A Boneca de Kokoschka – Afonso Cruz

Para os mais distraídos este é o último livro de Afonso Cruz, o autor que nos surpreendeu recentemente com A Enciclopédia da Estória Universal ou Os livros que devoraram o meu Pai, o primeiro sem dúvida entre os melhores livros que li este ano.

A Boneca de Kokoscha é bem distinto destes dois: se em A Enciclopédia da Estória Universal podemos encontrar uma enciclopédia de referências ficcionais que envolvem pedaços reais, ou em Os livros que devoraram o meu Pai conhecemos a história de um rapaz cujo pai se terá embrenhado demasiado na leitura, acabando dentro dos livros; em A Boneca de Kokoschka apresenta-se uma história maior que as suas partes, composta por histórias mais pequenas que se cruzam de formas distintas.

O livro começa com a morte de um rapaz por um soldado, que cai sobre o pé do parceiro de bola Isaac. Este, assustado, foge e acaba por se esconder num esconderijo na loja de Bonifaz Vogel, que deve imenso à inteligência. Desconhecendo a existência do esconderijo, Bonifaz começa a ouvir uma voz que o aconselha nos negócios, sem nunca questionar a origem dos conselhos.

Mais tarde, quando a cidade de Dresden é bombardeada, Bonifaz surpreende-se ao ver Isaac ao sair do esconderijo, e fogem juntos. Na fuga encontram uma rapariga, Tsilia, outra sobrevivente do bombardeamento e os três prosseguem juntos. Sem nunca abandonar Bonifaz, que vai degenerando mentalmente, Isaac junta-se a Tsilia. O seu andar ficará sempre marcado pelo arrastar de uma perna, provocado não por uma lesão, mas pelo peso da cabeça do amigo.

No início do livro foi-me difícil embrenhar no texto, em parte por causa da forma como está exposto. No entanto, com a progressão, a história deixa a aparente simplicidade inicial da forma e do conteúdo, e vai envolvendo o leitor no enredo. Uma história linear torna-se um labirinto de acontecimentos, que vão ganhando volume com as diferentes perspectivas.

Partindo de uma narração simples, a história ramifica-se e são-nos apresentadas histórias de amor quebradas, homens avarentos, esposas ciumentas e famílias desconexas assim como personagens de mentalidade simples e bondosa. Tudo isto envolto numa aura de quase inocência. No final, gostei.

7 pensamentos sobre “A Boneca de Kokoschka – Afonso Cruz

  1. Não consegui gostar do “A Enciclopédia da História Universal “. Aliás, não passei do meio do livro (pode ser que recomece um dia destes), pelo que este também não me entusiasma….

  2. Nunca li Borges. Uma lacuna! Eu sei 🙂
    Em relação ao Zivkovic, apenas li a Biblioteca (o único traduzido até ao momento). Considero-o um livro incontornável na área da fantasia.

  3. Aliás, faço uma ressalva; Li o “História universal da infâmia”. Mas não lhe achei muita piada. Sendo um livro de crónicas, creio que lhe faltará aquilo a que chamaram “Realismo Mágico”……….

  4. Pingback: Ficção Especulativa Portuguesa em 2010 (Fantasia, Ficção Científica e Horror) « Rascunhos

  5. Pingback: Nem todas as baleias voam – Afonso Cruz | Rascunhos

  6. Pingback: Bibilioteca de Brasov – Afonso Cruz (Enciclopédia da Estória Universal) | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s