos.

dragon-path

O último conto da antologia, O significado do Amor, apresenta o salvamento de uma jovem vendida pelo pai para trabalhar. Quem a salva não a conhece verdadeiramente mas foi compelido por a ter visto sob determinada luz – amor à primeira vista. Um trapaceiro profissional ajuda assim o amigo a salvar a jovem, recorrendo a esquemas mirabolantes em que envolve um antigo e perigoso militar.

O conjunto de histórias aqui reunido é sobretudo divertido, com desenvolvimentos inesperados e rocambolescos, aventuras onde os ladrões até se dão bem no meio de azares e tropelias. Os tons e os estilos são variados mas todos possuem a componente interessante de não terem como protagonistas os heróis típicos de honra e espada, mas antes pessoas de moral dúbia que recorrem a esquemas para darem volta às mais complicadas situações e ainda saírem a ganhar.

Histórias de vigaristas e canalhas foi publicado pela Saída de Emergência.

Destaque: Projecto – H.G.Wells – Ficção curta completa – Vol. 1

wells-ficcao

Depois de publicarem clássicos da fantasia como Jurgen de James Branch Cabell, literatura subversiva de Vilhena, ou o fabuloso Casos de direito galáctico e outros textos esquecidos de Mário-Henrique Leiria, a E-Primatur continua a destacar-se com os projectos de 2017, neste caso com o primeiro volume da Ficção Curta Completa de H. G. Wells. Deixo-vos a sinopse:

Algumas das maiores obras-primas do conto em língua inglesa numa obra que reúne pela primeira vez um conjunto de textos essenciais do século XX.

Primeiro de dois volumes que compilam toda a ficção curta (contos e novelas) de um dos escritores mais influentes do século XX (o segundo volume será publicado em 2018).

H. G. Wells é essencialmente associado aos primórdios da ficção científica moderna, mas as suas obras são universais e lidas pelos mais diversos públicos. No caso dos seus contos e novelas, o leitor português terá pela primeira vez acesso a algumas obras inéditas, mas que marcaram a literatura universal. Ficará também a perceber que a maior parte da obra de Wells não se centra no universo da ficção científica e sim em temas universais: as ambições, medos, traumas e sonhos do ser humano.
Textos clássicos como «O Homem que Fazia Milagres», «A Máquina do Tempo» ou «O Bacilo Roubado» revelam de que forma o final do século XIX e começo do século XX acreditava no futuro da ciência como forma de melhorar a Humanidade.
Para além dos textos que envolvema ciência, Wells revela-se um excepcional retratista da sociedade da sua época, agudo observador de tipos e hábitos, das esperanças de um império britânico no começo da sua fase descendente em contraponto a um mundo moderno governado pela ciência.
Dos contos e novelas incluídos no primeiro volume, mais de 20 foram alvo de adaptações cinematográficas e televisivas (e quase todos foram adaptados a teatro radiofónico pela BBC).

H-Alt – 3 – Diversos autores

img_1538

Cada vez maior, cada vez reunindo o talento de autores mais diversos e mais diferentes, a terceira revista da H-Alt possui histórias que se enquadram na ficção científica, na fantasia e no horror.

img_1542

O volume abre com uma história de bruxarias e destinos onde as intenções divergem bastante do esperado e prossegue para a exploração do desespero com a venda de um fármaco milagroso. Novamente as intenções divergem e o resultado é, no mínimo, irónico.

img_1543

Depois dos alienígenas que caminham quase invisíveis entre nós segue-se uma irónica história de Arthur Cordeiro que apresenta, para além do bom visual, uma boa narrativa. De seguida, voltamos a encontrar alienígenas – o espaço pode ser um local medonho mas quem fica assustado com o que encontra são os visitantes, numa história curta, amorosa e engraçada.

img_1548

Depois das espectaculares imagens do autor da capa, voltamos a encontrar alienígenas que tecem um plano para, com o mínimo esforço, conseguirem o que pretendem da humanidade, e viagens intergalácticas onde se usam teorias sobre a matéria negra para se escapar a um fim quase inevitável.

img_1463

Cruzando diversos géneros, estilos narrativos e abordagens visuais, H-Alt volta a trazer boas histórias curtas onde se destaca a componente gráfica mostrando que a maioria das parcerias atinge um resultado com um nível acima da média.

img_1554

Eventos: Devoradores de Livros – Fevereiro

devoradores-23

A tertúlia Devoradores de Livros tem data marcada para o dia 23 de Fevereiro e irá decorrer no lugar habitual, a Leituria em Lisboa. Esta sessão tem como convidado Tomás Múria, o guionista que adaptou o Ministério do Tempo para português.

Para mais detalhes podem consultar a página do evento.

Resumo de Leituras – Fevereiro de 2017 (4)

37 – Os Cavaleiros do Céu – Vol.1 – Os Túnicas Azuis – Willy Lambil e Raoul Cauvin – O primeiro volume revelou uma história leve que, apesar de decorrer durante a Guerra da Secessão, usa a dinâmica entre duas personagens bem diferentes mas inseparáveis para aligeirar o tema e dar constantes toques cómicos. Uma leitura leve e divertida;

38 – Malus – Christopher Webster – Entre ensaios farmacêuticos que têm impactos inesperados assistimos a uma mescla de surrealidade e de viagens subconscientes, a confrontos intensos e fantásticos;

39 – Waltz with Basir – Ari Folman e David Polonsky – Banda desenhada poderosa que discorre paralelamente sobre a memória peculiar de um soldado e a sua peculiar experiência da Guerra. Forte pela temática onde os civis são arrastados para o cerne do horror da guerra, interessante pela perspectiva pouco usual, diferente pela forma como resolve explorar um tema sensível, Waltz with Basir é uma leitura marcante;

40 – Remington – Listopad – Aconselhado durante uma das sessões de Recordar os Esquecidos, reúne vários textos curtos do escritor que cruzam referências a personalidades com referências históricas, tudo numa forma quase banal e corriqueira, que passam, aos olhos de quem lê, quase como episódios normais – mas na verdade, poucos o são.

Resumo de Leituras – Fevereiro de 2017 (3)

img_2425

33 – A Feira dos Imortais – Enki Bilal – Aproveitando a mitologia egípcia, apresenta alienígeneas à sua semelhança, com características paralelas, que interagem com os seres humanos numa sociedade futurística e distópica, uma sociedade que necessita urgentemente de uma revolução;

34 – O sono do monstro – Enki Bilal – Tal como A feira dos imortais, esta história foi surpreendente para quem só conhecia os álbums mais recentes, tanto do ponto de vista gráfico, como do ponto de vista de enredo, apresentando várias personagens mais complexas que se envolvem numa trama política a escala mundial;

35 / 36 – Destino adiado – Tomos I e II – Gibrat – Um jovem deserta e tem a sorte dos seus papéis serem encontrados juntos de um cadáver irreconhecível. Dado como morto pelo exército esconde-se na sua vila e ocupa uma casa central que lhe permite acompanhar o dia-a-dia dos que conhece sem se revelar. Apaixonante, romântico, mas mostrando a inevitabilidade do destino, este tomo duplo revelou uma história muito tocante e envolvente.