God Country – Cates, Shaw, Wordie, Hill

Se surgisse uma hipótese de recuperares todas as memórias de uma vida e todas as tuas capacidades físicas, depois de anos de esquecimento, decerto ficarias tão destemido quanto o herói deste livro. Num estranho encontro sobrenatural surge uma espada poderosa, uma espada que faz com que Quinlan, que tem Alzheimer, recupere as suas faculdades mentais, enquanto esmaga um demónio que assola a propriedade em que se encontra.

God Country centra-se, sobretudo, nos relacionamentos familiares, por vezes difíceis por conta das diferenças geracionais, mas agravadas pela falta de comunicação e pelo esconder de sentimentos. Neste caso, para além destes factores existe uma demência que torna um homem num velhote intratável que deixa de reconhecer o próprio filho e amedronta a neta.

Com o retomar das faculdades mentais, nem por isso a comunicação retorna, até porque existem muitas mágoas e inseguranças camufladas, mas, ao retormar a memória, o velhote apercebeu-se da nebulosidade que se tinha instalado na mente e, acima de tudo, percebe que se tinha esquecido da falecida esposa.

Não querendo voltar a esquecer-se da falecida esposa, e sabendo que se tornou um peso na vida do filho, a possibilidade de retomar, para sempre, a memória, é demasiado boa para abdicar dela sob ameaça de várias entidades poderosas. Ameaças e não só. Sucedem-se batalhas épicas e estrondosas pelo poder da espada consciente que protege o velhote.

Este volume de God Country reúne a totalidade da história que tem momentos interessantes, sobretudo quando explora os relacionamentos familiares e os sentimentos. Se um doente grave Alzheimer pudesse, nem que fosse por momentos, recordar-se da pessoa que era antes, como reagiria? O que seria capaz de fazer para se manter curado?

Passatempo – Homem-aranha O fim da conspiração – Vol. 3 / 14 – Série II

Ao enfrentar novamente o vilão Chacal, o Homem-aranha depara-se com fantasmas do passado numa série de revelações surpreendentes! Este terceiro volume regressa novamente a Miles Morales, o jovem homem aranha que foi bastante influenciado pela Segunda Guerra Civil!

Este passatempo irá sortear um exemplar do terceiro volume da segunda série de Homem-aranha fornecido pela Goody!

Como participar:

Para ganharem este volume têm de efectuar três acções:

  1. Seguir a página do Rascunhos ;
  2. Partilhar o passatempo no facebook;
  3. Enviar um mail para rascunhos.blog [AT] gmail [DOT] com, indicando nome, morada e link do perfil facebook, com o título “Passatempo – conspiração“, conjuntamente com o link da partilha do passatempo no facebook.

O passatempo decorrerá até ao dia 01 de Junho.

Notas adicionais: Os dados enviados serão usados apenas para o passatempo. Aceitam-se participações em Portugal (continental e ilhas). Quem está fora de Portugal poderá participar desde que pague os portes. Uma única participação por pessoa / mail. Ou seja, não podem participar várias pessoas do mesmo endereço, nem uma única por vários endereços de e-mail. Podem participar várias pessoas com a mesma morada desde que usem diferentes endereços de e-mail. Participações adicionais serão ignoradas. O único exemplar disponível será sorteado, e o vencedor comunicado no Rascunhos. Irei, também, enviar um e-mail para o vencedor, com o intuito de confirmar os dados antes do envio. Se não me responder em tempo útil (duas semanas) passarei ao segundo contemplado. O exemplar foi fornecido pela editora, o envio será realizado por mim pelo que vai depender da disponibilidade em me dirigir aos correios (a expectativa é que seja rápido).

