The Master and Margarita – Mikhail Bulgakov

Escritor russo, Mikhail Bulgakov tornou-se conhecido pelas peças e adaptações de várias obras ao teatro, tendo sido apenas após a sua morte que se publicou a obra que se associa automaticamente ao seu nome The Master and Margarita. Tendo conhecido várias edições, a primeira com passagens censuradas, The Master and Margarita é considerado um clássico do século XX. Para além deste, Mikhail Bulgakov escreveu ainda algumas histórias que se enquadram no género de ficção científica, como Heart of a Dog ou The Fatal Eggs.

Produzido durante um período da vida de Bulgakov em que este se encontrava viciado em morfina, é uma obra fantástica que fornece alguns detalhes que caracterizavam a sociedade russa da época. Numa altura em que se abole a religiosidade na Rússia, Bulgakov apresenta-nos a história, com uma conversa entre um editor e um poeta, sobre a inexistência de Deus. O poeta, cujo nome significa Homeless, terá escrito um poema que humaniza Cristo e o torna numa personagem negativa, quando o que o editor, Berlioz, pretendia era um poema que denunciasse Cristo como  uma personagem inventada.

Esta conversa será interrompida por um estrangeiro, um homem que se revela um mágico, que afirma ter assistido à crucificação e conhecido Pilatos. Depois de relatar como Cristo terá sido encaminhado para a cruz, profetiza que Berlioz será decapitado por mulheres. E assim acontece, para espanto de Homeless, na mesma tarde, quando Berlioz escorrega e cai na linha do eléctrico, conduzido por uma mulher, perdendo a cabeça. Homeless endoidece e tenta denunciar o mágico como um estrangeiro sem permissão de permanência no país, responsável pela morte de Berlioz. Perdendo o rasto ao mágico, acaba por ser dado como maluco e internado num hospício. Este é apenas o primeiro de vários estranhos episódios.

Igor Kantorovitch

O mágico habita o apartamento de Berlioz conjuntamente com os seus cúmplices, um gato preto capaz de falar, um ex-mestre de coro, um assassino de garras e uma succubus. Mas não é apenas o apartamento do falecido que o mágico ocupa, influenciando também a organização literária de Berlioz: as pessoas que ocupam os cargos mais elevados vão entrando no hospício, e estranhos espectáculos de magia decorrem na sala de espectáculos. Nestes, mulheres trocam as suas roupas por outros trajes mais ricos descobrindo mais tarde estar nuas, ou um homem perde a cabeça, e recupera-a, mas com consequências.

Se na primeira metade do livro acompanhamos os acontecimentos em torno da organização literária e do hospício que nos permitem conhecer O Mestre, um historiador que terá escrito um livro em torno da crucificação de Cristo e de Pilatos; a segunda metade centra-se  em Margarita, uma jovem de poses elevadas mas vida vazia, que se terá apaixonado pelo Mestre. Desconhecendo que o apaixonado se encontra num hospício, para o encontrar aceita a proposta do mágico. Desta forma, utiliza numa noite de lua cheia, um creme rejuvenescedor, saindo a voar numa vassoura e transformando-se numa bruxa.

Igor Kantorovitch

As situações imprevistas são acompanhadas por  detalhes da época: a forma como os estrangeiros são encarados, com desconfiança; a economia fechada, que não permite a posse de dinheiro estrangeiro; ou os regulamentos que coordenavam a atribuição de apartamentos. De ambiente surreal, a história é caracterizada por episódios estranhos e satíricos assim como de imagens fortes: uma escadaria sem fim no interior de um  apartamento, uma mulher nua que atravessa a cidade voando num porco ou um gato de metralhadora em punho.

2 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.