O novo livro de João Barreiros foi lançado pela Imaginauta – trata-se de um pequeno romance que teria sido publicado na Antologia Erótica de literatura fantástica se esta tivesse prosseguido, e que assim viu a luz das páginas em modo solitáro mas muito auto-suficiente. Para quem conhece a ficção de João Barreiros não é de estranhar a classificação como ficção científica carregada de máximo prejuízo. Deixo-vos a leitura da primeira página pelo próprio autor:

A história começa com uma civilização recentemente extinta, uma civilização tão focada na sexualidade que, à semelhança da experiência dos ratinhos, cujos cérebros foram adulterados com um receptor que lhes daria choques eléctricos resultando em poderosos orgasmos, escolhem o pedal do choque eléctrico ao invés da comida, até morrerem à fome.

Antes da recente extinção em massa tratava-se de uma civilização relativamente avançada, uma forma de equídeos carnívoros, bem equipados sexualmente, que vê chegar uma expedição de humanas com aparelhos que lhes conferem aprazíveis aspectos físicos para os alienígenas que contactam. Sabe-se que chegaram quase em cima de um festival e que aterraram em local pouco apropriado.

Mas onde estão os membros da expedição anterior? O que lhes aconteceu? E o que terá originado tamanha explosão de sexualidade, pouco prática em termos evolutivos, quer para a espécie de equídeos, quer para as restantes espécies do mesmo planeta?

A nova expedição que investiga o planeta (e espera poder explorá-lo livremente, na ausência de uma civilização alienígena) não acredita na mesma aproximação pacífica da expedição anterior, colocando o grosso da missão num homem alterado, uma máquina de guerra em potencial que, por esse motivo, tem uma predisposição para a violência maior do que seria normal.

De tom irónico, capaz de exterminar, livre de pudores, as personagens, João Barreiros apresenta em Crazy Equóides um livro pouco contido em linguagem ou acções, que resulta de forma sublime sem cair no sórdido ou no banal apesar de se centrar na sexualidade de uma espécie alienígena. Se pegarmos no tema, e na premissa, trata-se de uma tarefa difícil mas, como se referiu na apresentação do livro, se se sentirem sexualmente entusiasmados com a história, procurem um psicólogo!

Em Crazy Equóides João Barreiros caminha o difícil limite da premissa que desenvolve sem resvalar para caminhos demasiado obscuros, apresentando uma das suas habituais histórias duras, carregadas de máximo prejuízo, e mantendo a coerência narrativa, sem faltarem pequenas reviravoltas para nos manterem interessados! Sem dúvida um livro a ler por quem gosta de ficção científica mas que pode ferir algumas (ou muitas) susceptibilidades.