Novidade: Thanos – Vol. 8 Marvel Especial

Encontra-se nas bancas, desde dia 04, o oitavo volume da série Marvel Especial, o primeiro de Thanos! Deixo-vos a sinopse, bem como detalhe de conteúdo e algumas páginas fornecidas pela editora:

“A VINGANÇA SERVE-SE FRIA.” Thanos, o indivíduo mais diabólico do universo, está de volta. Infelizmente para o Titã Louco, este regresso significa um reencontro inesperado com a sua família. Mas Thanos é maldade pura. Thanos é um conquistador. Thanos é um guerreiro. Thanos ainda é um deus. Será que existe realmente alguém capaz de colocar um ponto final ao seu reinado sangrento? Será essa uma tarefa para a Guarda Imperial Shi’ar? E qual o papel de Tryco Slatterus, o Campeão do Universo? Entretanto Thane, o filho do próprio Thanos, continua por aí e ao que parece tem uma agenda própria. Sim, quando Thanos eliminou todos os elementos da sua prole, Thane foi poupado, mas não foi por amor. Preparem-se para uma reunião de família eletrizante, numa viagem pelos caminhos mais negros da galáxia, seguindo o rastro de caos e destruição deixado pelo regresso do famoso supervilão cósmico.

Conteúdo:

THANOS (2016) #1-6 — POR JEFF LEMIRE, MIKE DEODATO e FRANK MARTIN.

 

Novidade: O Segredo do Bosque Velho – Dino Buzzat

Eis um dos meus livros favoritos de todos os tempos! O Segredo do Bosque Velho tem nova edição portuguesa pela Cavalo de Ferro. Neste livro a floresta apresenta uma dinâmica fantástica, com os humanos a serem elementos impulsionadores da narrativa, mas com entidades como o vento ou os génios das árvores a desempenharem os papéis principais, espectadores poucos passivos que assistem a alguns acontecimentos de mãos atadas.

O coronel Sebastiano Procolo herda do seu tio parte do Bosque Velho, lugar mágico habitado por génios, espíritos e forças invisíveis com o poder de se transformarem em animais ou homens. Indiferente a esta natureza idílica, o coronel tem planos bastante mais práticos para rentabilizar a sua herança, desencadeando uma guerra que diluirá as fronteiras entre o Bem e o Mal, contaminando a realidade de elementos fantásticos. Adaptado ao cinema num filme de enorme sucesso, que recorda a prosa alegórica de Saint-Exupéry e do seu “O Principezinho”, “O Segredo do Bosque Velho” é o romance onde Buzzati melhor evoca a perda da inocência e a brutalidade do real, temas que fazem parte do universo do autor. «Magnífico, o último fabulista moderno.» The Guardian

 

 

 

 

Novidade: Julia – O Eterno Repouso

O quarto volume da Colecção Bonelli (publicada pela Levoir em parceria com o jornal Público) promete ser bastante diferente dos anteriores, com desenho de Sergio Toppi, anteriormente publicado em Portugal com Sharaz-De. O facto de ter desenho de Toppi seria o suficiente para ficar no radar, mas para além disso, a sinopse promete uma história centrada numa heroína:

Com a colaboração de Luca Vannini na parte gráfica, Berardi criou Julia Kendall em 1998 inspirando-se na actriz Audrey Hepburn. Julia é solteira, vive nos arredores de Garden City, num apartamento que pertencia à sua avó, em companhia de Toni a sua gata persa e da simpática, divertida e tagarela “empregada-ombro-amigo-ama-seca” Emily Jones cujos traços são os da actriz Whoopy Goldberg.

Além  de professora universitária ela é também criminóloga, trabalha em colaboração com a polícia, cujos contactos são o sargento Ben Irving (um simpático John Goodman) e o tenente Alan Webb (um John Malkovich lúcido), e com este vive uma relação pessoal e profissional num misto de confiança e conflitos, principalmente pelos inconfessáveis ciúmes que ele sente em relação ao detective Leo Baxter (Nick Nolte), amigo fraterno de Julia e seu braço direito nas investigações mais complicadas.
Em JuliaO Eterno Repouso, a jovem criminóloga depara-se com um crime horrível que tira a paz de Saint George, uma pequena casa de repouso na periferia de Garden City. Um monstro assassino está à solta. Um inquietante espectro da morte paira sobre o lar de idosos e Julia terá que procurar a solução do caso. Para tal ela vai tentar colocar-se no lugar dos criminosos utilizando os seus conhecimentos da psicologia humana e assim compreender, e não justificar, os motivos que levariam ao crime. Não é à toa que Julia é definida pelo próprio criador como uma “Investigadora da Alma”.

