O que se vê da última fila – Neil Gaiman

De Neil Gaiman conheço mais os livros de fantasia do que a banda desenhada, tendo lido Sandman e Miracleman mais recentemente. Algo que sempre me surpreendeu é a capacidade que o autor tem para provocar a empatia com os leitores mesmo quando nos apresenta personagens com as quais nos pareceria difícil se as analisássemos friamente. Não só provoca empatia como aquela necessidade de virar a próxima página.

Apesar de conter vários textos, todos não ficcionais, esta sensação de texto a escorrer permanece. Neil Gaiman pode ser um escritor, mas lê o suficiente para carregar os textos com referências conhecidas de obras várias, demonstrando que é, nas áreas de conhecimento mais díspares que podem surgir ideias para uma nova história.

Era suposto que na manhã seguinte eu fizesse uma intervenção formal (em evento académico) acerca do tema dos mitos e dos contos de fadas. E quando chegou a altura, deitei fora os meus apontamentos e, em vez de lhes dar um sermão, contei-lhes uma história.

Era uma nova versão da história da Branca de Neve, contada do ponto de vista da rainha malvada. Levantava questões como: “Que tipo de príncipe se depara com o cadáver de uma rapariga num caixão de vidro e declara estar apaixonado e que irá levar o corpo de volta ao castelo” e, por falar nisso, “Que tipo de rapariga tem a pele branca como a neve, cabelo negro como o carvão, lábios vermelhos de sangue e permanece deitada, como se estivesse morta durante muito tempo?” Ao ouvirmos a história, apercebemo-nos de que a rainha malvada não era malvada: ela simplesmente não foi longe demais”.

O livro começa por apresentar as coisas em que Neil Gaiman acredita, e é fácil concordar com vários destes textos: a importância das bibliotecas para as comunidades como forma de escapar ao quotidiano menos positivo, a importância dos mitos que são menorizados pelos académicos como histórias lineares para crianças ou a liberdade de expressão.

Ao apresentar um conto de fadas tradicional com algumas questões extra Neil Gaiman demonstra que estas histórias tem nuances não perceptíveis pelos leitores comuns. Nem pelos académicos. Já na componente da liberdade de expressão apresenta uma história em torno de Outrageous Tales, onde se apresentam várias histórias bíblicas do velho testamento, passagens que já são, no seu original, bastante violentas.

Neil Gaiman segue falando sobre alguns dos autores mais reconhecidos nos géneros do fantástico (não pode faltar, claro, Terry Pratchett) ou sobre livros, como Fahrenheit 451, passando, também, pelos prémios Nebula. Mais tarde, irá falar, também, de música e de outros autores, alguns controversos, como Kipling ou Lovecraft.

Comentam erros. Cometam erros crassos, cometam erros maravilhosos,  cometam erros gloriosos. É melhor cometer cem erros do que ficar a olhar para uma página em branco com receio de fazer alguma coisa mal, com receio de fazer seja o que for

Este é um conselho que vamos ver em vários discursos de Neil Gaiman. O que ele nos diz é que, não sabendo escrever, iniciou-se com o jornalismo e com ele treina uma escrita limpa de floreados e artefactos. Paralelamente vai escrevendo ficção. E com o escrever ganhou o treino que pretendia.

De vez em quando mete-se em projectos que sabe não ter as bases teóricas, mas com este desconhecimento fez, por vezes, a novidade. Na prática, o que o autor aconselha é a realização de todos os projectos que se conseguir, treinar e produzir, no estilo próprio de cada um, não ter medo de errar, uma e outra vez.

O que se vê da última fila é um livro de agradável leitura onde o autor expressa ideias sobre a produção de ficção e sobre a vida, demonstrando o fascínio por outros artistas, sejam desenhadores ou escritores. Ainda que ache que alguns dos livros do autor não obtiveram o efeito desejado em mim como leitora, as ideias expressas por Neil Gaiman são coesas e facilmente transforma episódios que viveu em relatos vivos para serem apreciados pelo leitor.

O que se vê da última fila foi publicado em Portugal pela Elsinore.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s