Lightspeed Magazine – Abril 2018

Este número começa com um excelente conto, What is Eve? de Will McIntosh, em que um grupo de crianças se vê num autocarro, envolvidas num programa especial do governo que poderá determinar o seu futuro. Novas demais para pensarem em programas de férias como decisivos numa profissão longínquoa, estas crianças vão para uma escola de condições excelentes, quase normais, não fossem os aparelhos de escuta e os auriculares que têm de usar permanentemente (e através dos quais podem receber ordens sobre o que dizer ou como se comportarem. Ah. E o estranho monstro que com eles frequenta as aulas.

De capacidades violentas (que exerceu rapidamente contra uma professora) este monstro empatiza com as crianças mas sente-se demasiado vigiado, monstrando uma atitude permanente de desafio contra a autoridade. Mas que razão poderá levar um programa secreto do estado a fechar umas quantas crianças na mesma sala que um monstro capaz de violência? A história consegue manter o interesse no mistério que se revela lentamente, fechando de forma elegante, mas deixando um arrepio sobre as possibilidades que explora.

Novela em histórias que se destacou em 2007 nos prémios literários asiáticos

Webs de Mary Anne Mohanraj é a segunda história e não desilude em relação à primeira. Nesta história os problemas de discriminação agudizam-se numa colónia humana noutro planeta. Não contra as diferenças raciais, políticas ou religiosas, mas contra aqueles que efectuaram diferenças estruturais nos seus corpos e que lhes permitem, por exemplo, voar. Comparativamente, a alteração de sexo é banal e até ignorada por estes propagadores de novos ódios.

Explorando a evolução dos relacionamentos humanos ao longo da vida, em que amizades e amores fortes se estabelecem mas, também, esmorecem sem se perceber a razão concreta para tal, a história alieniza-se da realidade actual para apresentar a discriminação levada ao extremo, como resultado do medo que gera o ódio cego e violento.

The Elephant’s Crematorium de Timothy Mudie é uma história menos coesa,  embarcando num quase New Weird, sonhador, ainda que tenha excelentes momentos em que a urgência apolíptica se faz sentir. Na realidade retratada a realidade está em quebra, levando a bolhas que impedem a comunicação e a viagem. Uma investigadora encontra-se em África para estudar elefantes, mas nesta nova realidade assiste à morte destes animais que se vão em chamas sem que se perceba a existência de uma fonte de ignição.

Já em Mozart on the Kalahari de Steven Barnes acompanhamos um jovem que tenta vencer a pobreza, almejando um sonho que o leva a realizar uma série de ilegalidades prodigiosas que provam a sua inteligência e o seu desespero. Também não é uma história perfeita, mas reflecte o desespero de um mundo em declínio ecológico e económico, em que os ricos conseguem safar-se das doenças e os pobres vivem condenados pelas suas limitadas possibilidades.

O livro de contos de Carmen Maria Machado já foi publicado em Portugal

A componente de fantasia abre com uma história de Carmen Maria Machado, The Old Women who were skinned, revertendo os tradicionais contos fantásticos – ou melhor – se calhar voltando. Os contos não são fofinhos e carregados de príncipes e finais felizes. Os reis dispõem dos seus súbitos como querem, e, apesar dos detalhes fantásticos, a vida das mulheres pouco vale neste mundo.

A place without portals de Adam-Troy Castro começa da forma como muitos contos fantásticos terminam: com uma criança a acordar de um sonho em que era a heroína num reino fantástico, e a aperceber-se de se encontrar num mundo normal. Ainda que a premissa seja interessante, a forma como este conto foi apresentado não me envolveu grandemente.

Em The Snow Train de Ken Liu apresenta-se um comboio misterioso que abrirá o caminho por entre a neve para os restantes, enquanto em Nitrate Nocturnes de Ruth Joffre se sabe em quantos dias se conhecerá a alma gémea. Enquanto o primeiro é uma boa história que se estende demasiado, o segundo envolve componentes como sexualidade e relações de poder entre géneros, mas de uma forma que não me convenceu totalmente.

Este número termina com Lazy Dog Out, uma Space Opera movimentada e envolvente, que opõe poderosos a trabalhadores e desconhecidos, tornando-se numa história de amor heróico num cenário de elevada tecnologia. É, portanto, uma história carregada de esperança na humanidade e na capacidade de vencer o bem, contrastando com a dura realidade apresentada noutras histórias deste volume.

Estas histórias encontram-se disponíveis gratuitamente. Basta clicar no título:

What is Eve?

Webs

The Elephant’s Crematorium

Mozart on the Kalahari

The old women who were skinned

A place without portals

The Snow Train

Nitrate Nocturnes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.