A viagem dos sete demónios – Manuel Mujica Lainez

IMG_3963

O Diabo está zangado com a ociosidade demonstrada pelos sete demónios e decide enviá-los à Terra, para, conjuntamente, ultrapassarem sete missões, cada uma desenhada de acordo com os poderes de cada um – é que cada demónio corresponde a um dos sete pecados capitais.

Em conjunto irão desenhar planos para fazer resvalar algumas almas humanas e, se algumas missões são relativamente simples, outras implicam um grande esforço de todos.

Recorrendo a grandes farsas, mascarando-se ou assumindo outras identidades, ou a desastres naturais, os planos são diversos e vão atingindo das formas mais imaginativas os seus objectivos.

Uma das melhores missões será a última, em que os demónios viajam para o futuro, conhecendo uma sociedade monótona em que os indivíduos vivem em cidades homogéneas, uma organização que só pode ser comparada ao próprio Inferno, mas onde todos os indivíduos se dedicam ao trabalho:

Ali não se perdia nem um centímetro de espaço e toda a gente trabalhava. A higiene mais severa fazia espelhar os seus diferentes bairros e sectores, cada um dos quais fora concebido, depois de importantes estudos, por engenheiros, arquitectos, paisagistas e técnicos sisudos, de acordo com um modelo especial, que repetia nele as construções uniformes, as praças, o labirinto dos refúgios subterrâneos, as avenidas, estradas e restantes coisas, até que se passava ao distrito seguinte, resultado por sua vez de outro modelo, o qual fora planeado e obtido com similar semelhança, simetria, eficácia e rigor.

Se estamos habituados a que os ambientes desorganizados, sujos e decadentes sejam comparados ao Inferno, é de destacar esta visão tão ordeira mas estéril onde a humanidade se uniformiza chegando ao ponto de ser invejada pelos demónios que a visitam.

O conjunto contem alguns detalhes engraçados, mas não consegue ser excelente. Enquanto algumas das missões são altamente complexas, carregando intrincados episódios cómicos, outras são simples e quase banais retirando balanço à história. Por outro lado, nalguns episódios o autor carrega nos detalhes desnecessárias.

Pondo estes dois aspectos de lado é uma leitura interessante, com os demónios a incorporarem delicadas princesas chinesas (mas deixando transparecer algumas das suas carregadas e desfasadas feições) ou movendo montanhas, dando largas à imaginação pecaminosa em cómicos pormenores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s