Assim foi: Nos Interstícios da Realidade ou o Cinema de António de Macedo

nos-intersticios-da-realidade

O documentário sobre a obra cinematográfica de António de Macedo estreou ontem e nada me preparou para 100 minutos de momentos tão bem passados pois, aparte as tristezas da tacanhez portuguesa, está carregado de episódios de contagiante boa disposição.

Que em Portugal prolifera a mentalidade dos compadrios, dos núcleos de mútua bajulação e da necessidade de ser hermético e incompreendido para se ser considerado relevante, já não é novidade. Qualquer linha de exploração que não corresponda ao que um circuito auto-nomeado designa de artístico ou de intelectual é escarnecida. Se ainda por cima esta linha de exploração trouxer distinção em meios internacionais relevantes, então torna-se um alvo a abater, nem que seja em momento mais propício.

realidade

Sendo o momento de distinção internacional a escolha de A Promessa para a selecção oficial de Cannes, o que transpareceu é que a relevância de alguém fora do núcleo ideológico foi recebida como o “mijar fora do penico” – a ousadia de se fazer notado sem a autorização dos medíocres que se acham na autoridade de decidir o que é relevante, mas que na verdade, têm medo do que o espelho possa revelar.

a-evolucao-estetica-do-cinema

Mas começo pelo fim – pelo que me parece ser o verdadeiro motivo para terem apagado as referências a António de Macedo – ao invés de referir o percurso exposto no documentário, que começa com o seu aparecimento no pequeno cenário português ao escrever A evolução estética do cinema, tornando-se um dos pioneiros no Cinema Novo.

as-horas-de-maria

De filme em filme, vai explorando novas técnicas e novas ideias, sofrendo, quase sempre, dificuldades com a censura pela audácia de algumas cenas pouco adequadas para a mentalidade fechada portuguesa da época. Se antes do 25 de Abril a censura era a oficial, nem depois deixou de ser alvo de repressão, mais concretamente pela Igreja Católica perante o filme As horas de Maria.

sete_balas_para_selma

Sem medo de apresentar cenas de acção (como em Sete Balas para Selma que apresenta um agente secreto da Buraca) ou narrativas de ficção científica (como Os Emissários de Khalom) António de Macedo utilizou os poucos recursos de que dispunha para fazer o que queria, correspondendo, por vezes, ao agrado do público, o que o levou a ocasionais sucessos de bilheteira (coisa impensável no meio artístico português).

7-balas-2

Mas se, por um lado, estes ocasionais sucessos de bilheteira puseram os críticos de cabelos em pé (principalmente depois da relevância atribuída a A Promessa), quando as audiências baixaram abriu-se o momento propício para o votar ao esquecimento, fazendo-o pagar pelo atrevimento de um sucesso anterior não autorizado.

Hoje, as referências são quase inexistentes, escondidas. Veja-se. O documentário estreou, proporcionou 100 minutos de extraordinária diversão, foi aplaudido de pé até à exaustão e as referências pós-estreia em jornais resumem-se a uma, num jornal digital. Felizmente, ainda existem blogues relevantes que proporcionam mais alguma informação:

Deixo-vos o teaser:

2 pensamentos sobre “Assim foi: Nos Interstícios da Realidade ou o Cinema de António de Macedo

  1. Pingback: Assim foi: Nos Interstícios da Realidade...

  2. Pingback: A ficção especulativa em Portugal – 2016 | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s