O Cavaleiro Inexistente – Italo Calvino

img_0148

 

O perfeito cavaleiro tornado impecável armadura branca – perfeita, reluzente mas vazia. O que a move? a vontade, não deturpada pelos poluentes sentimentos humanos.

Assim o invólucro metálico move-se, segundo um pensamento lógico demasiado recto que não entende as excepções, de um modo irritantemente perfeccionista, cumprindo cegamente todas as regras e normas, até às últimas e ridículas consequências. Uma paródia ao cavalheirismo, aqui, em excesso.

Isenta de vida humana, a armadura sente-se superior aos seus companheiros viciosos, que por sua vez não compreendem o quadrado que caracteriza o pensamento metálico.

Da famosa trilogia de Italo Calvino apenas me falta agora um; e tanto em O Cavaleiro Inexistente como em O Barão Trepadro, o autor recorre-se a elementos semelhantes – situações impossíveis e fantásticas, sátiras e metáforas, o que resulta em O Cavaleiro Inexistente numa história mais simples mas hilariante pelo ridículo das situações.

Contada de forma rocambolesca, não achei a história tão complexa quanto a do Barão Trepador, embora em ambas o autor recorra a elementos semelhantes – situações impossíveis e fantásticas, sátiras e metáforas. As histórias de ambos os livros são bastante distintas e gostei de ambas, cada uma da sua maneira.

19 pensamentos sobre “O Cavaleiro Inexistente – Italo Calvino

  1. Italo Calvino escreve, acredito, sobretudo a respeito de humanidades, de existência e de seus significados. Conhecemos em Agilulfo um ser que é seu invólucro, e que por este se identifica, tal qual o alferes em “O Espelho”, de Machado de Assis. É interessante perceber que as identidades, em “Cavaleiro Inexistente”, transformam-se conforme as mudanças de seus objetivos, sendo a mais intermitente das personagens, Gurdulu, que se identifica, de chofre, com o que aviste ou com o que tenha contato. Todas as personagens, com exceção de Carlos Magno, ao final da obra, identificam-se de maneira diferente.

  2. Bom, ” O caleiro inexsistente”, de Italo Calvino é relamente uma obra intrigante e instigadora, quem ainda não a leu, que leia. Ao meu ver, a principal metafora do livro esta relacionada com as identidades e titulos tomados pelos cavaleiros daqueles tempos. Ou seja, era comum estes homens se esconderem atras de titulos de nobrezas e pseudonimos. Calvino faz ujma grande brincadeira, pois os cavaleiros acreditavam que atraves de seus nomes consagrados, passariam a ser reconhecidos e passariam a ocupar uma posiçao de destaque na Historia. No entanto, ao manter-se sob o involucro desses pseudominos e titulos, os cavaleiros perdiam sua identidade real e ao inves de serem imortalizados, passavam a ser criaturas inexsistentes. Os homens acreditam e sempre acreditaram que o que determina a sua identidade é aquilo que tem, ou seja, o poder e o dinheiro. Não, meus amigos, nos somos aquilo que se esconde por de tras de nossas mascaras, somos aquilo que se esconde por de tras de sentimentos disimulados. Diariamente, tentamos parecer algo que nao somos, vivemos nos escodendo atras de titulos e nomes, ” Eu sou o Fulano de tal, descendente dos Cicranos!” , ” Vocew sabe com quem esta falando?”. Pobres homens, Calvino ja havia percebido isso1

  3. O conteúdo é atual.Infelizmente poucas pessoas têm comportamento ético.Justifico:o debate que estamos acompanhando sobre a punição dos torturadores na midia mostra o nível de certos generais ditos ¨protetores¨ da nação.Durante a leitura da estória me identifiquei com os cavaleiros.Pois em 1973 servi no exército em quitauna Osasco,e sei muito bem o que é lavagem cerebral.A moral da TFP moldou o golpe de64.E por incrível que pareça em pleno século XXI existem setore da sociedade que vivem na idade média.

  4. O Cavaleiro Inexiste representa a pessoa perfeita, que realmente eh inexistente. Ele cria questoes filosoficas como a identidade, o quem sou eu, o existir. Ele eh um ser que tem a conciencia mas nao existe. Ja, gurdulu eh justamente o oposto. Ele existe, mas nao possui a consciencia de que exista. Por isso fica imitando tudo ao seu redor. Agilulfo nao existe e teria um medo enorme de se dissolver, por isso nao dormia.

  5. O que ele debate é o que é o quê. Quem o é. E tudo passa por ter ou não um comportamento capaz, ético.

    Quem é não precisa de cartazes ou de se por em bicos de pés, tal como “quem não tem, não tem para dar”.

    É o desaparecimento das elites. Hoje o que existe é uma pseudo-casta que tenta imitar a elite, mas apenas no que esta tinha de reprovável e nos pequenos tiques quotidianos e mesmo aí, o mais das vezes pegam na colher como se fosse uma pá, ou “empertigam” o dedo mindinho, conhecido nas aldeias como “galinheiro”, como um tique mimético de distinção, erram brutalmente.

    Calvino mais que demonstrar que a perfeição absoluta é algo que se tenta alcançar, vai é dizendo que agora nem sequer se busca.

  6. Alguem pode me contar um resumo da história : O cavaleiro inexistente. Contando nela os principais fatos,que marcam a hitória ? Pois farei,uma prova e preciso dar uma esclarecida,ja li o livro e apenas quero,dar uma relembrada =D vllw

  7. olá a todos.
    criei uma sinopse que tive de fazer para um trabalho escolar sobre este livro… espero que sirva:

    SINOPSE: Este livro conta a história de Teodora que vivia num convento e que foi obrigada a escrever um livro para que conseguisse obter a redenção da sua alma, tal como todas as outras irmãs do convento. A irmã Teodora decidiu escrever sobre um local onde decorria uma guerra entre Franceses e Infiéis.
    Na tropa francesa, encontrava-se um cavaleiro que não existia, era apenas uma armadura branca que se movia através da vontade de querer fazer tudo correctamente e de agradar o seu rei. O nome deste cavaleiro era Agilulfo Emo Bertrandino das Guildivernas e outras, de Carpentras e Sura, cavaleiro de Selímpia Citerior e Fez.
    A vida de Agilulfo muda repentinamente ao saber que a razão de ter sido nomeado cavaleiro (ter salvo da violência de dois bandidos a filha virgem do rei da Escócia) é uma farsa, segundo um jovem chamado Torrismundo (filho da princesa escocesa).
    Será verdade o que Torrismundo afirma? O que acontecerá ao cavaleiro inexistente se esta afirmação for confirmada?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s