Ardalén – Miguelanxo Prado

IMG_5365

De Miguelanxo Prado li Fragmentos da enciclopédia délfica e Crónicas incongruentes,
ambos compostos por episódios independentes, com personagens diferentes que se vão relacionando em propósito. Ardalén, do mesmo autor, difere desta estrutura e apresenta-nos uma história contínua que interrompe para nos apresentar artigos de teor sério e teórico onde nos explica o funcionamento da memória, ou a diversidade das baleias.

A história começa quando Sabela se dirige a uma aldeia quase parada no tempo, em busca de pistas para o que terá acontecido ao avô, desaparecido há décadas. Na taberna indicam-lhe a casa de um velhote que, não sendo decerto o avô, também terá estado em Cuba. Esperançada, Sabela encontra um idoso perdido num entrançado de memórias, muitas que já não são duas, incapaz de discernir entre o real e a projecção dessas mesmas memórias.

IMG_5303

Sem desistir de encontrar algo, Sabela dirige-se todos os dias a casa de Fidel. Entre os dois cresce uma amizade e cumplicidade que despertam conversas maldosas em que se questionam os verdadeiros motivos daqueles encontros – nada que seja anormal numa aldeia carregada de gente desocupada mas que, aqui, vai tomar proporções maiores.

Mas nem sempre as memórias de Fidel são fidedignas e quando Sabela descobre que afinal o velhote nunca esteve embarcado, elevam-se as dúvidas sob os episódios exóticos que conta como sendo dele próprio – como pode um homem que nunca saiu da própria terra definir-se como um marinheiro? Até onde somos definidos pelas nossas memórias?

IMG_5307

Esta é a questão que nos é colocada recorrentemente, questão que é expressa, também, no seguimento da dissertação com informação teórica sobre o funcionamento da memória, numa das muitas paragens que Miguelanxo Prado faz para fornecer um complemento mais sério à história.

Não diferenciando, entre as memórias, o que foi vivido, o que foi lido ou ouvido, de que forma nos definimos e como nos definem? Esta incerteza dá margem ao autor para criar imagens impossíveis, visões de figuras inexistentes ou há muito ausentes numa série de episódios fantásticos onde o cérebro confuso se liberta de forma imaginativa.

IMG_5311

À superfícia poderia dizer-se que se trata de uma história simples, quase linear mas, para além da empatia que somos levados a sentir para com as personagens, explora questões mais sérias e profundas que dão, a Ardalén, uma aura de excelência sem distanciar ou tornar a obra pesada. Uma história excepcional que é enriquecida por alguns artigos mais formais sobre alguns dos temas referidos.

Em Portugal Ardalén foi publicado pela Asa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.