 

Evento – Tecnologias e Gaming no Futuro

Sobre o temaTecnologias e gaming no futuro vão decorrer três palestras na Biblioteca de Marvilla. Deixo-vos o alinhamento (acima) bem como um pequeno resumo das três palestras:

Os robots à conquista do Mundo – Luís Correia – Professor associado do Departamento de Informática da Faculdade de Ciências de Lisboa, com um doutoramento em informática na área da robótica. Vai falar-nos sobre robots, de uma perspectiva alargada e com uma visão orientada para o futuro, contar-nos sobre descobertas e inovações, utilidades e novas funções.

Vìdeo jogos inteligentes – Luís Moniz – Professor Auxiliar no Departamento de Informática da Faculdade de Ciências de Lisboa, e vai apresentar uma visão diferente dos videojogos. Entre os seus interesses estão a aplicação de inteligência artificial em videojogos e vai falar-nos sobre cenários, jogadores, eventos, sobre o que aprendem e como aprendem os videojogos e os jogadores virtuais.

Os agentes no entretenimento (jogos e cinema) – Hélder Coelho – Professor Emérito da Faculdade de Ciências, do departamento de Informática e vai falar-nos sobre novidades, desenvolvimentos e descobertas no campo da Inteligência Artificial e da Vida ou Realidade Virtual. Vamos juntos mergulhar nos desafios que o futuro nos coloca e nos diferentes caminhos que procuramos trilhar.

Rascunhos no Voz Online – Congo

O sexto programa do Rascunhos na Voz Online é uma entrevista a Henrique Gandum, autor de Congo, livro que comentei há poucos dias por aqui.  Na entrevista Henrique fala um pouco mais das motivações por detrás desta banda desenhada, das suas origens enquanto autor e dos planos que tem para o futuro.

Para saberem um pouco mais de Congo, carreguem na ligação para a página.

Novidade: Os Vingadores Infinito – N.º 4

A mini série Os Vingadores Infinito chegou ao fim no passado dia 30 com este quarto volume! Deixo-vos a sinopse, bem como detalhe de conteúdo e algumas páginas fornecidas pela editora:

A GRANDE GUERRA DO INFINITO. Os Construtores. Engenheiros de tudo o que existe. Uma raça tão velha como o próprio tempo. Quando a Terra é considerada um fracasso, os Construtores marcam-na para procederem à sua destruição. Enquanto o Capitão América, e uma poderosa equipa de super-heróis nunca antes reunida, avança para o espaço para fazer frente a estes inimigos ancestrais, um velho inimigo decide tirar proveito do facto de a Terra estar desprotegida. Thanos, o Titã Louco, ataca com todas as suas forças… e onde Thanos pisa podemos esperar morte e muita devastação. Felizmente, mesmo um mundo sem Vingadores tem as suas defesas. O Homem de Ferro permaneceu na Terra, juntamente com os restantes elementos dos Illuminati, uma sociedade secreta de super-humanos que, para complicar as coisas, vive enormes tensões que podem colocar em causa a própria defesa do planeta. Com a necessidade de trabalhar em equipa, e atuar em múltiplas frentes de batalha, este é o conflito que promete mudar para sempre todo o Universo Marvel.

Conteúdo:

AVENGERS (2013) #22-23 – POR JONATHAN HICKMAN, LEINIL FRANCIS YU, GERRY ALANGUILAN, SUNNY GHO E DAVID CURIEL
INFINITY (2013) #6 – POR JONATHAN HICKMAN, JIM CHEUNG, DUSTIN WEAVER, MARK MORALES E JUSTIN PONSOR
NEW AVENGERS (2013) #12 – POR JONATHAN HICKMAN, MIKE DEODATO E FRANK MARTIN

Tex: A Lenda de Tex

A colecção Bonelli começa com Tex, um herói já conhecido pelo público português através da Polvo, e que celebra, em 2018, 70 anos de existência. Confesso que nunca tinha lido Tex e que peguei neste livro à espera de um Western típico, que me recordasse os livros de pequenas aventuras no faroeste – e foi o que encontrei mas este volume surpreendeu-me por ter pontos inovadores na forma como o herói encara os seus inimigos e na forma como desenlaça o conflito.

Na primeira história de Tex sabemos apenas que o Ranger procura alguém mas ficamos na dúvida, até ao final, sobre quem será. Esta missão leva-o a cruzar com um caçador de prémos, Wannabe, que terá conhecido há muito tempo. Este caçador procura um criminoso menor por razões pessoais, busca que o leva a tentar cooperar com Tex. Já na segunda história, Tex segue, também, um rasto, mas quem persegue quer ser perseguido e cria um rasto de vítimas com o óbvio objectivo de tecer uma armadilha.

