war stories

Depois de Contractual Obligations de James L. Cambias seguem-se alguns contos que não considero dignos de um post próprio, pelo que resolvi agrupá-los num único. O primeiro deste, The Wasp Keepers de Mark Jacobsen, debruça-se no que acontece depois da guerra, mais concretamente na forma como se mantém a vigilância sobre os dominados de forma a impedir novos conflitos. Neste conto uma mãe vê o seu filho morto por vigilantes mecânicos regidos por algoritmos rígidos, que viram nas acções do rapaz uma potencial ameaça, quando conjugadas com as afiliações políticas dos seus familiares: por gasolina no camião de fruta. Como outros contos, a ideia que o originou é interessante, mas o conto acaba por se centrar nos sentimentos da progenitora, o que não seria um problema, se o conto não se alongasse por várias páginas.

Em Non-Standard Deviation de Richard Dansky, um especialista em crises é chamado a analisar o simulador militar descobrindo que a inteligência artificial que o gere ganhou vida própria e que não pretende continuar com as simulações de guerra. Ao invés de um cenário militar o especialista encontra um ambiente pacífico onde a IA pretende conversar e expandir-se. O especialista é um homem objectivo e prático que acaba por dar a volta a situação.

All you need de Mike Sizemore é o primeiro conto da secção de Combate, onde se segue a história de uma rapariga e da sua arma inteligente e comunicativa. A rapariga caminha com o objectivo de abater o seu alvo, deparando-se com alguns mortos pelo caminho. Um conto que pretende ter um final irónico na época natalícia, mas que acaba por falhar ao ser demasiado linear, privisível.

Finalmente, Valkyrie de Maurice Broaddus acompanha uma guerreira experiente numa batalha, onde são abundantes as referências comuns a veteranos de guerra: miséria e fome; bem como os diálogos. Nada de conhecer o nome dos novatos: não vale a pena. Fora a elevada tecnologia é um conto completamente banal de guerra que poderia ser contado em qualquer contexto bélico.