O Autor

 Oriundo de Nova Iorque, Carl Sagan licenciou-se em Física e doutorou-se em Astronomia e Astrofísica. O primeiro a colocar a hipótese da existência de oceanos ou lagos em Europa (Lua de Júpiter) e em Titã, é geralmente conhecido pelo papel prepondurante na popularização da ciência através de série (Cosmos, por exemplo), ou de livros.

O Livro
Esta obra de divulgação científica encontra-se dividido em 3 partes:
– A força e a Beleza da quantificação
– O que estão os conservadores a conservar
– Onde o coração colite com a mente

Na primeira são referidas as unidades de medida, a nomenclatura científica, o valor real exponencial – uma introdução para a compreensão de conceitos mais aprofundados.

Sobre a conservação dedica-se uma considerável parte do livro. A autosuficiência de um pequeno mundo é inicialmente relatada como modo de comparação e extrapolação para a Terra – como se mantém a vida na Terra, o equilíbrio que existe e o modo como este é posto em causa pelo aquecimento global, e o buraco do ozono são explicados, terminando-se com a relação da ecologia com a política e a posição da religião face ao crescimento da população humana e à natureza.
Finalmente, a última parte contém um apanhado de textos sobre os mais diversos assuntos, desde a relação Rússia / Eua, Aborto, à Teoria dos jogos ou à evolução do poder destrutivo das armas (e do esforço dispendido nestas). Para último, ficam duas dissertações – sobre a vida no século XX e sobre a morte – o confronto com a morte testemunhado pelo próprio autor, e pela esposa nos último momentos de vida deste.

Embora possa ser extremamente interessante como introdução ao mundo da ciência e mais especificamente ao da física, o livro constitui um apanhado de cultural geral científica, com explicações simples de conceitos e ideias complicadas.

As dissertações foram, para mim , a parte mais interessante, encerrando com um testemunho inesperado e arrepiante da morte de um dos cientistas que mais contribuiu para levar às massas a Ciência.