La Inmersión – Séverine Vidal e Victor L. Pinel

Este livro remete-nos para a velhice e para as mudanças de vida que se forçam nos últimos anos, de menor independência. É um relato emotivo, mas também bem disposto, que demostra como as personagens rejeitam submeter-se a uma existência cinzenta de quem espera pela morte.

A história

Depois de quatro décadas a viver na mesma casa, Yvonne tem de mudar de vida. Para trás deixa memórias e pedaços de vida familiar, bem como velhos hábitos e rotinas. Mas ao instalar-se no lar vai ter de se adaptar – não só a um novo espaço, como a alguma falta de controlo sobre a sua própria vida.

O quarto onde se encontra tem uma decoração que lhe é pouco adequada, e o seu dia-a-dia é controlado pelos funcionários do lar. À mínima liberdade é chamada à atenção como a uma criança, com os filhos presentes.

Ainda assim, Yvonne não se deixa domar e consegue, com um novo grupo de amigos, reaprender a aproveitar a vida na velhice, usufruindo quer de novas intimidades, quer de pequenas aventuras fora da redoma do lar.

Crítica

La Inmersión começa como um relato triste que revela a solidão de uma idosa que vive numa casa carregada de memórias. A passagem para o lar é assumida pela mesma, ainda que contenha a necessidade de se adaptar a um novo regime – o que não é fácil. A nova vida tem aspectos positivos e negativos. Por um lado cria nova amizades, e estabelece um novo relacionamento amoroso. Por outro, é tratada pelo lar como uma criança em vários aspectos.

Yvonne é, no entanto, uma pessoa particular. Além de bem humorada, revela-se uma personagem com a sua dose de irreverência e rebeldia – apenas o suficiente para manter a sua personalidade e usá-la de forma mais divertida e interessante. É, também, uma personagem com bastante empatia para com os que a rodeiam.

Centrando-se nesta peculiar personagem, a história é agridoce. Por um lado, assistimos à velhice solitária e a uma aparente submissão a um novo regime, por outro, mantém-se a boa disposição e mostra-se como a vida não acabou e ainda pode trazer bons momentos.

O desenho foca-se, sobretudo, nas expressões corporais e faciais. O enquadramento é, quase sempre, simplista, sobretudo nas perspectivas mais próximas das personagens. O desenho é expressivo e envolvente, demonstrando a fragilidade, mas também, a emotividade destes idosos.

Conclusão

La Inmersión revela-se uma leitura acima da média. Não chega ao patamar do excelente, mas aborda algumas questões sensíveis de forma interessante e bem disposta, apesar dos momentos mais ácidos que são, claro, expectáveis. É, sem dúvida, uma leitura aconselhável.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.