Depois da passagem do filme Dellamorte Dellamore no Nimas (nas sessões de culto de Filipe Melo) e de algumas publicações ocasionais da Levoir (integradas em colecções mais genéricas) eis que a G Floy avança com uma nova colecção que se inicia com um novo volume de Dylan, lançado com a presença do autor, Celoni, no Coimbra BD e na Kingpin Books.

Este volume, de título O Velho que Lê, apresenta duas histórias que nos levam a deambulações filosóficas para além dos usuais contornos sobrenaturais. Na primeira, que dá título ao volume, Dylan Dog é chamado a resolver o desaprecimento de um velhote conhecido por estar sempre a ler.

A pesquisa do desaparecimento leva Dylan Dog a explorar uma realidade imaginária carregada de receios sinistros baseados na vida do velhote – alguns elementos assustadores, outros simplesmente curiosos que, juntos, o levam a resolver o caso.

Bastante movimentada, esta primeira história integra elementos fantásticos e sobrenaturais bem como referências literárias, encaixando bem com a segunda história do volume, mais curta, onde se joga com a memória numa pequena vila onde Dylan Dog se encontra com a namorada.

Destacando-se pela qualidade gráfica, este primeiro volume de colecção Aleph constitui uma leitura de grande acção, adequada a quem gosta de narrativas que cruzem elementos de horror e fantástico, explorando uma personagem que obteve grande sucesso em Itália mas que, no mercado português, tem apenas agora as primeiras publicações.

Dylan Dog – O Velho que Lê foi publicado em Portugal pela G Floy.