Waltz with Bashir – Ari Folman e David Polonsky

img_2304

Ao contrário do que nos diz o nosso cérebro, a memória é algo volátil, em transformação constante, capaz de nos enganar e de nos iludir, capaz de se esconder no nosso inconsciente e de retornar nos momentos menos prováveis. Por vezes este esconder é um mecanismo de defesa, uma forma de nos protegermos a nós próprios, uma forma de mantermos a integridade emocional e de resistir à mudança inevitável que o aceitar dessas memórias traria.

img_2313

Um dia um homem resolve contar o pesadelo que o assola, eternamente perseguido pelos cães que matou. Não sabe que o contar do episódio nocturno repetitivo levará, a quem ouve, a ter um flashback da guerra que viveu e da qual nada recordava, iniciando-se uma busca pelos motivos do esquecimento e dos traumáticos acontecimentos ocorridos.

img_2323

Entre os vários relatos que busca reconstroem-se ocorrências de um horror quase indescritível, percepções de uma guerra que decorre em cidades e envolve fatalidades civis, pelos olhos de rapazes quase adolescentes que pouco ou nada sabem da vida e muito menos das ordens que receberão.

img_2337

Por vezes quase silencioso em relação aos episódios que apresenta, Waltz with Bashir apresenta a realidade pesada e vergonhosa da Guerra no Líbano em 1982, com os massacres que ocorreram durante a guerra. O que o torna peculiar é a perspectiva do soldado que se dissociou das suas próprias memórias, e a perspectiva com que são contados os relatos, pessoal e centrada nos soldados, meros rapazes, peões sem poder de decisão num conflito em que participam mas não controlam.

img_2318

Na sua maioria, as imagens destacam a figura do soldado mas nem sempre o integram totalmente no que o rodeia, à semelhança da dissociação que ocorre na sua mente. As cenas de guerra e carnificina confrontam-se com as da cidade por vezes aparentemente pacífica e com as tentativas de vida pessoal destes soldados nas poucas folgas que têm.

img_2330

Poderoso pelos cenários que apresenta, vergonhoso como qualquer guerra, Waltz with Bashir contém imagens e perspectiva que não deixam o leitor indiferente, mostrando como a carnificina pode marcar de forma bastante diferente a mente e a realidade de cada um.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s