Este é daqueles livros que já me tinha chamado a atenção, mas que ainda não tinha iniciado a leitura. A vontade veio uma vez mais com a leitura de A Religião dos Livros – Alfarrabistas, Livrarias e Livreiros de Carlos Bobone, onde se referem vários livros sobre livros e livrarias.

Mas afinal o que é Livrarias? Bem, é um livro onde o autor fala das mais famosas livrarias do Mundo, contando um pouco da sua história, entrelaçando-a com a dos seus donos e com a dos escritores. Várias livrarias possuem um papel cultural na sociedade, enquanto outras destacam-se enquanto pontos turísticos. Há outras, ainda, que estiveram na origem de editoras, ou que proporcionaram locais de encontros para escritores, influenciando obras literárias ou determinando destinos.

Para além de explorar o papel de livrarias específicas no mundo editorial, Jorge Carrión fala ainda das particularidades de quem as gerou – alguns génios loucos com particularidades, outros mais insuspeitos que gerem as suas livrarias com rigor.

Não falta, claro, um texto sobre a direcção actual das livrarias, que diminuem drasticamente de número ou se unem a grandes cadeias para sobreviver, nem os comentários às livrarias sem alma que se sucedem com a mesma oferta e a mesma exposição.

Jorge Carrión tem explorado livrarias ao longo de várias cidades, não só europeias, também americanas (norte e sul-americanas) ou asiáticas. O resultado é pitoresco, contrapondo a cultural local com as fortes influências americanas, que determinam o que se lê e o que se vende.

Falta, a meu ver, uma referência mais forte às livrarias da cultura geek. Ainda que existam menções várias a algumas livrarias portuguesas (como a Bertrand do Chiado ou a extinta Fyodorbooks) e até a uma geek (a emblemática Gilgamesh em Barcelona), faltam algumas referências que seriam óbvias para os leitores de banda desenhada como a Kingpin books. No final, ficou a vontade de escrever sobre livrarias… Mas entretanto percebi que já o tinha feito antes para algumas – e que talvez continue.