Da Família – Valério Romão

IMG_7585

Contos não vendem. Dizem as editoras, diz quem escreve e às vezes, até, quem lê. Porque teoricamente o formato não é tão valorizado, nem capaz de captar os leitores que, à escassez de boas colectâneas, até acabam por não explorar o formato. E verdade seja dita, nem todos os autores sabem escrever bons contos, capazes de condensar em poucas páginas uma história que não aliene o leitor e que, no final, conceda o sentimento de fecho, necessário. Muitos mais parecem episódios de uma história maior, quebrando, no meu entender, totalmente o propósito do conto.

Mas não é o caso em Da Família, uma colectânea de contos que foi apresentada recentemente em conjunto com o livro da Joana Bértholo, na Casa Portuguesa há umas semanas, em conversa moderada por Joana Neves, a responsável pelo Projecto Contos Não Vendem (onde podemos ouvir bons contos, dos mais variados géneros). Da Família contem 11 histórias, quase todas centradas ou partindo da família, cada uma contendo uma sinalética diferente nas suas páginas, num trabalho gráfico bastante interessante e peculiar.

IMG_7591

Quase todas as histórias intercalam pensamentos à principal linha narrativa, diferenciáveis pela indentação, cada novo pensamento nova indentação, à semelhança do que são os pensamentos, mesmo os mais coesos, que se vão derivando e reatando. A primeira, perfeito exemplo desta estrutura, é No Beco da Aorta, uma história muito curta de um taxista que projecta, nas ruas de Lisboa, a anatomia da filha falecida, por um defeito na válvula mitral.

Segue-se À medida que fomos recuperando a mãe, a história traumática de uma família que da farsa reconstruiu a figura feminina. Esgotada nas quimioterapias, terá deixado órfãos os filhos e deprimido o marido, Como forma de trazerem o pai novamente para o convívio familiar os filhos acabando simulando a presença da mãe, sacrificando-se um dos irmãos para a farsa conjunta. Apesar de a premissa ser simples, a sua exploração consegue ser perturbadora, sensação exacerbada pela lentidão com que evolui.

IMG_7604

O Abysmo Também Olha Longamente para Ti demonstra o trauma causado por uma infância enferma carregada pelos medos infantis derivados da errada interpretação do que os adultos dizem, frases tomadas de forma demasiado literal que, num período febril se tornam em obsessões permanentes. O quarto conto, Quando o pai começou a meter ar retrata o afastamento do pai do dia-a-dia familiar, pela bebida que, ao contrário de desenvolver uma cirrose, começa a acumular ar, inchando e voando que nem balão de hélio.

A avó foi sendo esquecida é dos contos mais fortes do conjunto centrando-se no dilema que aflige diversas famílias quando os mais idosos começam a apresentar sinais de senilidade.  Cuidar do idoso, ou entregá-lo para que seja cuidado por terceiros? O que torna o conto forte não é só o tema, mas a forma como um dos netos se afeiçoa à avó e se habitua à sua companhia silenciosa. Sobre a física das partículas e a teoria do multiverso quando o bosão de Higgs apresenta uma massa inesperada de 125 Gev é o longo título da história seguinte que explora a identidade ao apresentar um casal que duplica o filho, deixando de reconhecer qual dos dois será o original.

IMG_7461

Mau tempo no quintal descreve um futuro distópico em que o país foi dividido, qual espólio, entre diversas nacionalidades: os do Norte da Europa comandam todos os grupos económicos, os portugueses ficam com os empregos menores e os do leste formam gangs protectores que não batem em quem lhes paga. O frio propagou-se e quem pode viajou para Sul, em busca de ambiente mais quente. Enquanto isso a nossa personagem principal trabalha num talho. Não que se encontre lá a variedade actual de carnes.

Se este conto pode ser apelidado de distópico, o próximo quase pode ser apocalíptico. Em O meu avô era o único que tinha guelras além de pulmões a chuva alonga-se por dias, semanas – de tal forma que o nível da água sobe o suficiente para que a família seja obrigada a abrigar-se, não no primeiro andar, mas na cave. Felizmente o avõ tem umas guelras fabricadas na China que lhe permitem permanecer debaixo de água e recolher mantimentos. Todo o sustento depende do velhote que, fraco, vai mergulhando até ao dia em que o oxigénio da esposa se esgota.

Quando se pôs o meu irmão fora de casa é um conto peculiar de zanga familiar por divergências de opinião – zanga esta que vai mantendo afastada parte da família, alienada do quotidiano dos restantes, excepto em momentos excepcionais. A colectânea fecha com Para Não ter ver, o conto que foi lido na apresentação e que me levou a adquirir o livro, uma história psicótica que escala lentamente de violência, mas apresentada em tom assustadoramente brando. A história apresenta-se do ponto de vista do narrador, um homem que escreve à esposa, indignado pela incompreensão – enfim, que são umas chapadas justificadas de vez em quando? E porque tenta ela traí-lo, instigando os filhos a abandoná-lo, se se divertem tanto a torturar bichinhos?

IMG_7454

Reconstruindo a cada história a família, o autor espelha diversas facetas através de cenários psicologicamente complexos e perturbadores. São recorrentes as figuras de estilo como forma de conferir surrealidade a episódios que, de outra forma, quase seriam mundanos e que ganham, assim, peso e maior relevância. Um bom conjunto de histórias que não devem ser lidas de enfiada.

4 pensamentos sobre “Da Família – Valério Romão

  1. Pingback: Resumo de Leituras – Agosto (2) | Rascunhos

  2. Pingback: Eventos: Recordar os Esquecidos – 30 de Abril | Rascunhos

  3. Pingback: Facas – Valério Romão | Rascunhos

  4. Pingback: Eventos: Recordar os Esquecidos – Junho de 2016 | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s