Richard Matheson é mais conhecido como o autor de I Am Legend, obra adaptada para cinema pelo menos três vezes, a última protagonizada por Will Smith no papel de Neville.

Ao contrário da personagem apresentada no filme, Neville é, no livro, um homem atormentado, imune à doença pela mordida de um morcego. Segundo o livro, os humanos não se tornaram semelhantes a zombies, mas sim em vampiros que dormem em casas fechadas durante o dia, e que Neville se dedica a matar pacientemente.

Em The Shrinking Man não existem vampiros, zombies ou monstros sobrenaturais de qualquer género. Tal como I Am Legend, The Shrinking Man centra-se num homem que, sozinho, tem de enfrentar os seus pesadelos reais.

Scott Carey é um homem vulgar que tenta sustentar a sua família como qualquer pai dedicado, até reparar que, todos os dias, decresce vários centímetros. Quando confronta a esposa com o óbvio, a reacção desta é a incredibilidade e a negação. Nos dias seguinte Scott sujeita-se a médicos e análises profundas que confirmam o encolher diário do seu corpo, sem que seja encontrado qualquer remédio ou tratamento.

Cada vez mais pequeno, vê-se gradualmente impossibilitado de seguir uma vida normal: dispensado do trabalho, distanciado da esposa e de diminuída respeitabilidade perante os olhos da filha bebé. Por fim, fica isolado no seu pequeno mundo, onde a cada busca por comida ou água enfrenta uma temível aranha viúva negra.

Se I Am Legend tinha sido um livro que impressionava pela descrição de horrores e pela presença constante de vampiros hediondos, The Shrinking Man baseia-se na exploração de um acontecimento – o dia-a-dia de homem adulto que se vê decrescer inevitavelmente, perdendo pouco a pouco o lugar que ocupa na sociedade, impotente para lutar contra um adulto abusador ou um grupo brigão de crianças.

De leitura fácil, recomendaria The Shrinking Man a quem deseje ler Ficção Científica, sem naves espaciais ou tecnologias futurísticas, mas um clássico que relembra livros como The Invisible Man (H. G. Wells) ou The Curious Case of Benjamin Button (F. Scott Fitzgerald).