Michio Kaku é por muitos considerado o equivalente ao Carl Sagan na nossa época.

Co-fundador da teoria das cordas é actualmente muito conhecido pelo papel de  porta-voz do mundo da física teórica, participando em diversos documentários e publicando vários livros de divulgação científica sobre as mais revolucionárias teorias.

Em Mundos Paralelos, Michio Kiku dividiu o discurso essencialmente em três partes. Incialmente percorre o caminho da física tradicional na busca de teorias aplicáveis e adequadas. De seguida explica mais detalhadamente teorias como sendo a das Cordas ou a M, conseguindo não entrar em dissertação demasiado técnica sobre o assunto.

Tais teorias têm repercurssões no avanço de possibilidades utópicas como viagens do tempo, teletransporte ou deslocação acima da velocidade da luz.

Finalmente, disserta sobre o futuro – os possíveis níveis de desenvolvimento das civilizações, o funcionamento destas, como contornar futuramente as constrições teóricas na expansão da espécia além do sistema solar e na sobrevivência da espécia ao fim do nosso Universo. Termina-se com um enquadramento dos humanos no conjunto global, confrontando a necessidade da uma entidade divina com a teoria das probabilidades.

Conseguindo contornar algumas das normais dificuldades da simplificação da física teórica, Michio Kaku opta essencialmente por apresentar analogias visualisáveis e livros de ficção científica e fantasia que exploraram algumas hipóteses pouco ortodoxas – como sendo Tau Zero (Poul Anderson), Alice do País das Maravilhas (Lewis Carroll), ou o Homem do Castelo Alto (Philip K. Dick).

Concluindo – um livro interessante para quem quer aprofundar um pouco o conhecimento da física teórica de uma forma simples.