P2P em Espanha

Numa infindável luta de patentes e direitos de autor, em Espanha foram aprovadas medidas no mínimo ridículas. A partilha legal de ficheiros sem direitos de autor, ou disponibilizados pelos criadores, é agora considerada crime, se realizada a partir de programas P2P. Do mesmo modo, fornecedores de serviços de internet que não bloqueiem estes programas são igualmente sancionados.

Mais absurdo do que se proibir o uso de um programa seja de que uso for, são as taxas extra que vão ser cobradas sobre todo o tipo de ficheiros que tenham capacidade de memória – pens, discos duros, impressores, scanners e abrangendo até os telemóveis. Tais taxas reverterão para copyright.

Será de mim ou acho que não faz muito sentido, pagar um extra para  tirar as minhas fotografias?
Esperemos que em Portugal não se siga este exemplo, mas o dos países da Europa do Norte que se encontram muito mais desenvolvidos em matéria de mentalidade.

2 comments

  1. Se não me engano essa insanidade foi feita no Canada e revertida algum tempo depois…

    O absurdo da coisa é que eles – “a mafia” – estão a partir do principio que qualquer dispositivo de memória vai conter dados ilegais. Como não vão conseguir apanhar as pessoas que de facto usem os dispositivos de forma ilegal fazem um ataque preventivo…a toda a gente…assim ganham mais dinheiro de forma mais fácil. É poético.

  2. Eu percebi o “princípio” de que qualquer dispositivo de memória seria utilizado de forma ilegal… mas é estúpido… é como comprar um carro e pagar adiantado X multas. It’s disgusting… :S

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.