Bloodshot – Salvation – Vol. 1 – Jeff Lemire, Mico Suayan, Lewis LaRosa, Brian Reber e Diego Rodriguez

No seguimento de uma promoção na FNAC, adquiri e li este volume sem saber que se tratava de uma série no seguimento de uma outra – The Valiant. Ainda assim, não precisei de enquadramento adicional. A premissa apanha-se rapidamente – a narrativa apresenta uma boa velocidade, com vários momentos de acção, e uma urgência necessária (e bem gerida pelo autor) que nos ajuda a criar empatia para com a personagem.

Ray Garrison deixa um passado violento. Rapidamente percebemos que se trata de um ex-militar (ou semelhante). Alguém com poderes derivados de uma experiência que se acalmou com o nascimento da filha. Encontramos a família em pico de crise familiar. Por um lado, a bebé está com febre. Por outro, Ray ouve um telefonema suspeito da esposa, Magic.

Atiçado pelo tom do telefonema, descobre que Magic tem um pai – o chefe de um culto religioso, numa terrinha esquecida no meio do nada! Este homem, velhote, acredita ser o próximo Messias – o salvador que enfrenta todos os demónios e que converte os que o rodeiam a uma obediência cega.

Ray decide-se a acabar, de uma vez, com a ameaçada que assombra a vida da esposa. Sem armas (dado que, com os poderes, o seu próprio corpo é uma arma) desloca-se à terriola com o objectivo de enfrentar e terminar com os telefonemas ameaçadores. Nada corre conforme o esperado – nem para Ray, nem para Magic que se vê a braços sozinha com uma criança cada vez mais febril.

Apesar da premissa familiar, estamos perante um volume bastante violento. O livro abre com um episódio protagonizado pela filha de Ray, uma criança que possui as mesmas capacidades de transformação que o pai. Comparando este primeiro episódio com os que se sucedem, percebemos existirem grandes diferenças narrativas e visuais.

Este primeiro episódio apresenta maior concentração de acção, imagens mais sólidas e de menos destaque cromático. Os episódios que se seguem são mais pausados (também mais familiares) num estilo mais lustroso, mais brilhante e muito mais focado nas expressões.

Esta alternância de tom reflecte linhas temporais diferentes, numa narrativa que se desenvolve a dois tempos, mostrando os acontecimentos mais recentes (e carregados de violência) enquanto desenvolve em paralelo a base familiar da história.

É exactamente esta alternância que permite captar a empatia do leitor, bem como evitar a dessensibilização pela violência. Apesar de todo o sangue das primeiras páginas, a história consegue criar uma forte ligação e manter o interesse.

Não é, a meu ver, a melhor história de Jeff Lemire. Aqui destaca-se pela maior acção e violência, em cenários pseudo-militares que não lhe reconheço de outras leituras. Mas se retirar a expectativa que tenho associada ao nome do autor, é uma boa leitura – movimentada, de premissa relativamente simples e capaz de criar e manter o interesse do leitor. O suficiente para me ter interessado pela restante série (tanto os que antecedem, como os que sucedem).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.