O mito do chupa-cabra é explicado na terceira aventura, mostrando um monstro que raramente se mostra. Após o assaldo a uma diligência os assaltados dão de caras com estes monstros selvagens, monstros pelos quais um cientista tem mais fascínio do que medo. A história final é bastante diferente, apresentando uma disputa entre um índio e um oficial, resultando no rapto da mulher do oficial. O resultado desta aventura é original para uma história deste género, mostrando uma mulher em quebra com o seu papel social.

Não esperem, claro, uma banda desenhada de elevada profundidade psicológica mas, mesmo assim, Tex surpreendeu pela positiva com alguns detalhes na narrativa que vão para além dos típicos Western, e alguns elementos psicológicos mais complexos do que a minha expectativa. São histórias movimentadas que cativam o leitor e que entregam bons momentos de diversão.

Para além de alguns detalhes na narrativa que vão para além dos típicos Western, Tex surpreendeu, também, pelo visual. Os desenhadores vão mudando ao longo das histórias e é de realçar o traço e a coloração da última, mais onírica que acompanha uma narrativa onde se ultrapassam os papéis usuais de cowboy e índio.

Este volume de Tex pertence à colecção Bonelli publicada pela Levoir em parceria com o jornal Público.

 

Novidade: Tex: Captain Jack – Tito Faraci e Enrique Breccia

Chega este mês ao mercado português um novo volume de Tex! Este livro foi apresentado na 5ª Mostra do Clube Tex Portugal (28 de Abril) e será distribuído durante o mês de Maio. Deixo-vos com a sinopse e algumas páginas fornecidas pela editora:

No sul do Oregon, Hooker Jim e o seu grupo de índios exterminam a família de Foster, um ex-ranger e velho amigo de Tex. No seu leito de morte este clama por vingança e Tex parte em perseguição do impedioso personagem. Entretanto, o confronto entre os Modocs e o Exército dos Estados Unidos é iminente. O Coronel Wheaton foi o escolhido para combater os índios e a implantação maciça de meios militares e de um grande contingente de soldados faz com que esteja seguro da vitória. Os índios, por seu lado, podem contar com o valioso conhecimento do local do futuro campo de batalha, os “leitos de lava”, uma extensão de rochas, fendas e cavernas onde se refugiam. Nesta aventura, baseada em acontecimentos reais, Tex irá cruzar-se com Capitan Jack, o chefe da tribo que irá liderar a heróica e desesperada resistência do seu povo, durante os anos de 1872 e 1873, contra os militares, mas que acabará traído pelo próprio Hooker Jim.

Elsewhere – Vol. 1 – Faerber, Kesgin, Riley e Mauer

Com uma premissa engraçada, este primeiro volume apresenta uma série com alguns elementos interessantes mas que, comparativamente a outras séries em curso, como The Autumnlands, fica muito aquém.Entenda-se, este primeiro volume fornece uma leitura agradável e movimentada, mas a premissa aqui exposta já foi melhor explorada.

Porquê a comparação com The Autumnlands? Ambas as séries começam com o aparecimento de um ser humano numa outra realidade carregada de elementos fantásticos. Mas se, em The Autumnlands, o mundo apresentado se auspicia carregado de detalhes interessantes, a realidade paralela de Elsewhere parece bastante linear – uma realidade de elementos quase medievais onde os seres humanóides lutam contra um lorde de reinado ditatorial.

Amelia Earhart, célebre pioneira da aviação que desapareceu em 1927 a tentar circun-navegar a Terra, apareceu numa outra realidade fantástica dominada por um típico ditador que a todos prende e tortura. Esta premissa, em que uma heroína surge noutra realidade, com aura de predestinada à libertação da tirania, surge também noutros livros, como Reborn de Millar, mas de forma mais competente – Amelia aparece neste mundo a meio de uma fuga de dois prisioneiros e acaba por os acompanhar.

