cavaleiro sueco

A editora de Zoran Zivkovic, Julio Cortázar e Dino Buzzati anunciou hoje a publicação de um livro que me parece enquadrar-se no género fantástico:

Nos primeiros anos do século XVIII, numa Europa em convulsão, ainda mergulhada na superstição e no Antigo Regime, atravessada por brigantes e dragões dos exércitos combatentes na Grande Guerra do Norte, que opõe o jovem imperador sueco à aliança formada pelas restantes potências da região, dois fugitivos procuram abrigo num velho moinho. Um deles é um comum ladrão acossado pelas autoridades locais, o outro é um nobre, desertor do exército sueco. Exaustos e sem mais recursos para se furtar a um destino que os condenará ao patíbulo ou às galés, firmam um pacto com um moleiro espectral: o ladrão assumirá a identidade do nobre, transformando-se no Cavaleiro Sueco, o segundo rumará, sem nome, para os trabalhos forçados nas forjas do Bispo, isto até que os seus caminhos se voltem a cruzar…

Reconhecido mestre de uma nova forma de fantástico, que alia elementos do folclore ao romance histórico, admirado, entre outros, por Italo Calvino e Jorge Luis Borges (que o apelidou de «kafka aventuroso»), Leo Perutz é um dos maiores nomes da literatura europeia e «O Cavaleiro Sueco» uma das obras-primas desta, pela primeira vez disponível para os leitores portugueses.