A série de banda desenhada Sweet Tooth encontra-se entre as minhas favoritas – é um trabalho monumental de Jeff Lemire, uma saga de ficção científica que usa alguns clichés das histórias com escolhidos e demandas, para criar algo único e extraordinário. Recentemente, a banda desenhada está a ser adaptada para série televisiva. Talvez por conta dese sucesso recente, Jeff Lemire retorna ao mundo de Sweet Tooth para tecer uma nova história – algo que, para quem conhece como terminou a série, parece, no mínimo estranho.

A história

Várias décadas depois da história de Sweet Tooth, voltamos a encontrar o mesmo rapaz veado, entre humanos, enquanto espécime contido e preso por uma personalidade religiosa a quem chama de pai. Esta lógica é quebrada quando consegue fugir das instalações e se confronta com toda uma sociedade de humanos que seguem o seu pai enquanto líder religioso, uma espécie de Messias que diz conhecer o futuro da humanidade.

Crítica

À primeira vista, a história parece estranha e até disconexa da série que conhecemos. Como é que a personagem principal aparece viva neste contexto vários anos depois? Porque encontramos o mesmo padrão de fanatismo nesta diferente sociedade? Esta história parece um espelho, usando os mesmos detalhes de forma diferente, e os mesmos conflitos ou pontos de tensão.

Depois percebemos o motivo pelo qual encontramos Sweet Tooth décadas depois. Existe um motivo, mas não colou totalmente, ainda que Jeff Lemire consiga levar a premissa por um novo caminho, mais curto e menos emocionante, mas interessante.

Não esperem o mesmo nível de complexidade e de envolvimento que existe na série principal. Este é, sem dúvida, um livro indicado para quem conhece a história, sendo que Jeff Lemire diminui drasticamente o usual espaço dedicado a criar empatia para com a personagem, usando o nosso conhecimento prévio para arrancar mais rapidamente com a história.

Conclusão

O resultado é engraçado para quem conhece a série, uma aventura com um padrão reconhecível que consegue inovar nalguns pontos e quebra um pouco a nostalgia para com a história original – mas para quem não conhece Sweet Tooth, não sei até que ponto esta história é interessante.