Trigger Warning – Neil Gaiman

trigger warnings

O aviso inicial de Neil Gaiman confirma-se. Esta é uma antologia pouco coesa em tom, género ou formato, possuindo longas histórias já publicadas isoladamente como Nothing O’Clock, The Truth is a cave in the black mountains ou The Sleeper and the Spindle. Apesar do conteúdo não ser original, possui contos interessantes e alguns encontram-se  indisponíveis nos formatos originais.

Após a longa introdução em que Neil Gaiman explica, quer a antologia, quer o enquadramento de cada conto, somos introduzidos a Making a Chair, meia dúzia de estrofes sobre a ociosidade do escritor que, nas horas de pouca inspiração procura algo com que se entreter.

Início pouco auspicioso, não fosse compensado por A Lunar Labyrinth, uma história de suspense onde um viajante procura, com o guia, os restos de um labirinto lunar onde os habitantes locais, fugindo de um torturador, procuravam antigamente a cura para os seus males.

trigger warnings 2

A próxima história, The Thing about Cassandra é ainda mais arrepiante, utilizando antes o horror psicológico. Espicaçado por amigos mais velho um rapaz inventa uma namorada, Cassandra. Inventa algumas tardes com ela (que passa lendo no banco de jardim numa outra cidade) e após alguns meses, esquece-a completamente.

Qual a sua surpresa quando, vários anos depois, um amigo lhe diz ter sido contactado pela Cassandra, a sua antiga namorada. Também o refere a mãe, que diz tê-la encontrado, igualzinha a um desenho que ele terá inventado há vários anos.

Em Down to a sunless sea a história é simples. Centrando-se numa velhota arrepiante, sem idade, é demasiado simples para se encontrar entre The Thing about Cassandra e The Truth is a cave in the black mountains, história complexa, longa, negra que vai ganhando tensão com a viagem de dois homens, um anão e o seu guia, numa missão de teor negro que os contagia lentamente.

the truth is a cave

Em My last landlady um homem descreve a sua última senhoria que não se compara à actual. que não se aventura entre as rochas da praia por conta do que escondem. Esta figura doce e atraente esconde uma história negra que se irá entrelaçar à da personagem principal.

Adventure story reflecte uma família bastante monótona, em que qualquer referência é na realidade qualquer evento que quebre a rotina. No meio destes eventos surge uma história mirabolante e sobrenatural que é contada como nada de estranho tivesse.

Em Orange Neil Gaiman explora também uma família disfuncional, mas bastante diferente da anterior. A acção centra-se no irmão mais novo que vê a irmã a usar bronzeador laranja em quantidades tão extremas que começa a emitir uma estranha luz, e a possuir estranhos poderes. História cómica contada através da pirraça que costuma existir entre irmãos, possui um fim bastante inesperado.

project-neil-gaiman-active

Segue-se A Calendar of Tales, um conjunto de dozes histórias, uma por cada mês, com contos para todos os gostos, que pode ser lido e ouvido online. De elementos bastante diferentes, é um conjunto especial que ganha ainda mais vida no contexto do projecto online. Caso estejam interessados em perceber um pouco mais do projecto, detalhei mais sobre estas histórias em entrada própria.

in the company of sherlock

The Case of Death and Honey é uma nova aventura de Sherlock Holmes que me lembrou em premissa o recente filme, Mr. Holmes. O detective aparece-nos como um homem bastante idoso e cansado, em viagem pela China profunda para estudar uma espécie de abelhas que apenas existirá num determinado vale. Conseguindo captar a confiança de um velhote que possui algumas destas colmeias, tenta produzir uma misteriosa substância cujo efeito desconhecemos, mas vamos suspeitando.

A próxima história é curta, triste e retrata um dos piores pesadelos de qualquer pessoa, esquecer tudo o viveu, ou tudo o que leu. Em The man who forgot Ray Bradbury a personagem encontra-se em vivido declínio mental, relembrando títulos mas não os seus conteúdos, ou as histórias sem saber por quem foram escritas, ou sob que título se encontram.

click clack

Enquanto que em Jerusalem se propaga uma estranha doença que faz os turistas virar profetas, numa ideia engraçada mas sem grande desenvolvimento na história, Click-Clack the Rattlebag é um conto de horror onde se descreve um monstro capaz de nos sugar o interior, deixando peles que seca em estendais. Apesar de previsível é arrepiante em descrição e desenrolar.

