Dark Stories – Alfonso Font

Nesta colectânea de Alfonso Font de título apropriado encontramos o lado mais negro da humanidade, em histórias curtas, mas de reviravoltas pesadas que questionam a religiosidade, a guerra, as aparências ou os relacionamentos.

Em apenas duas páginas o autor consegue construir uma situação e, num desfecho rápido, dar-lhe um desenlace cínico e cortante. Esta forma de retratar as situações (um episódio caricato que termina de forma abrupta, quase cómica ou mirabolante) recordou-me Miguelanxo Prado nas suas colectâneas, ainda que Alfonso Font tenho muitos menos elementos humorísticos.

Um dos temas recorrentes é a execução de prisioneiros. Numa das histórias, esta é confrontada com a piedade religiosa. Em todas paira uma aura de moralidade superior por parte dos executantes, que lhes retira qualquer humanidade – até porque somos apresentados ao prisioneiro sem que nos seja dito que crimes foram cometidos.

A guerra é outra das componentes exploradas pelo autor. A guerra, com as suas mortes sem sentido, os motivos incompreensíveis para quem está na linha da frente ou o aproveitar das populações esfomeadas e disponíveis a tudo para conseguirem a próxima refeição. O pior da humanidade vem ao de cima nos piores momentos e estes episódios, carregados de ironia, revelam esses momentos chave com uma boa dose de brutalidade psicológica.

Do que é capaz alguém no extremo da sobrevivência, e com fome, quando encontra outros seres humanos? Dois diferentes contos exploram esta premissa de forma bastante diferente. Outros, contos soltos, exploram o fascínio da sociedade por momentos tenebrosos na história, em torno do nazismo, e da tortura.

Em vários momentos, nota-se, também, a exploração da hipocrisia. Seja no funeral de familiares pouco amados, mas por quem se chora imenso para se manter uma certa imagem. E claro que, na exploração da hipocrisia é impossível não apresentar episódios envolvendo a religião – seja a imposição de crenças a tribos esfomeadas, seja ao retratar aqueles que acreditam estar a mando de uma voz divina.

Não faltam, também, os momentos de ficção científica, sob a forma de alienígenas que, ao virem ao planeta Terra para se apresentarem, encontram um bando de loucos irritadiços e violentos.

Para além dos vários contos de final negro, o volume contém vários textos sobre a obra do autor, tiras de teor mais experimental, ou histórias episódicas, trechos de volumes maiores. Estes trechos compõem a parte menos interessante no volume, mas constituem uma pequena parte.

Este Dark Stories é uma boa colectânea, principalmente para quem, como eu, não conhecia nada do autor. Em termos visuais, o autor explora bastante os movimentos e as feições exageradas, como forma de dar, ao texto, um sentido mais forte, no contraste de sentimentos e reacções.

A maioria das histórias ocupam duas páginas, o bastante para o intuito a que se propõem, conseguindo, em tão pouco espaço, desenvolver ideias que são interrompidas de forma abrupta e dura, mesmo no final. Algumas coisas ficam por dizer, mas a interpretação dos desenhos não deixa grande margem para outras ideias.

Tal como em Miguelanxo Prado, em Alfonso Font gostei da sucessão de contos que retratam, ironicamente, a humanidade e que terminam com um forte murro no estômago. Mas Alfonso Font consegue ser mais negro, mais irónico, mais forte na sua falta de fé pelo ser humano.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.