Vaporpunk – Vários autores (Parte I)

Organizada por Gerson Lodi-Ribeiro e Luis Filipe Silva esta antologia publicada pela Editora Draco possui participações de autores portugueses e brasileiros, tendo estado à venda em Portugal em eventos como Mensageiros das Estrelas ou Fórum Fantástico. De aspecto gráfico impressionante e interior cuidado, apresenta 8 noveletas que não se limitam, como nalgumas histórias do género, a apresentar gadgets num ambiente londrino.

Na primeira história, A Fazenda-Relógio, de Octavio Aragão, exploram-se as consequências da industrialização nas fazendas brasileiras. Com a invenção de máquinas debulhadores milhares de escravos vêem-se libertados, mas sem ocupação que lhes permita sustentar-se. É desta forma que resolvem vingar-se nas fazendas, destruindo as máquinas que os libertaram subitamente, e se vêm parte de um plano político que se aproveita da sua existência. Interessante e coesa, é uma noveleta que explora o lado humano da industrialização.

Segue-se Os Oito Nomes Do Deus sem Nome, por Yves Robert, uma história de espionagem onde os agentes ingleses e franceses tentam descobrir a arma secreta que terá permitido construir um império. Ainda que possuam um objectivo comum, estes agentes competem entre eles, exibindo as maravilhas tecnológicas inventadas em cada um dos Impérios: enquanto os ingleses se dedicam a desenvolver a tecnologia, os franceses exploram as artes mentais que lhes permitem abrir janelas, ou comunicar mentalmente. Uma noveleta divertida com invenções interessantes, possui uma reviravolta final inteligente que consegue dar-lhe o brilho necessário para não decepcionar.

Os primeiros Aztecas na lua, de Flávio Medeiros Jr., é a terceira história, também uma aventura de espionagem, onde um agente duplo tenta descobrir a localização da invenção inglesa que permitirá levar homens à Lua. Ainda que possua partes excelentes, tem algumas pontas soltas que não me permitiram apreciar completamente a história. Talvez fosse uma das que teria beneficiado de um formato ainda maior para a tornar mais coesa.

Consciência de ébano, de Gerson Lodi-Ribeiro, distingue-se das restantes histórias por nos apresentar seres semelhantes a vampiros, velhos, inteligentes e sedentos de sangue, que serão utilizados como arma por uma sociedade secreta. Por ser neto de um dos membros desta sociedade, João recebe a proposta de ingressar nesta sociedade, cuja função principal é tratar de um destes seres, chamado de Dentes Compridos. Mas João é também neto de um caçador que terá tentado matar Dentes Compridos, e ainda que adira à sociedade, luta contra a sua consciência por considerar Dentes Compridos um ser maléfico. Com poucos elementos de Steampunk, a noveleta poderia enquadrar-se mais no sobrenatural que propriamente no género da antologia, constituindo uma aventura engraçada que não me fascinou grandemente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.