Quem ler esta comparação com The Autumnlands ou Reborn (duas das minhas séries favoritas dos últimos tempos), irá pensar que Elsewhere é uma série péssima. Pelo contrário. É uma série que consegue entregar diversão e envolver o leitor centrando-se numa figura histórica e apresentando-a como uma personagem interessante e aventureira. Graficamente não é fascinante nem arrebatadora, mas tem uma qualidade consistente. Já do ponto de vista narrativa, cai nalguns clichés mas é capaz de apresentar bons momentos de acção.

Se lerei o próximo volume? Com menor prioridade de outras séries que sigo!

Novidade: Biblioteca de Brasov – Afonso Cruz

Vai ser lançado, a 2 de Maio, novo livro de Afonso Cruz, o sexto volume da Enciclopédia da Estória Universal, com o título de Biblioteca de Brasov. Para quem não conhece, a Enciclopédia apresenta uma série de pequenas histórias por ordem alfabética, entradas que se relacionam e tecem lentamente uma narrativa maior. Eis algo mais sobre este volume:

Neste novo volume da Enciclopédia da Estória Universal, obra fundamental do (des)conhecimento, continuamos a coleccionar pérolas da obra de Malgorzata Zajac, assim como da teologia mística de Miroslav Bursa: «Deus existe onde não estamos, quando nos esquecemos de uma palavra, na gaveta que não abrimos, nos caroços que cuspimos, na escuridão de um quarto vazio, nos caixões dos filhos mortos. Porque um Deus infinito só cabe no infinito do não-ser.» E de Petar Stamboliski: «Celebro a imaginação porque a realidade é um lugar- comum.» E ainda descobrimos a inusitada semelhança entre o nosso cérebro e pinturas de Bosch e Miguel Angelo, espreitamos excertos dos diários de uma actriz desaparecida e ficamos a conhecer um conjunto de negócios estranhos à volta do mundo: DES-SAPATARIA, espaço em Trieste, onde as pessoas simplesmente se descalçam e libertam os pés da tirania dos sapatos. “O MELHOR DESCALÇADO ITALIANO”, lê-se na montra.

 

 

Novidade: Quem teme a morte – Nnedi Okorafor

Eis outro dos grandes lançamentos de ficção especulativa de 2018 em Portugal, pela Saída de Emergência! Trata-se de um dos melhores exemplos de afro futurismo, publicado originalmente em 2010 que venceu o prémio World Fantasy Award. Li o livro há alguns anos e do que me recordo é um livro peculiar, impregnado de elementos africanos que o tornam bastante diferente das fantasias épicas ou das obras de ficção científica europeias.

Desenvolvendo-se a partir de uma realidade cultural bastante diferente da que nos envolve, a história consegue tocar em temas polémicos como a tentativa de controlo das mulheres através da castração ou a luta entre populações através das violações que visam diluir o sangue dos vencidos. Uma história com ecos da realidade africana que consegue ultrapassar os seus ecos e tornar-se em algo mais.

Deixo-vos a sinopse:

Uma África pós-apocalíptica. Uma profecia misteriosa. Uma criança destinada a salvar o seu povo.

Num futuro distante, um holocausto nuclear devasta o continente africano e dá-se um genocídio numa das suas regiões. Os agressores, os Nuru, de pele mais clara, decidiram seguir o Grande Livro e exterminar os Okoke, de pele mais escura. Mas, depois de ser violada, a única sobrevivente de uma aldeia Okoke consegue escapar e refugiar-se no deserto. Dá à luz uma rapariga com cabelo e pele cor de areia e a mãe percebe, nesse momento, que a sua filha é diferente. Dá-lhe o nome de Onyesonwu, que significa “Quem Teme a Morte?”.
Treinada por um misterioso xamã, Onyesonwu sabe que tem um destino mágico a cumprir: pôr fim ao genocídio do seu povo. A jornada para cumprir tal proeza irá pô-la em confronto com a natureza, a tradição, o amor verdadeiro, os mistérios da sua cultura… e, por fim, com a própria morte.

