Riding the Shore of the River of Death – Kate Elliott (The Very Best of)

best of kate elliott

É impossível falar da primeira história deste conjunto sem falar na introdução que acompanha a antologia. Esta introdução é, na prática, bastante semelhante à introdução que podemos encontrar na pequena colecção de Aliette de Bodard, Scattered Among Strange Worlds. Ambas as autoras falam no gosto pelos géneros da ficção especulativa que cresceram a ler, mas que pouco as representavam, enquanto mulheres. Sinceramente sempre me chateou mais o tom machista de alguns livros, até porque, entre os vários autores (e autoras) sempre fui encontrando personagens de todos os géneros.

Serve esta introdução para perceber o conto Riding the Shore of the River of Death onde uma princesa tenta fugir do tradicional destino de noiva real, caçando com o irmão, os povos bárbaros. Espera desta forma poder recolher o prémio (uma cabeça) que concede a todos a possibilidade de serem considerados homens, libertando-se assim do papel matrimonial que a espera.

Claro que a caçada não decorre como esperado e o irmão, que também aspira a se tornar um homem, acaba gravemente ferido. A irmã escolhe ajudá-lo a morrer como um homem, desistindo de perseguir a possibilidade de se libertar das obrigações femininas. Acompanha-o então para um lugar seguro, mas ambos caem às mãos de uma feiticeira inimiga. A feiticeira prende-os, mas cura o irmão.

O que assistem deixa-os perplexos – a feiticeira viaja acompanhada por um guerreiro a quem trata por igual, trabalhando como ele nas tarefas diárias e vestindo-se de forma prática, sem receios de avanços indesejados por parte do homem. Na verdade, tratam-se como companheiros, algo que seria impensável na sociedade da princesa.

Este conto é, conscientemente, uma tentativa de contar uma história tradicional de princesa em apuros dando-lhe uma reviravolta peculiar que transforma o príncipe numa figura idiota e ridícula que age esperando, de todos, os papéis mais óbvios de mulheres indefesas, homens como comandantes e a realeza como altiva perante todas as situações.

Apesar de constituir uma história interessante pelo desenrolar dos acontecimentos, é muito mais do que isso, levando o leitor a questionar os contos tradicionais sem que seja necessário apontar para alguns casos concretos e apresentando-nos um conto original. Um início interessante desta antologia.

5 pensamentos sobre “Riding the Shore of the River of Death – Kate Elliott (The Very Best of)

  1. Pingback: Leaf and Branch – Kate Elliott (The Very Best of) | Rascunhos

  2. Pingback: The Queen’s Garden – Kate Elliott (The Very Best of) | Rascunhos

  3. Pingback: On the dying winds of the old Year and the Brithing Winds of the new – Kate Elliott (The Very Best of) | Rascunhos

  4. Pingback: The Gates of Joriun – Kate Elliott (The very best of) | Rascunhos

  5. Pingback: The Very best of Kate Elliott | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s