On the dying winds of the old Year and the Birthing Winds of the new – Kate Elliott (The Very Best of)

best of kate elliott

Nesta longa história a acção decorre numa cidade estado que sobrevive fora do domínio de um general que, tendo há longos anos trazido a paz à região, espera ainda alongar o território. Nesta cidade-estado vive a mulher que o terá abandonado e sobre a qual o general, agora rei, pretende, também, dominar. É em torno desta mulher que se centram os acontecimentos.

A história começa com algumas mulheres tripulando um barco com o objectivo de falarem isoladamente, justificando a saída com a pesca de alguns peixes. Terá havido um assassinato, sem dúvida por um espião, com vista enfraquecer a cidade. Claro que as suspeitas recaem sobre um novo morador.

De regresso a casa a esposa do general encontra o estrangeiro, arranjando uma justificação para o convidar para um chá. Apesar de o achar atraente pondera que qualquer envolvimento entre ambos irá resultar na morte do homem, pelo que se dedica apenas a tentar perceber se será este o espião, assassínio e ladrão que teria provocado instabilidade na cidade.

Apesar de longa a história parece mais um pedaço de um livro maior do que narrativa fechada e completa, terminando de forma abrupta e deixando muitos factos em aberto. Por outro lado o final é confuso quebrando a linha condutora e deixando uma história com componentes interessantes, mas sem coesão.

Se nos contos mais curtos, anteriores, a caracterização das personagens tinha sido curta mas suficiente para captar o leitor, aqui a caracterização é escassa, centrando-se apenas na mulher e deixando às restantes uma bidimensionalidade desagradável. Mesmo a caracterização da figura principal é dúbia – apesar de detalhar os seus pensamentos e contar alguns acontecimentos passados, estes não me pareceram coerentes.

Ainda assim, a história tem alguns elementos positivos. A cidade descrita parece um local interessante, bem como os acontecimentos por detrás da história, que gostaria de ver melhor explorados.

Comentário aos contos anteriores:

1. Ridding the Shore of The River of Death

2. Leaf and Branche

3. The Queen’s Garden

(cópia fornecida pela editora)

3 pensamentos sobre “On the dying winds of the old Year and the Birthing Winds of the new – Kate Elliott (The Very Best of)

  1. Pingback: The Gates of Joriun – Kate Elliott (The very best of) | Rascunhos

  2. Pingback: The Very best of Kate Elliott | Rascunhos

  3. Pingback: Lightspeed Magazine – Abril de 2015 | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s