A Vida no Céu – José Eduardo Agualusa

IMG_2175

Comprei este livro na minha última visita à Fyodor, pensando estar a comprar mais um romance africano de Agualusa. Bastou a primeira página para perceber que o livro descrevia algo mais, não que a sinopse esconda a verdadeira natureza da história, mas para comprar um livro do Agualusa normalmente não preciso de ler a sinopse. A Vida no Céu é uma história pós-apocalíptica, em que a terra terá sido engolida pelas águas. Restam os ares, para os quais os homens se dirigem, ascendendo aos céus, em balões e grandes dirigíveis.

Neste mundo a internet persiste numa grande parte do ares, possibilitando a fácil navegação e a comunicação entre cada compartimento aéreo. As aves (os seres sobreviventes) são quase sagradas, e os vários papéis económicos são desenvolvidos por cada uma das vilas (conjuntos de balões): vilas pesqueiras e vilas de comerciantes. Permanece a nostalgia dos mais velhos, que recordam ainda os cheiros da terra, e a liberdade de poder correr sem parar.

Carlos vive em Luanda, um conjunto de balões que terá tido origem em Angola e que escolheu como negócio os livros, contituindo uma biblioteca nos ares. A vida do jovem altera-se quando, numa tempestade, o pai cai do balão. Há quem o julgue morto e perdido nos mares, mas não Carlos que resolve partir para procurar o pai nos balões que se encontravam na área aquando da intempérie. Um desses balões é Paris, uma cidade voadora na qual terá uma jovem amiga bastante rica, que o ajudará.

Entre traficantes e piratas acompanharemos Carlos e Aimée na busca do pai de Carlos e na sua libertação. Uma aventura em que os dois acabam por percorrer bastantes cidades e culturas, vivendo pequenas episódios onde são heróis constantes, contra todas as possibilidades. Agualusa vai aproveitando para descrever como a humanidade se foi transformando com a vida nos balões. Ainda assim, uma história de que gostei bastante com dirigíveis fora do contexto steampunk que tem sido habitual.

Entre a culpa da humanidade no desastre ecológico e a descrição da nova estrutura social, a história flui rapidamente (ou não tivesse lido o livro em pouco mais de hora e meia). O defeito estará no demasiado centralismo nos dois jovens que acabam por se transformar em heróis salvadores em todas as situações que defrontam: capacidades que são explicadas no decorrer da história mas que não me conveceram em todos os casos.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.