Fragmentos da enciclopédia délfica – Miguelanxo Prado

IMG_4644

 

Aglomerando várias histórias que acompanham a humanidade ao longo de vários milénios, Fragmentos da enciclopédia délfica terá uma estrutura à semelhança de Fundação de Asimov: uma série de retratos, histórias fechadas que caracterizam uma época.

Ainda que consigam ser histórias independentes, encontram-se relacionadas retratando uma continuidade evolutiva, senão da humanidade enquanto espécie, da humanidade enquanto cultura e capacidade tecnológica como herança.

IMG_4650

Evolução tecnológica, robótica, exploração espacial e manipulação genética de outros animais – todas estas invenções vão modificando a sociedade humana mas ao longo das histórias percebemos que são alterações superficiais. A essência da espécie continua – seres humanos em lugares de poder que os utilizam para proveito próprio estimulando quezílias e guerras, descriminação de outros modos de vida, escravidão, racismo e negação da evolução.

IMG_4657

Com a evolução tecnológica e espacial os padrões sociais e culturais vão mudando. Os que não se adaptam deixam de ter lugar na sociedade – muda o padrão de normalidade, mas os comportamentos são os mesmos e é, em suma, esta falta de abertura para a compreensão do que é diferente ou pouco usual que condena lentamente a humanidade.

No final, sobram as espécies inteligentes que este evoluiu artificialmente, uma espécie de chimpanzés inteligentes que mistura tecnologia com crença quase religiosa numa raça superior (a humanidade) e uma espécie de golfinhos mais preocupada em se divertir e usufruir da sua imaginação do que necessariamente em criar algo sério com as suas extensas capacidades.

IMG_4666

Algumas histórias são mais interessantes e reveladoras do que outras, mas em quase todas é de realçar a centralização nas personagens e na sua caracterização, em que a força das expressões faciais contrasta muitas vezes com a menor definição do meio envolvente.

No final o autor fala na influência dos mais clássicos e conhecidos autores de ficção científica, desde Clarke, Stanislav Lem, Orwell, Dick, Farmer ou Asimov, mas a mim é-me impossível ler esta história e não me recordar da Guerra da Elevação de David Brin, com a humanidade a elevar à consciência os chimpanzés e os golfinhos, ainda que numa perspectiva menos utilitária.

IMG_4673

Este terá sido o primeiro livro de Miguelanxo Prado, publicado inicialmente em capítulos na revista 1984 nos anos 80 e que terá tido uma primeira edição completa ainda em 1988. São de destacar os elementos reconhecíveis de uma extensa cultura de ficção científica, com o ser humano a explorar novas sensações por recurso à tecnologia e a desenvolver novas capacidades mentais (como telepatia ou telecinesia) tão em voga há umas décadas.

É de realçar, também, a exploração das limitações comportamentais do ser humano mesmo nestes contextos de elevado desenvolvimento, limitações que podem dar lugar a outras deambulações intelectuais – a necessidade de se sentir superior e de fazer de outras entidades objectos, a necessidade de escarnecer os indivíduos que são considerados retrógrados, a necessidade de, por vezes, combater a mudança e a evolução. São questões que têm surgido em várias obras e que vão surgindo aqui, em cada episódio da história humana.

Esta edição portuguesa é da Meribérica/Liber.

11 pensamentos sobre “Fragmentos da enciclopédia délfica – Miguelanxo Prado

  1. Dizem que o Ardalén dele é muito bom, nunca li nada do Miguelanxo Padro mas pretendo fazê-lo.
    Sei que não és muito de manga mas aconselho-te a comprares este: “Vagabond” o site casa da BD tem o primeiro volume lançado pela panini brasil e é um dos melhores manga. A casa da BD encontras no facebook, o volume de vagabond custa 8 euros.
    Em relação a manga aconselho te a comprar em PT-BR lá na casa da BD as traduções brasileiras são superior e o preço varia entre os 6 e os 8 euros. Aqui fica um vídeo para te abrir o apetite:

  2. Pingback: Resumo de Leituras – Maio de 2016 (1) | Rascunhos

  3. Pingback: Crónicas incongruentes – Miguelanxo Prado | Rascunhos

  4. Pingback: Ardalén – Miguelanxo Prado | Rascunhos

  5. Pingback: A vida é um delírio – Miguelanxo Prado | Rascunhos

  6. Pingback: O melhor do segundo trimestre de 2016 | Rascunhos

  7. Pingback: Retrospectiva 2016 – Banda Desenhada | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s