Assim foi: Fórum Fantástico 2017

As diferenças

O Fórum Fantástico cresceu, este ano, de forma bastante positiva! Por um lado notou-se a forte aposta em workshops, o que possibilitou integrar camadas mais jovens e manter um programa mais dinâmico. A par com a usual (e fantástica) impressão a 3D organizada pelo Artur Coelho, houve espaço para desenvolver a imaginação dos mais pequenos, construir Zepellins e armaduras, ou para aprender um pouco mais de ilustração com Ricardo Venâncio.

Por outro, é de realçar a maior ocupação do espaço da Biblioteca Orlando Ribeiro que deu nova vida ao espaço – era impossível não reparar na tenda que ocupava parte do pátio com uma pequena feira do livro, onde se viam exemplares de livros de ficção científica e fantasia, sem faltarem os da autoria de Mike Carey, o escritor convidado deste ano. Nesta pequena feira do livro exterior encontravam-se a Leituria e a Dr. Kartoon.

Mas não foi só com a feira do livro que houve uma maior ocupação do espaço. O bom tempo permitiu a existência de bancas de produtos diversos, com especial destaque para o Steampunk (ou não estivesse a decorrer a EuroSteamCon integrada no Fórum Fantástico), bem como de mesas e cadeiras no exterior que permitiram usufruir do bom tempo. O terraço, bem como outras salas da biblioteca foram ocupadas, permitindo a apresentação de jogos de tabuleiro (com participação da Morapiaf) e a exibição de pranchas de Ricardo Venâncio.

E as diferenças não acabaram por aqui – a existência de um bar aberto durante todo o evento facilitou a permanência no Fórum Fantástico pois em anos anteriores era usual ter-se de deixar o recinto para comer alguma coisa. O menu, fantástico, possuía várias alusões ao evento e a comida fornecida era de boa qualidade (pela Cacaoati).

Mike e Linda Carey

Mike Carey produziu mais de 200 comics, vários livros e guiões para cinema. Com a adaptação para cinema de The Girl with all the gifts tem-se tornado cada vez mais requisitado. Por sua vez, Linda Carey escreveu também alguns livros (alguns sob pseudónimo). O destaque para a imensa obra, principalmente a de Mike Carey, serve para contrastar com o espírito que ambos demonstraram, sem prepotências ou projecções de importância, atenciosos e simpáticos durante todo o evento.

Na sexta-feira Mike Carey, conjuntamente com Filipe Melo e José Hartvig de Freitas, falou da larga experiência na produção de comics, da forma como trabalha com diversos desenhadores e da sua própria evolução e adaptação. Destacou-se a produção da série Unwritten, ideia que surgiu em cooperação com Peter Gross, com o qual já se habituou a desenhar. Foi uma palestra interessante e bem disposta.

No Sábado decorreu a conversa com ambos, Mike e Linda Carey, moderada por Rogério Ribeiro, mais voltada para os restantes livros (fora do formato da banda desenhada) onde se falou intensivamente do The Girl with all the gifts, que foi escrito em simultâneo com a adaptação, para cinema, da mesma história. Ambos os autores demonstraram uma queda para pequenos elementos subversivos nas suas histórias.

As restantes palestras de sexta

E com esta nomenclatura não pretendia referir menor prestígio das restantes palestras, mas sim destacar as que envolveram o autor convidado.

15:30 – Sessão Oficial de Abertura do Fórum Fantástico 2017

O Fórum iniciou-se na sexta (para mim, que não pude ir aos worksops) com uma sessão de apresentação de João Morales e Rogério Ribeiro onde expuseram algumas das diferenças deste ano e destacaram algumas sessões e workshops.

16:00 – Sessão “A Ficção Científica: Espelho de ansiedades políticas e pessoais”, com Jorge Martins Rosa, Maria do Rosário Monteiro, Daniel Cardoso e Aline Ferreira

Nesta sessão referiram-se várias obras e respectivas projecções das ansiedades sociais, não só em relação à evolução tecnológica e respectiva perda dos papéis tradicionais (com especial referência à mulher grávida e aos úteros artificiais), como a novos modelos sociais.

