Com Marvel 1602 Neil Gaiman criou um mundo alternativo ao dos comics que conhecemos, onde os super-heróis teriam aparecido 400 anos antes, em 1602, época de colonização do continente americano. Centrando-se no aparecimento dos super-heróis durante a Inquisição, esta é uma aventura surpreendente de aspecto gráfico sublime. Após o sucesso do primeiro volume, foi publicado um segundo, com duas aventuras, New World / Fantastick Four, que continua a primar pelo excelente aspecto e encadernação, apesar de em termos de história ser mais fraco.

Spider man torna-se assim o terceiro volume da Marvel em torno do Universo de Neil Gaiman, centrando-se em Peter, um repórter no Novo Mundo, que se transforma em Homem Aranha, ao lado de Virginia, a rapariga capaz de se transformar em qualquer animal. Quando esta morre ao tentar avisar as autoridades de um crime contra as populações indígenas, Peter torna-se o responsável por garantir que o criminoso chega à Europa e enfrenta a sua sentença.

Durante a viagem enfrenta os marinheiros que ao verificarem que ele é um Witchbreed, temem pela segurança do barco. Enquanto luta, um barco pirata aproveita o momento de distracção. Ao conseguir virar a luta a favor dos marinheiros, Peter é finalmente aceite e quando chega a Europa a sua missão já não faz sentido: o criminoso é um moribundo disforme; e acede a fazer a entrega de uma encomenda de ovos de dinossauro.

Tal como os anteriores volumes, este continua com o excelente aspecto gráfico, assim como uma apresentação cuidada, ainda que de história seja pior que o segundo volume: o enredo é mais complexo, mas chega a ser complexo e insuficiente ao se centrar demasiado numa única personagem que é empurrado de acontecimento em acontecimento.