1974 – Filipe Verde

IMG_2395

Na realidade alternativa desta história, 1974 não foi só o ano do 25 de Abril, mas também o ano em que se instalou em Portugal uma ditadura comunista apoiada por outras potências com a mesma ideologia, onde as fronteiras voltaram a ser fechadas e a repressão volta à ordem do dia.

Apresentando-se em três partes distintas, começa por se centrar numa rapariga que, vivendo em Inglaterra, se decide a vir a Portugal para conhecer o pai biológico que, até à pouco não sabia que existia. Mas o homem que encontra é bastante diferente das expectativas. O escritor responsável por uma das mais conhecidas obras contra o regime é agora um homem abatido psicologicamente que sobrevive do pouco que pesca, na companhia de duas cadelas.

O encontro entre os dois é descrito em frases curtas e rápidas, através das quais se apresenta, quer o pensamento da rapariga, quer o discuro entre ambos, num diálogo que mais parece um jogo de palavras, uma introspecção ou simulação mental de uma conversa, demasiado e expressando poucos sentimentos, um género de fria curiosidade que parece algo deslocada, apesar da justificação do autor. Por outro lado, estas frases curtas que se sucedem rapidamente funcionam bem quando as palavras que as compõem são as palavras certeiras para descrever as acções. Não é o caso, e o texto torna-se abrupto.

Voltou à varanda. À frente da casa um campo amplo onde a erva crescia, depois os caniçais a ria, e ao fundo o mar. Que fazer?  Entrou para o carro. O que é que eu estou aqui a fazer? Uma pergunta absurda, sabia perfeitamente o que a levava ali. Tenho de esperar. Onde teria ido? Quase meio-dia. Um silêncio tão grande. Sentiu frio.

A segunda componente centra-se no escritor e nos seus tempos de estudante ainda com Salazar no poder, destacando-se o relacionamento amoroso com Maria, a mulher que o tornará pai, mas acima de tudo, a mulher de cabeça fixa que se tornará uma das figuras mais importantes no regime comunista.

Este regime não terá sido implementado como resultado de eleições, mas por intervenção militar. Para o que o povo o aceite enaltece-se o proletariado, a classe das pessoas trabalhadores e cria-se um inimigo comum para forçar a uniformização do querer. Gera-se a simulação de uma melhoria de vida abrindo as faculdades aos filhos dos trabalhadores, mas o ensino fica reduzido às teorias comunistas, restringindo a educação e o conhecimento. Pela visão da nossa personagem, a ditadura Salazarista quase parece um período benigno de calma quando comparada com este regime comunista.

A terceira parte, mais curta, retorna ao tempo presente, ao encontro entre o escritor e a filha, mas agora mostrando-o do ponto de vista do pai inesperado, surpreendido pela existência de descendência, mas que o fazem agora perceber algumas atitudes da poderosa Maria.

Mais centrada em acontecimentos pessoais sob o regime comunista, do que nos acontecimentos globais, é uma história de leitura rápida que apresenta alguns episódios de decadência humana, reflexo da própria decadência do país resultante das alterações políticas.

Mas! Não é uma boa leitura. Como disse antes, o regime Salazarista quase que parece um paraíso quando comparado com o regime comunista, apresentando atrocidades comunistas que realmente aconteceram na ditadura fascista. Os factos confundem-se e às tantas quase parece que estamos a assistir a propagada anti-comunista. Por outro lado, a escrita é sofrível, oscilando entre formas e estilo, mas raramente de forma agradável.

3 pensamentos sobre “1974 – Filipe Verde

  1. Pingback: 1974 - Filipe Verde | F_C | Scoop.it

  2. Pingback: 1974 - Filipe Verde | Paraliteraturas + Pessoa,...

  3. Pingback: Resumo de Leituras – Fevereiro de 2016 (5) | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s