Drácula – Georges Bess (e Bram Stoker)

Este Drácula, publicado recentemente no mercado nacional pela editora A Seita, é uma adaptação directa do romance de Bram Stoker com o mesmo nome – algo que tinha muito por onde correr mal, mas que foi executado de forma visualmente sublime.

A história

Li o original há mais de 15 anos. É uma história tensa que vai construindo os detalhes de horror passo a passo. A história começa como uma “mera” viagem de negócios por Jonathan. No entanto, a ida a um novo país passa de promissora a sombria em poucas páginas – chegado à Transilvânia, encontra um país invernoso, carregado de pessoas desconfiadas e lobos nas florestas. Este início, que concede à narrativa um tom gélido e desconfortante, prossegue para horrores sucessivos, quando Jonathan se instala no castelo decrépito do seu cliente.

Em paralelo acompanhamos a noiva de Jonathan, Mina, em Inglaterra, e a melhor amiga, Lucy, prestes a casar. Mina sente a falta do noivo e estranha a falta de correspondência, enquanto a amiga, mais alegre, escolhe o noivo entre os pretendentes. Mas Lucy começa a apresentar um estranho comportamento, uma doença não identificada que lhe provoca febres e sonambulismo.

Crítica

Para quem conhece o texto, a narrativa deste livro não traz nada de novo. Encontramos as mesmas passagens ao longo do livro, acompanhando os desenhos. Apesar desta utilização do texto original, a maioria das páginas encontram-se bem balanceadas com os desenhos de Georges Bess.

E é sobretudo neste ponto, o visual, que reside a mais valia deste livro – os desenhos não se limitam a ilustrar o romance, mas concedem o seu próprio traço sombrio, materializando as cenas descritas no livro ao mesmo tempo que lhe conferem um tom mais impressionante.

Os desenhos ultrapassam muitas vezes a apresentação quadrada mais tradicional, sobrepondo visões com cenários reais, diferentes planos, ou destacando expressões. Algumas páginas apresentam-se mais estilizadas usando a força do preto e branco para transpor um resultado mais brutal.

Conclusão

Apesar de ter gostado bastante do original de Bram Stoker, é um texto denso que poderá não ser apreciado por todos os leitores. Aqui encontramos o intercalar do texto com o desenho, que lhe dá uma dimensão visual impressionante. A reinterpretação visual das personagens por Georges Bess é muito boa, fazendo com que este volume seja imprescindível pelos fãs do género de horror.

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.