Resumo de Leituras – Maio de 2016 (3)

IMG_5499

113 – Saga – Vol. 4 – Brian J. Vaughan e Fiona Staples – Depois das aventuras mirabolantes desta família pelo espaço, a fugir de mercenários e militares altamente treinados, finalmente encontram um poiso mais calmo onde a menina pode crescer em paz. Ou quase. A rotina quase dá cabo do relacionamento amoroso e faz com que a família se separe. Neste volume contam-se as circunstâncias em que tal aconteceu. Saga continua com os pormenores imaginativos, as situações caricatas e as personagens suficientemente dementes para aguentar e estimular uma boa história;

114 – As coisas que os homens me explicam – Rebecca Solnit – Partindo de uma cena quase cómica que se passou num jantar em que o anfitrião era um asno condescendente, a autora reflecte sobre o incidente, realçando o papel de cada género naquela conversa. Se a conclusão da autora pode parecer dúbia (afinal, um asno condescendente muitas vezes é-o sempre que suspeita que a pessoa a quem se dirige é inferior) as sucessivas situações de violência, física ou psicológica, em meios domésticos ou públicos deixam a ideia de que será necessário algo mais para fazer evoluir a sociedade;

115 – O Negócio dos livros – André SchiffrinApesar de ser apresentado como um livro que fala sobre a influência das grandes editoras e da forma como orientam o mercado e nos levam a consumir o que pretendem, é mais uma história da experiência pessoal do autor no mercado da edição. Tendo começado numa pequena editora (não por acaso naquela editora, que tinha sido fundada há muito pelo pai já falecido) descreve a preocupação pela construção de um bom catálogo de fundo para aguentar os novos lançamentos de venda inicial mais lenta – um modelo de negócio ignorado pelas novas direcções editoriais que pouco ou nada compreendem do objecto que comercializam;

The Dark 12

116 – The Dark – Issue 12 – Apesar de ter recebido gratuitamente todos os números desta revista, apenas li os primeiros volumes e agora este. Nos primeiros volumes denotava-se uma inconsistência de qualidade entre os contos originais e aqueles que estariam agora a ter nova edição na revista. Este volume captou-me interesse por ter um conto de Angela Slatter e acabei por ler a totalidade da revista. Encontrei um tom mais homogéneo na qualidade e no tema, apresentando arrepiantes contos de fantasia negra.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s