Resumo de leituras Dezembro de 2017 (6)

São das últimas leituras de 2017 que não tive oportunidade de rever resumidamente (e por isso contêm a numeração de 2017 e a data de 2017 no título):

272 – Criminal – Volume 2 – Ed Brubaker e Sean Phillips – O segundo volume apresenta, tal como o primeiro, histórias de violência. Mas se no primeiro as personagens viviam na violência e se tentavam afastar resultando numa aproximação fatal, aqui são comuns os planos criminosos e maldosos;

273 – Low Vol.4 – Remender, Tocchini e McCaig – A série continua visualmente estimulante ainda que, em termos narrativos não traga grande novidade com posições semelhantes das personagens e perda de tempo em percursos que pouco parecem trazer ao enredo. Ou assim parece por enquanto;

274 – Supervisões – Philip E. Tetlock e Dan Gardner – Existem seres humanos que, em conjunto, conseguem fornecer previsões com graus de probabilidade bastante acertados e correctos. Tal como num sistema caótico muitas das previsões possuem demasiados factores para poderem ser certeiras mas, com dedicação e pesquisa este grupo de pessoas comuns, mas interessadas em conhecer e perceber alguns acontecimentos, consegue produzir previsões mais certeiras que algumas instituições estatais criadas exclusivamente para tal;

275 – Bidu: Juntos – Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho – Bidu é adoptado por um rapaz. Se Bidu está pouco habituado a estar em casa e a regras de convivência com humanos, o dono também não percebe como se deve fazer respeitar pelo cachorro. Os primeiros tempos são de adaptação de parte a parte e de falhas contínuas que terão de ser limadas;

276 – M is for Magic – Neil Gaiman – Conjunto de contos destinados a um público mais juvenil com temas diversos. Nem todos os contos satisfazem mas o facto de alguns serem excepcionais compensa e eleva a qualidade do conjunto para o muito bom;

277 – The Fade Out – Ed Brubaker e Sean Phillips – a dupla volta a entregar uma grande história negra, de ambiente pesado, mas que decorre desta vez nos grandes estúdios cinematográficos americanos. O ambiente é de corrupção e decadência, com alguns homens poderosos a aproveitarem-se sucessivamente da sua posição

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s