Mas eu não tinha já falado disto? Bem, não totalmente. Joana Afonso fez uma edição de autor da primeira parte deste livro, tendo o volume total sido publicado mais recentemente pela Editora A Seita. Apesar de gostar mais do fundo laranja, a edição em capa dura de A Seita apresenta um melhor balanço nas cores (demasiado saturadas na outra edição) e – claro – a história completa. O resultado é espectacular!

A história

Neste pequeno livro somos apresentados a Isa, uma jovem peculiar que trabalha numa empresa de controlo de pragas. Mas as pragas com as quais luta não são usuais, antes animais resultantes de cruzamentos pouco prováveis que podem ser encontrados, sem dono. A história começa com Isa a tomar conta, durante um dia, do seu sobrinho. À falta de melhor sítio, leva-o como acompanhante para um dia de trabalho. Mas este dia não será tão sossegado quanto está à espera.

Crítica

Em Bestiário de Isa encontramos o estilo visual que já é normal em Joana Afonso. A premissa dá-lhe espaço para explorar novas criaturas impossíveis mas fantásticas e o desenho contém aqueles detalhes naive que já lhe são usuais. Se, na edição mais reduzida (e incompleta) tinha achado a ideia desenvolvida de forma competente, nesta edição de capa dura, a história torna-se ainda mais interessante.

Isa, a personagem principal, é desenrascada e engenhosa, mas o seu bom coração fá-la tratar das criaturas perigosas que deveria enjaular. A personagem é, também, bem disposta, e esta boa disposição e simpatia contagiam o leitor,

Na edição reduzida tinha referido que algumas páginas apresentavam cores demasiado saturadas, sendo este um dos pontos negativos da edição. Já aqui, na edição de A Seita as cores estão bastante melhores, ainda que existam algumas páginas onde as cores se distingam pouco umas das outras.

Conclusão

O resultado é bastante bom. A história é simples mas cativante, com personagens engraçadas e bem dispostas que agem da maneira correcta apesar das consequências. A premissa permite desenvolver imagens simultaneamente extraordinárias e estranhas, numa mistura curiosa, diferente e agradável.