Afinal quem é Banksy? Sabe-se que é um artista de arte urbana com uma forte vertente de activista político. Para além disso, pouco mais se sabe. Especula-se uma associação com alguns grupos musicais, ou, até, uma dupla personalidade pública. Neste livro, dois jovens (que são presos exactamente pela execução de arte urbana) desenvolvem um canal onde falam do artista e dos seus trabalhos.

E é desta forma que se desenvolve alguma conversa em torno de Banksy, uma tarefa bastante difícil para os autores, dado todo o mistério que envolve o artista. Através das duas personagens fala-se de momentos chave da sua carreira, e da subversão das regras sociais, principalmente daquelas que parecem mais ridículos.

O seu nome é Banksy não é um livro fabuloso, mas dada a sua temática e objectivo a que se propõe, consegue tornar-se uma leitura interessante e suficientemente fluída. A abordagem narrativa de colocar duas personagens a conversar e a explorar Banksy fornece algum dinamismo e ritmo à narrativa, tornando-se uma leitura agradável.