Bastou ler The Last Light of the Sun para que Guy Gavriel Kay se tornasse um dos meus autores favoritos. Ainda que Ysabel não tenha sido uma excelente leitura, é com grandes expectativas que pretendo pegar nos próximos tempos, no primeiro volume da trilogia de Fionavar Tapestry, The Summer Tree.

Greg Bear é o autor de Blood Music, um dos melhores livros de FC que li em 2008. Darwin’s Radio, publicado em 1999, foi nomeado para o Hugo e ganhou o Nebula. Primeiro de uma serie, este livro explora algumas questões sobre a origem e evolução da espécie humana, confrontando-a com o próximo passo evolutivo, provocado pela activação de um gene adormecido.

Temeraire ou His Majesty’s Dragon, é o primeiro livro de uma série que conta já com  6 volumes. Obra de estreia de Naomi Novik, a história ocorre num Mundo Alternativo, durante as Guerras Napoleónicas, em que os dragões abundantes são utilizados em combate aéreo.

Um Pinguim na Garagem, publicado pela Caminho, é uma história de Ficção Científica disfarçada: um jovem descobre ser um clone do pai (e relembro aos potenciais chocados, que FC não é só star wars, naves no espaço e batalhas de aparelhos voadores em fundo negro).

Um meio de contornar a esterilidade ou de procurar a perpetuação da nossa personalidade, Um Pinguim na Garagem, explora a clonagem e o efeito que tal poderá ter no crescimento e desenvolvimento do clone, de uma perspectiva meio depressiva, tipicamente portuguesa.

Segue-se The Magician’s Guild de Trudi Canavan, o primeiro de uma trilogia, publicado em português pela Bertrand. Ainda que tivesse alguma curiosidade sobre o livro, peguei nele para me distrair enquanto aguardava o início de um lançamento na FNAC. De fácil leitura, as primeiras 80 páginas correram rapidamente e convenceram-me a comprar o livro (em inglês – a edição de capa dura é mais barata que a portuguesa de capa mole).

O Senhor da Guerra dos Céus, de Michael Moorcock, enquadrado no Steampunk, é o primeiro de uma trilogia, A Nomad of the Time Streams, mas ainda assim um livro de leitura independente, entre o a ficção científica e a história alternativa. Publicado pela Saída de Emergência, encontra-se entre os melhores lançamentos do género de este ano.

Os contos de Telmo Marçal só podiam, até agora, ser encontrados em revistas como a Bang, ou a Nova (resumo das publicações – Bibliowiki). As Atribulações de Jacques Bonhomme, publicado pela Gailivro apresenta-nos 12 excelentes contos de final abrupto, nos quais as personagens são, na sua maioria, viscerais.

Dark Alchemy é uma antologia de Fantasia, editada por Jack Dann e Gardner Dozois que nos traz histórias de Neil Gaiman, Garth Nix, Kage Baker, Eoin Colfer, Tad Williams, Elizabeth Hand, Peter Beagle, Nancy Kress, Jeffrey Ford, Tanith Lee, Gene Wolf ou Orson Scott Card entre outros. A antologia foi publicada também com o nome Wizards, e apresenta-nos contos em torno de feiticeiros e de magia.

Nomeado para o prémio Hugo, Glory Season foi publicado em português pela Europa-América em dois volumes de aspecto duvidoso, na colecção de bolso. Ainda assim, este tornou-se um dos favoritos do autor (conjuntamente com A Guerra de Elevação), quando o li, há cerca de 12 anos. Numa sociedade separada em castas de mulheres clones, Maia distingue-se por provir de uma união entre um homem e uma mulher. Diferente das suas meia-irmãs, Maia parte com a irmã gémea, em busca de um lugar naquele mundo.

Finalmente, Was, de Geoff Ryman, apresenta-nos uma diferente versão da famosa Dorothy de Oz: a de uma rapariga orfã que, vivendo com os tios, não possui uma vida familiar estável, o que a leva a escapar mentalmente para um Mundo Imaginário.