Fórum Fantástico – Escolhas do Ano e Podcasts literários

Este ano participei, como já é habitual, na apresentação das escolhas do ano, uma apresentação em que seleccionamos as melhores leituras deste o último fórum fantástico e, rapidamente, explicamos, sucintamente, o livro. Este ano o Artur Coelho esteve ausente (mas deixou as recomendações, que foram passadas na apresentação, e publicou-as no seu blogue), mas foi substituído pelo Rogério Ribeiro.

Como já é habitual de outros anos, existiram sugestões sobrepostas, pelo que um de nós falou, mas manteve-se a referência na apresentação. Falarei, apenas das minhas escolhas:

 

 

 

 

 

 

 

Comandante Serralves – Expansão

O Universo de Space Opera continua a alongar-se em Comandante Serralves, com a publicação de mais um livro de contos passados no mesmo Universo. Este expansão reúne bons contos em que se acresce, à dificuldade do género (Space Opera) a necessidade de manter uma coerência entre as histórias.

Na realidade aqui retratada existe um Império intergaláctico humano que pretende eliminar as diferenças culturais como forma de unir os humanos perante um objectivo ou inimigo comum.  Mas eliminar a história de cada nação, os costumes, alimentação e roupas próprias de cada cultura é algo que não é de fácil execução e gera-se, claro, um grupo de resistentes, que irá lutar contra o Império. As histórias centram-se, sobretudo, nesta resistência.

António Ladeira

Sugeri, claro, os dois livros de contos de António Ladeira, dois livros com histórias futuristas em que se exageram algumas componentes tecnológicas, levando à criação de sociedades distópicas, ora controladoras, ora mirabolantes pelo desenvolvimento das suas premissas.

 

 

 

 

 

 

 

O Farol Intergaláctico

Trata-se de um dos meus contos barbante favoritos, em que o autor explora as viagens espaciais acima da velocidade da luz e as consequências de separação temporal que se criam com estas viagens. Dois amigos encontram-se após a viagem de um deles, mas enquanto um ainda se encontra jovem e recorda a amizade como recente, o outro é já idoso, e confronta as memórias recentes com as memórias que sobreviveram ao tempo.

Borne – Jeff Vandermeer

À semelhança de outras realidades inventadas pelo autor de Aniquilação, Borne apresenta um mundo decadente e corrupto, um mundo em declínio ecológico por causa do homem. Mas aqui o problema não é a poluição, mas sim as criaturas geneticamente modificadas e cruzadas que o homem criou e que são controladas por companhias. Mas até quando conseguirão as companhias manter o controlo sobre estes seres poderosos de elevada força e capacidade de destruição?

 

O Corpo dela  e outras partes – Carmen Maria Machado

Nesta antologia pubilcada recentemente em Portugal, Carmen Maria Machado cruza as questões de género e sexualidade com fortes elementos fantásticos e de ficção especulativa. Apresenta-se a violência nos relacionamentos, a sexualidade sob várias formas em contextos apocalípticos e o corpo da mulher sob várias formas.

 

 

 

 

 

 

 

Os Humanos – Matt Haig

Livro mais leve e de leitura rápida, em Os humanos, os alienígenas pretendem garantir que a espécie humana não consegue atingir determinado patamar tecnológico por não estar preparado para ele. Com este objectivo, um alienígena incorpora o cientista responsável pela descoberta (matando-o) e assume a sua identidade em busca de mais alguém que conheça o seu segredo.

Sendo mais simpático e sociável que o cientista, o alienígena consegue estabelecer laços emocionais mais fortes, enquanto mantém o pensamento de desconfiança constante “será que também tenho de matar este?” O resultado é divertido, mas também introspectivo, colocando os seres humanos e a forma como se relacionam em perspectiva.

Zahna – Joana Afonso

No mais recente livro, Joana Afonso apresenta-se como narradora e desenhadora, apresentando uma guerreira que foi expulsa da sua cidade por ter morto, de forma excessiva, os invasores da cidade. A guerreira de nome Zahna deambula com uma maldição sobre a sua cabeça, literalmente, maldição que tenta curar procurando um mago. Pelo caminho faz alguns amigos – mas nem todos são honestos e desinteressados.

 

 

 

 

 

 

 

Futuroscópio – Miguel Montenegro

Em Futuroscópio Miguel Montenegro apresenta vários contos futuristas onde explora questões sociais e tecnológicas, tocando na menor literacia ou nas questões de género, de formas bastante diferentes.

O Elixir da Eterna Juventude – Fernando Dordio e Osvaldo Medina

Aproveitando a música de mesmo título de Sérgio Godinho, e colocando o artista como personagem principal, constrói-se uma demanda mirabolante em busca do elixir. Trata-se de uma história divertida e movimentada com vários elementos provenientes da música.

 

 

 

 

 

 

 

Apocryphus – Vários autores

A Apocryphus tem-se vindo a destacar pela componente visual, com a participação de vários autores, e a entrega de um volume de excelente qualidade (páginas grossas de impressão impecável). No mais recente volume, Femme Fatale, os contos melhoram bastante de qualidade narrativa, fazendo com que se torne uma leitura obrigatória.

Nonnonba 

O autor transporta-nos para o Japão rural da sua infância, um Japão em que  os avanços tecnológicos ainda não chegaram (como meios de transporte ou elevadores) e todos os detalhes do quotidiano são explicados pela presença de criaturas fantásticas do fantástico japonês. O barulho do vento será o gemido de uma criatura, os ramos que se partem numa floresta, uma perseguição por outra.

 

 

 

 

 

 

 

The Fade Out – Ed Brubaker e Sean Philips

A dupla que criou outras obras como Criminal ou Fatalle, cria agora uma história que se centra nos anos 40 / 50 de Hollywood, mais especificamente no clima de perseguição e censura, a favor da moral e dos bons costumes, mas que na prática persegue artistas e actores menos conhecidos, num viciado e enjoativo jogo de poderes, onde se sente o constante abuso sexual e são deixadas pistas para práticas como a prostituição e a pedofilia.

O que se vê da primeira fila – Neil Gaiman

Tratou-se de uma escolha de Rogério Ribeiro mas que também é minha. Este livro reúne vários textos de Neil Gaiman que falam do processo criativo ou das obras que escreveu, sem esquecer de discursos que deu em várias ocasiões. Destacaria um texto em que o autor fala sobre os contos tradicionais e consegue reverter o conto da Branca de Neve, questionando que tipo de pessoa descobre uma mulher morta numa floresta e a beija?

Podcasts literários

Esta sessão centrou-se tanto no processo de criação do podcast, como nos objectivos dos podcasts,  mais especificamente, no da Gazervici e no meu (com o mesmo nome do blogue, Rascunhos). Foi uma sessão com maior assistência do que esperava, em que se falou de tudo o que envolve um programa sobre livros, desde as parcerias, às expectativas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.