V for Vendetta

Fui ver o filme apenas sabendo que se baseava numa graphic novel (nome mais pomposo para designar BD, que parece ter entrado em voga recentemente). Um lado bom, um lado mau; mas não comparável aos tipicos films x-man ou spider-man ou super homem (adicionar numero de serie). Existe realmente um herói, mas inteligente e culto que durante todo o filme aparece com uma máscara, referindo que por detrás da máscara está uma ideia. É esta uma das frases principais do filme – porque um homem pode-se matar, mas não uma ideia.

Classificaria este como um dos melhores filmes baseados em BD dos últimos tempos (juntamente com Sincity e History of Violence).

Remember, remember the fifth of November
The gunpowder treason and plot.
I see no reason why gunpowder treason
Should ever be forgot.

Uma pequena curiosidade – esta rima surgiu no século XVII, após o julgamento de Guy Fawkes, encontrado com várias dúzias de barris de pólvora que se destinavam a assassinar o Rei. Condenado por traições, a sua morte foi uma das mais horríveis sentenças da história, e a frase serve como aviso a subsequentes tentativas. Uma frase que fica na memória…

 

10 pensamentos sobre “V for Vendetta

  1. Este post estava no baú? 😉

    Acho que o filme se destaca das outras adaptações de BD essencialmente em três aspectos: o aspecto visual, bastante mais cuidado do que o normal; a densidade psicológica e verbal (por vezes excessiva) do herói; e pelo tema do filme em si, uma Inglaterra fascista, que toca muito perto das pessoas nos dias que correm…

    Espero que o DVD tenha uma edição em condições…

  2. Tinha de deixar esta célebre frase aqui 😀

    Voilà! In view, a humble vaudevillian veteran, cast vicariously as both victim and villain by the vicissitudes of Fate. This visage, no mere veneer of vanity, is a vestige of the vox populi, now vacant, vanished. However, this valorous visitation of a by-gone vexation, stands vivified, and has vowed to vanquish these venal and virulent vermin van-guarding vice and vouchsafing the violently vicious and voracious violation of volition.

    The only verdict is vengeance; a vendetta, held as a votive, not in vain, for the value and veracity of such shall one day vindicate the vigilant and the virtuous.

    Verily, this vichyssoise of verbiage veers most verbose, so let me simply add that it is my very good honor to meet you and you may call me V.

  3. Adorei essa tirada do gajo…especialmente quando, depois de ter debitado todas as palavras começadas por V da lingua Inglesa, responde à pergunta dela: “so let me simply add that it is my very good honor to meet you and you may call me V.”

  4. Vi o Filme assim que estreou com muita espectativa por esta razão, os manos “matrix” fizeram um primeiro filme de louvar, logo seguido de 2 asneiradas, iam matando o primeiro que se destaca de longe dos “irmaozinhos”, este filme está bem dirigido, mais ou menos bem adapado visto que existem diferenças com o livro, mas optaram por fazer um filme que decorre mais no nosso tempo, nada mau, umas mensagens perdidas aqui e ali, mas no total um filme de culto. Do melhor que eu já não via desde o meu favorito Batman begins. Comprei o dvd de “v” e não está nada mal.

  5. não sei cm destingui ese filme mas ,com poucas palavras eu digo esse brasil precisa de um v de vingaça ese governo tapodre as suas ideias fede ,suas bombas não mata nossa fome só alimenta nossas desgraças .

  6. Pela enésima vez assisti a este filme ontem na TV. Não é a toa q. ficou nos treding topics do twitter durante toda sua exibição. Adoooro V de Vingança. E lendo as frases em inglês agora percebo que também tiveram o cuidado de adaptar os dialogos, não estragando a poesia dos versos de V.

    “Lembrai, lembrai do cinco de novembro
    A pólvora, a traição, o ardil
    Por isso não vejo como esquecer
    Uma traição de pólvora tão vil”

    “Voilà! À vista, um humilde veterano vaudevilliano, apresentado vicariamente como ambos vítima e vilão pelas vicissitudes do Destino. Esta visagem, não mero verniz da vaidade, é ela vestígio da vox populi, agora vacante, vanescida, enquanto a voz vital da verossimilhança agora venera aquilo que uma vez vilificaram. Entretanto, esta valorosa visitação de uma antiga vexação, permanece vivificada, e há votado por vaporizar estes venais e virulentos verminados vanguardeiros vícios e favorecer a violentamente viciosa e voraciosa violação da volição. O único veredito é a vingança, uma vendeta, mantida votiva,não em vão, pelo valor e veracidade dos quais um dia deverão vindicar os vigilantes e os virtuosos. Verdadeiramente, esta vichyssoise de verbosidade vira mais verbose vis-a-vis uma introdução, então é minha boa honra conhecê-la e você pode me chamar de V.”

  7. Eu amei muito esse filme no passado, mas o vi novamente depois de reler o comic. Não é ruim, eu ainda gostei, mas eu definitivamente senti minha opinião declinando considerando quão radicalmente ela difere dos quadrinhos. Apesar de sua reputação e impacto cultural, fiquei meio surpreso com o quanto o filme realmente não é nada político; nem os fascistas nem o próprio V têm qualquer tipo de ideologia política, nem o público. Uma história sobre como as crenças racistas e xenófobas de um país inevitavelmente levaram ao fascismo se transformou em um genérico “as pessoas tinham medo e queriam segurança, mas literalmente nenhuma delas sequer concordava com o partido fascista ou acreditava em qualquer coisa que dissessem, mesmo ANTES V aparece” ; e o anarquismo de V é completamente apagado, e de alguma forma os Wachowski leram os quadrinhos e pensaram “não, não, isso definitivamente não é sobre despertar político e revolução, é uma história de amor”. (Além disso, e eu quero dizer, não aumentar meu discurso ainda mais, eu faço isso às vezes, rsrs, mas: Eu sinto que há um ensaio inteiro a ser escrito sobre como os Wachowskis parecem enquadrar a política exclusivamente como simbolismo; destruindo o edifício um passo no caminho para derrubar e matar fascistas, é apenas um gesto simbólico que significa muito para as pessoas e essa é a razão pela qual é importante)
    Eu fiquei genuinamente impressionado durante a sequência em que as pessoas em máscaras de Guy Fawkes estão destruindo, sobrepostas ao monólogo, e em certo ponto um cara está roubando uma loja, e vai, “e então haverá …” e o ladrão grita “anarquia no reino unido!”, “… caos”. Considerando V nos quadrinhos literalmente faz questão de distinguir entre anarquia e caos, e o anarquismo é um tema principal da história, e sendo este o único uso da palavra anarquia no filme … parecia muito deliberado para Alan Moore. Como o filme parece sair do seu caminho para sugerir que o ato das pessoas se levantando violentamente é ruim, e são apenas os gestos simbólicos que são bons, mas compará-lo com os quadrinhos revela-o muito mais superficial do que poderia parecer inicialmente (ou talvez eu tivesse apenas 12 anos, e sempre pareceria superficial, mesmo para um leitor não cômico).

  8. Considerando V nos quadrinhos literalmente faz questão de distinguir entre anarquia e caos, e o anarquismo é um tema principal da história, e sendo este o único uso da palavra anarquia no filme. Como o filme parece sair do seu caminho para sugerir que o ato das pessoas se levantando violentamente é ruim, e são apenas os gestos simbólicos que são bons. Ele só perde o ponto da graphic novel num grau impressionante. Quando o vi no cinema, lembro de me sentir um pouco entediado no final. O ritmo não é bom para este.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.