Alias vol. 1- Jessica Jones

IMG_7211

Alias é uma história forte e envolvente – não por conta do aspecto gráfico, que achei bastante comum, permanentemente envolvo em sombras e de pouco detalhe – mas porque, apesar dos elementos clássicos das histórias de detectives (decadência, melancolia e alcoolismo) apresenta uma perspectiva pouco comum dos humanos com super poderes.

IMG_7218

Alternando momentos de elevada acção com conversas mais introspectivas, Alias centra-se numa super heroína que terá, há muito, deixado o fato popular e reconhecível por uma carreira mais low profile de detective privada, uma profissão que lhe dará o rendimento suficiente para sobreviver e para se embrenhar em algumas tramas de forma mais pessoal.

A história abre com um episódio que, sendo quase cliché, nos dá uma ideia da personalidade da personagem principal. Um cliente, vendo-se traído pela esposa, tenta virar-se contra a detective, uma mulher que decerto estará a rir-se da sua fraqueza. Apesar de tentar evitar o confronto, Jessica Jones não tem outro remédio senão atirá-lo pela janela e chamar a polícia para registarem a ocorrência – situação em que, a custo, lá acaba por admitir ter pertencido aos super-heróis de fato e pompa.

IMG_7222

Sem ligações afectivas iniciais, Jessica Jones acaba por oscilar entre os momentos de lazer desprendidos e o demasiado envolvimento nos casos que toma, ultrapassando o papel linear de detective, para tentar corrigir as situações que encontra.

Mais denso em diálogos do que seria de esperar de uma aventura de heróis Marvel, Alias apresenta-nos uma heroína sem poderes particularmente fortes que não encaixa em nenhuma das duas fracções – por um lado não é só humana, por outro não é tão especial quanto os heróis mais poderosos e icónicos. O resultado é uma heroína inteligente que age sempre de forma correcta, que se destaca pouco e que deambula sem objectivos próprios entre missões caseiras que depressa se podem transformar em cenas mais rocambolescas.

IMG_7217

Psicologicamente mais complexo, sem grandes e mirabolantes batalhas, Alias torna-se uma boa leitura pela maneira como nos sentimos envolvidos pelo carácter peculiar de Jessica Jones – uma pitada de rectidão, outra de mania da perseguição (q.b.), finalizada com uma baixa auto-estima.

Em Portugal Alias Vol.1 foi publicado pela G. Floy.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s