Novidade: Hubert Reeves Explica a Biodiversidade

Um dos mais recentes lançamentos da Gradiva é uma banda desenhada sobre a Biodiversidade. O autor da narrativa é Hubert Reeves, conhecido pelos seus livros de Divulgação científica. Deixo-vos a sinopse:

A biodiversidade é preciosa para a nossa sobrevivência. Mas este conceito nem sempre é bem percebido. Hubert Reeves, com enorme sabedoria, torna acessível um tema importantíssimo nos dias de hoje. Somos todos diferentes, assim como os animais e os insectos que habitam a Terra e os oceanos, e todos nós precisamos uns dos outros para viver num ambiente natural comum. Um livro de leitura simples, para aprender o essencial sobre biodiversidade.

 

 

 

 

À espera de: Lançamentos internacionais

Conhecida pelos livros A Súbita Aparição de Hope Arden (obra vencedora do World Fantasy Award para 2017 e uma das linhas leituras favoritas do ano passado) e As primeiras quinze vidas de Harry August (vencedor do prémio John Campbell Memorial Award), Claire North tornou-se um nome a seguir! Neste romance distópico o homicídio tem literalmente um preço a pagar! Um preço que faz com que os ricos possam escapar impunemente por este crime. O lançamento do livro na edição inglesa está previsto para Maio.

What if your life were defined by a number?

What if any crime could be committed without punishment, so long as you could afford to pay the fee assigned to that crime?

Theo works in the Criminal Audit Office. He assesses each crime that crosses his desk and makes sure the correct debt to society is paid in full.

But when Theo’s ex-lover Dani is killed, it’s different. This is one death he can’t let become merely an entry on a balance sheet.

Because when the richest in the world are getting away with murder, sometimes the numbers just don’t add up.

 

Há alguns anos (mais do que uma década) li todos os livros publicados em português ou em inglês de Stephen Lawhead. São, na sua maioria, romances históricos que se centram bastante na narrativa e nas personagens e que, por isso, conseguem tornar-se bastante envolventes. Ainda que tenha lido, entretanto, obras de ficção histórica de outros autores que julgo serem melhor conseguidas (a série Primeiro Homem de Roma de Colleen McCullough, por exemplo), não deixo de sentir alguma nostalgia e vontade de ler os novso lançamentos deste autor:

The isle of Eirlandia has been ravaged by the barbarian Scálda, who seek to conquer all. The High King has called for the warring clans and tribes of the Tuatha DeDanann to set aside their feuds and unite to fight to save their nation.

Conor is the first-born son of the Celtic king Ardan mac Orsi. He should have been battlechief, but a birthmark casts him as unclean and that honor has fallen to his younger brother Liam. Conor is resigned to his fate, but wishes he could do something to earn his tribe’s respect.

Sometimes wishes take unexpected turns—when Conor is wrongly accused of theft and cast out of his tribe, he embarks on a dangerous mission to not only prove his innocence but to expose the treachery that led him on this path. He also seeks the ethereal beauty he saw being abducted by the Scálda. Convinced that she is no mortal woman, but one of the faéry, Conor must find and rescue her.

Because he knows that if the Scálda gain the secret of faéry magic, they will conquer his homeland.

Depois de American Elsewhere (vencedor do Shirley Jackson Award e muito recomendado pelo João Barreiros) e de City of Stairs (o primeiro de uma trilogia fantástica que consegue ser inovadora num cenário em que o género quase que atinge o ponto de saturação) o autor lança este Foundryside que também promete ser interessante e que entra directamente para o topo da minha futura lista de aquisições:

In a city that runs on industrialized magic, a secret war will be fought to overwrite reality itself–the first in a dazzling new fantasy series from City of Stairs author Robert Jackson Bennett.

Sancia Grado is a thief, and a damn good one. And her latest target, a heavily guarded warehouse on Tevanne’s docks, is nothing her unique abilities can’t handle.

But unbeknownst to her, Sancia’s been sent to steal an artifact of unimaginable power, an object that could revolutionize the magical technology known as scriving. The Merchant Houses who control this magic–the art of using coded commands to imbue everyday objects with sentience–have already used it to transform Tevanne into a vast, remorseless capitalist machine. But if they can unlock the artifact’s secrets, they will rewrite the world itself to suit their aims.

Now someone in those Houses wants Sancia dead, and the artifact for themselves. And in the city of Tevanne, there’s nobody with the power to stop them.

To have a chance at surviving–and at stopping the deadly transformation that’s under way–Sancia will have to marshal unlikely allies, learn to harness the artifact’s power for herself, and undergo her own transformation, one that will turn her into something she could never have imagined.

