The Mill – Paul Di Filippo

lightspeed-magazine-issue-60-cover

Aqui há uns meses rejubilei enormemente com a descoberta de The Carpet Makers por Andreas Eschbach desconhecendo que, cerca de 10 anos antes, tinha sido publicada esta novela, The Mill de Paul di Filippo. Gostei de tal forma desta história que decidi comentá-la isoladamente, apesar de ter lido a sua re-edição na Lighstspeed Magazine de Maio.

A premissa é semelhante à do livro de Eschbach. A economia do mundo descrito nesta história assenta na produção de um bem que é usado num império intergaláctico. Se em The Carpet Makers este império é controlado por um imperador que usa o produto numa loucura desmedida, aqui não sabemos muito bem o que se esconde por detrás deste império porque a história, ao invés de constituir um mosaico como em The Carpet Makers, é centrada numa única família que trabalha na confecção do tal produto – neste caso, tecidos.

O Factor é a entidade que paga pelos tecidos produzidos influenciando, desta forma toda a economia do planeta. A sua palavra constitui uma religião que mantém estagnada quer a tecnologia, quer a mentalidade. Claro que nem todos baixam a cabeça a esta realidade. Alguns, como o pai de Charlie, vêem o perpetuar da tradição como uma forma de escravidão – o Factor poderá tê-los elevado da Idade da pedra, mas não partilha com eles o conhecimento necessário para que continuem a evoluir, mantendo-os presos à produção de um produto.

A indústria está separada em complexos, e a cada complexo de produção corresponde uma aldeia. Entre elas organizam-se jogos que visam manter uma competição saudável que visa melhorar quer a produção, quer a qualidade ou variedade dos produtos produzidos que será analisada pelo Factor numa festa anual, onde deixa instruções para o ano seguinte – como a produção de um novo complexo.

Mas Charlie, que atingiu agora a idade para começar a trabalhar, pouco ou nada quer saber do discurso do pai, considerado quase um herege. Trabalhador dedicado, sobre rapidamente na hierarquia, assumindo responsabilidades cada vez maiores.

Mas não se julgue que a história é centrada nestes temas de forma tão directa – a história centra-se sobretudo em pessoas, nas expectativas de Charlie em se tornar um trabalhador (ou seja, quase um adulto), na adolescência da irmã que a faz cair nos braços de um malandro ou no gestor que tem elevadas expectativas para o futuro daquele complexo.

É de forma indirecta que vamos percebendo como funciona este mundo e que vamos percebendo os argumentos do pai de Charlie. Tecido de forma soberba, desenvolve-se atempadamente, com um final que consegue resolver a história sem a descartar de forma abrupta. As personagens são interessantes e vamos sentindo simpatia pelos vários pontos de vista, o que torna o final ainda mais determinante.

5 pensamentos sobre “The Mill – Paul Di Filippo

  1. Pingback: Lighspeed Magazine – Maio 2015 | Rascunhos

  2. 🙂 O The Carpet Makers é um livro inteiro, esta é uma novela. O primeiro tem tempo e espaço para explicar todas as nuances por detrás da construção de carpetes. O segundo centra-se mais no mundo em questão do que nas questões intergalácticas. O primeiro é um mosaico – cada história é uma parte de uma história maior e centra-se numa personagem de cada vez. O segundo centra-se numa só família. No entanto, achei que a qualidade de escrita neste é melhor – recomendo a leitura de ambos 🙂

  3. Pingback: Resumo de Leituras – Outubro (2) | Rascunhos

  4. Pingback: Retrospectiva 2015 – Resumo literário | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s