An invocation of incuriosity é uma das histórias mais estranhas da colectânea, contendo detalhes curiosos que não foram, no meu entender, desenvolvidos de uma forma produtiva. Entre um homem que é levado pelo pai para um Universo fora do tempo onde acaba como servo (porque naquele local o pai já tem demasiados filhos) e realidades que colapsam, a história desvanece-se sem grandes acções ou consequências. Este conto foi publicado pela Lightspeed Magazine, encontrando-se disponível gratuitamente.

A próxima história possui, também, uma ideia interessante que poderia ter originado uma história bastante mais envolvente. And Weep, Like Alexander apresenta-nos um “desinventor”, um homem capaz de eliminar da evolução humana invenções que considera nocivas, seja porque lhe causam confusão, seja porque acha que trazem mais problemas do que soluções. Assim acabaram os carros voadores e as viagens espaciais. Sentado num bar, o desinventor preocupa-se com não saber o que há-de eliminar a seguir.

A próxima história, Nothing O’Clock é uma boa e longa história de Dr. Who (que detalhei em entrada própria), à qual se segue Diamons and Pearls: A Fairy Tale, um conto de fadas moderno bastante negro e pouco esperançado.

Quando se é eterno, os problemas comuns dos mortais deixam de ter importância. Assim encontramos o duque em The Return of the thin White Duke, um déspota sem coração que, na sua imortalidade ficou sem tarefas nem objectivos e acaba por pedir aos seus súbditos um coração como oferta. Não se entenda que ele quer corações arrancados, antes pretende recuperar alguma humanidade – tarefa que terá ele mesmo que concretizar numa outra realidade.

Feminine Endings é um conto estranho e pouco impressionante sobre um homem-estátua apaixonado que escreve à amada (para a qual é invisível até agora) e Observing the Formalities apresenta-nos uma mulher a quem se esqueceram de convidar, uma afronta à qual ela responde aparecendo sem convite – será que pensam que ela já está morta?

sleeper spindle

The Sleeper and the Spindle apresenta-nos a mesma história que se encontra no livro ilustrado, mas sem o impacto e a magia que as ilustrações trazem. Segue-se uma história contada em rima, Witch Work, sem grande interesse nem desenvolvimento, semelhante à seguinte, In Relig Odhrain.

Última história do conjunto, Black Dog é uma das excelentes deste conjunto centrando-se num viajante, um homem que, tendo perdido a esposa vagueia de aldeia em aldeia no interior de Inglaterra. Na pequena terriola em que se encontra conhece um simpático casal que lhe oferece guarida. Conto de horror, não escolhe o caminho mais óbvio. O trio é seguido por um cão preto que, dizem as lendas, auspicia a morte de quem o vê. A partir daqui o viajante vê-se ligados ao casal e obrigado a ajudá-los em episódios cada vez mais decadentes.

Pouco coesa, esta antologia reúne contos bastante divergentes onde o único ponto comum poderá ser a negritude que quase todos possuem. Alternando poemas fantásticos com a actualização de contos de fadas tradicionais, ou com histórias de personagens conhecidas como Sherlock Holmes ou Dr. Who, precisa de pausas entre as histórias.

Contendo contos publicados em antologias ou em formato isolado e ilustrado, consegue cativar com algumas das excelentes histórias que possui, ainda que estejam alternadas com outras muito fracas, esquecíveis ou de conceitos mal aproveitados ou pouco explorados.

5 pensamentos sobre “Trigger Warning – Neil Gaiman

    • Sim, esta antologia é bastante saltitante – poemas curtos seguidos de histórias tão longas que já foram publicadas isoladamente em livros, histórias tão esquecíveis que já nem me recordo de as ter lido…

  1. Pingback: Resumo de Leituras – Novembro de 2015 (2) | Rascunhos

  2. Pingback: Assim foi: Conversas Imaginárias 2015 – As Leituras do ano | Rascunhos

  3. Pingback: As leituras recomendadas pela Locus para 2015 | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s