A Fantasy Medley 3

a fantasy medley 3

Um dos problemas de se apresentarem episódios de universos mais vastos é poderem deixar o sentimento de histórias incompletas, ou às quais falta o total enquadramento ou conclusão. Esta compilação apresenta apenas quatro histórias longas, histórias de universos que parecem não ser novos- talvez por isso, nem todos se aguentam como histórias isoladas.

two ravens

Goddess at the crossroads de Kevin Hearne abre o conjunto apresentando um druida com vários séculos de idade que, ouvindo parte da conhecida canção das três bruxas (Fire burn and cauldron bubble…), recorda um episódio que o arrepia. Questionado pelos amigos conta a pequena aventura onde conheceu Shakespeare e que originou a cantiga.

Esta necessidade de pegar em personagens muito conhecidas e de tentar criar episódios para justificar as suas criações ou acontecimentos nem sempre funciona bem. Neste caso houve alguns factos que me pareceram forçados e demasiado coincidentes.

Há muitas décadas o druida, interessado em Shakespeare, mascara-se de nobre e conhece-o numa taberna. Claro que, precisamente naquela noite, o escritor irá procurar o local onde terão sido avistadas bruxas, para dar maior vivacidade à cena de uma peça. O druida resolve acompanhá-lo.

Depois de enfrentarem um pequeno grupo de bandidos encontram três poderosas bruxas que estarão, naquela noite, a conjurar um feitiço para chamar uma antiga e maléfica deusa grega. Na altura chave do feitiço os bandidos que tinham derrotado irrompem pela clareira – mesmo a tempo do sacrifício. E na medida exacta em que são necessários – 3.

Existem várias histórias que aproveitam personagens ou momentos importante para os seus episódios. Muitas com sucesso. Neste caso, mesmo sendo uma aventura movimentada, apresenta os factos de forma forçada, com coincidências pouco agradáveis. Detalhes que poderiam passar despercebidos se ocorressem apenas uma vez.

embers

Ashes de Laura Bickel também nos apresenta uma personagem que, se percebe pelas falas das personagens, terá sido usada em outras aventuras. Anya será uma investigadora capaz de engolir fantasmas, e trazer, desta forma, alguma paz aos locais onde se encontram.

Mas desta vez não é um fantasma que procura, antes uma criatura sobrenatural que estará relacionada com a mitologia daquela cidade, iniciando incêndios e provocando catástrofes. Depois de demasiadas reviravoltas acompanhada por um demónio, que se alongam por demasiadas páginas, encontra a criatura e descobre uma verdade sobre a sua própria natureza.

house

A terceira história é The Death of AIguillon de Aliette de Bodard, uma história mais interessante do que as anteriores, que nos apresenta uma cidade devastada por uma guerra entre Casas. Esta rivalidade entre Casas, seja apenas política ou assemelhando-se a guerra de gangs, é um factor que está presente em quase todas as histórias de Bodard.

As Casas representam famílias poderosas que protegem um conjunto de empregados da casa que, desta forma, estão socialmente acima dos comerciantes ou dos agricultores. Neste caso a história centra-se numa jovem, ajudante na cozinha, que conseguiu escapar à destruição da sua Casa. Quando retorna para recolher algo precioso, como outros tantos, percebe que um dos elementos poderosos da Casa se esconde através da magia, ferido e a precisar de ajuda.

Criando empatia através de uma única personagem central, é uma história fechada, ainda que dê dicas de poderem existir outras no mesmo Universo. A magia tem um papel diferenciador na sociedade, distinguindo os nobres da casa da classe trabalhadora, mas tem um papel bastante reduzido nesta história.

A última história é de Jacqueline Carey, One Hundred Ablutions, retratando um mundo com, pelo menos três, espécies humanóides. A personagem central, uma rapariga da espécie conquistada, é uma das sorteadas para seguir uma vida de quase reclusão, com a honra de servir uma família da espécie conquistadora. Com detalhes que recordam alguns relatos de escravatura, segue a semente de revolta que irá dar origem a uma reviravolta de poder.

Empático e sem se perder em detalhes desnecessários, não tem um início muito original (rapidamente consigo lembrar-me de algumas histórias recentes com um começo semelhante) mas compensa em desenvolvimento. Os elementos que originam a reviravolta encontram-se ao longo da história, conseguindo ser credível sem grande previsibilidade. Existe algum romantismo, mas apenas no final da história, o que não a chega a tornar como fantasia romântica.

Contendo quatro longas histórias de quatro autores diferentes. Os dois primeiros achei-os fracos. Ambas são episódios de uma série de aventuras de personagens usadas recorrentemente pelos autores. O primeiro força coincidências e factos, alienando o leitor. Já o segundo perde-se em reviravoltas inconsequentes. Talvez por se tratarem de episódios, não desenvolvem a personagem e não deixam um sentimento conclusivo.

Felizmente, gostei mais das duas histórias seguintes. A terceira é uma historia empática de final pouco previsível que foge do engrandecimento fácil da personagem principal. A última história é a única que não contem referência a magia, envolvendo o leitor no conflito da personagem principal, sem demasiados detalhes ou grandes lamentos, mas levando a uma reviravolta interessante.

(cópia fornecida pela editora Subterranean Press através de NetGalley).

2 pensamentos sobre “A Fantasy Medley 3

  1. Pingback: Resumo de Leituras – Dezembro de 2015 | Rascunhos

  2. Pingback: The House of Shattered Wings – Aliette de Bodard | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s