Bastante conhecida no meio fantástico (ou não fosse ter ganho um John W. Campbell Award, um World Fantasy Award, um Prometheus Award, um Mythipoeic Award, um Nebula Award e um Hugo Award) Jo Walton escreveu, entre 2010 e 2013, uma série de textos no TOR.COM sobre os vários nomeados e vencedores do prémio Hugo. A ideia por detrás destes textos é a de que o conjunto de cada ano reflecte o estado da ficção científica desse ano. Este livro apresenta esses textos, revistos e comentados:

The Hugo Awards, named after pioneer science-fiction publisher Hugo Gernsback, and voted on by members of the World Science Fiction Society, have been given out since 1953. They are widely considered the most prestigious award in science fiction.

Between 2010 and 2013, Jo Walton wrote a series of posts for Tor.com, surveying the Hugo finalists and winners from the award’s inception up to the year 2000. Her contention was that each year’s full set of finalists generally tells a meaningful story about the state of science fiction at that time.

Walton’s cheerfully opinionated and vastly well-informed posts provoked valuable conversation among the field’s historians. Now these posts, lightly revised, have been gathered into this book, along with a small selection of the comments posted by SF luminaries such as Rich Horton, Gardner Dozois, and the late David G. Hartwell.

Engaged, passionate, and consistently entertaining, this is a book for the many who enjoyed Walton’s previous collection of writing from Tor.com, the Locus Award-winning What Makes This Book So Great.

The Martian in the Wood – Stephen Baxter

Esta pequena história de Ficção Científica leva-nos a uma realidade em rescaldo, após uma invasão alienígena (a la A Guerra dos Mundos de H. G. Wells). Nesta realidade vários seres humanos foram desmaterializados, o que dificulta o processo de luto e a transmissão de bens para os familiares.

Uma rapariga volta à casa dos pais desaparecidos, encontrando um irmão semi ausente que prefere explorar a floresta – uma floresta onde ocorrem estranhos fenómenos, e em torno da qual começam a aparecer animais mortos pendurados nos ramos das árvores. Um dia, a rapariga decide perseguir o irmão e encontra uma comunidade de hominídeos que dificilmente consegue explicar.

Com uma reviravolta interessante, este conto está carregado de elementos estranhos e contém uma forte referência à história de H. G. Wells. O resultado é uma história de ficção científica numa sociedade tecnologicamente pouco avançada, que leva o seu tempo a desenvolver-se mas que acaba por ser bastante competente.

Esta história está disponível gratuitamente no TOR.COM.

Novidade: Dylan Dog – A Saga de Johnny Freak

Chegou ontem às bancas o terceiro volume da nova colecção da Levoir com o jornal Público! Trata-se de uma nova história de Dylan Dog no mercado português (a segunda publicada pela Levoir depois de Dylan Dog – Mater Morbi). Deixo-vos a sinopse, bem como algumas páginas disponibilizadas pela editora:

Johnny Freak é uma história típica de Dylan Dog, e é considerada uma das melhores de sempre. Publicada originalmente em 1993, no #81 da revista mensal do “detective do pesadelo”, surgem nela todos os seus principais personagens. Além de Dylan, conhecemos também Groucho. Ambos são companheiros de quarto em Londres, cenário principal da série. Juntos, investigam fenómenos fantásticos que chegam ao seu conhecimento.

Dylan conhece Johnny e fica intrigado: qual o mistério que se esconde por trás daquele estranho indivíduo surdo-mudo encontrado escondido num parque, sem pernas e sem diversos órgãos do corpo? Apesar de aparentemente inapto para viver em sociedade, Johnny começa a demonstrar lampejos de genialidade para as artes, algo que pode ajudar a desvendar seu passado.

Inspirada num artigo sobre tráfico de órgãos humanos no Brasil, que Marcheselli tinha lido numa revista, esta história de ficção viria a ter confirmação na realidade em 2005, com o célebre caso de James Whittaker, que foi gerado e nasceu expressamente com o objectivo de ser dador de medula para o seu irmão Charlie, afectado por uma doença degenerativa mortal. Este caso insólito aproxima-se ainda mais da segunda história deste volume, “O Coração de Johnny”, que encerra a saga completa, num dos volumes mais complexos e famosos de Dylan Dog.