16:45 – Sessão “O lugar do Fantástico na Arte Contemporânea”, com Carlos Vidal, Henrique Costa e Opiarte – Núcleo de Ilustração e BD da FBAUL

A sessão apresentou a Opiarte enquanto espaço que permite, a alguns artistas, explorarem a vertente fantástica e de ficção científica nos seus trabalhos, espaço que visou responder a uma necessidade sentida pelos alunos da faculdade. Durante a sessão mostraram-se trabalhos produzidos neste núcleo, alguns dos quais se destacam pela qualidade.

17:45 – Sessão “Narrativa em Videojogos”, com Nelson Zagalo, Ricardo Correia e João Campos

(Cheguei no final)

As restantes palestras de sábado

14:30 – Sessão “Identidades autorais”, com Ana Luz, Joel Gomes e Pedro Cipriano

Os autores aproveitaram o espaço para falar sobre o seu percurso enquanto escritores, desde influências a desenvolvimento de método (destacando-se a referência de Ana Luz ao conto O Teste de João Barreiros), mostrando os livros em que já participaram, bem como os projectos futuros em que se encontram envolvidos.

16:00 – Lançamento “Almanaque Steampunk” (Editorial Divergência)

Cada EuroSteamCon costuma ser acompanhada pela publicação de um Almanaque Steampunk. O deste ano foi produzido em tempo recordo com a colaboração da Editorial Divergência. Ainda não tive oportunidade de ler, mas a publicação é curiosa, bastante atractiva visualmente, com conteúdos diversos e que promete bastante diversão para o leitor.

17:45 – Sessão “Prémio Adamastor”, com João Barreiros e Luís Filipe Silva

O prémio Adamastor este ano foi atribuído a João Barreiros e Luís Filipe Silva, dois dos poucos autores de ficção científica portuguesa que se têm destacado na divulgação do género dentro e fora do país. De realçar as várias antologias que João Barreiros organizou recentemente, bem como as colecções que organizou enquanto editor. Por seu lado, Luís Filipe Silva tem participado em diversas Con’s onde fala da ficção especulativa portuguesa, divulgando o que se fez em Portugal há várias décadas e o que se continua fazendo.

18:00 – Sessão “Dormir com Lisboa”, com Fausta Cardoso Pereira

Premiado e publicado na Galiza pela Urco Editora, Dormir com Lisboa é um romance de ficção especulativa que decorre na capital portuguesa, partindo da premissa de desaparecimento injustificável de várias pessoas. A passagem lida por João Morales denota um humor peculiar, com caricaturas de personagens e situações insólitas.

18:30 – Lançamento “Apocryphus #2”, com Miguel Jorge

Este projecto de banda desenhada português apresentou, no primeiro volume, uma qualidade gráfica excepcional, com elevado cuidado no tipo de papel utilizado e uma selecção cuidada de autores. À semelhança do primeiro volume, também o segundo foi publicado no Fórum, com a presença de tantos autores que por pouco transbordavam do palco.

Restantes palestras de Domingo

Infelizmente, Domingo apenas pude assistir à palestra do João Morales, Novas Metamorfoses Musicais, para além de participar em As Escolhas do ano com João Barreiros e Artur Coelho (sobre a qual dedicarei uma entrada específica para publicar as escolhas de cada um, como é usual).

A sessão de João Morales demonstrou o usual bom humor, com óptimas escolhas musicais onde se cruzam estilos e épocas, novas conjugações de musicas conhecidas em que destaco as seguintes:

(Venus in Furs: Versão portuguesa em Uma Outra História)

No final, há a destacar que o Fórum Fantástico é um evento TOTALMENTE gratuito, onde, todos os anos, várias pessoas se organizam para proporcionar, ao público, três dias de extrema diversão geek!

O meu ano em fotos…

Bem sei que o ano ainda não terminou, mas eis um apanhado de alguns momentos que marcaram este horrível ano de 2016. Olhando assim, nem parece.

1

Parede

2

Feira do Livro

3

4

David Lloyd

5

Lisboa

6

Lisboa

7

António de Macedo – apresentação do filme O Segredo das Pedras Vivas

8

O trabalho

9

Lisboa

10

11

12

13

AmadoraBD

14

Barcelona

15

Barcelona

16

Lisboa

17

carlos-ruis-zafon-2

Nem todas as baleias voam – Afonso Cruz

img_0328

Recordam-se de O Escritor, personagem do conto de Afonso Cruz na antologia MotelX Histórias de terror? O escritor que raptava pessoas para que, sob o stress da tortura, conseguissem ideias originais? E de Isaac Dresner e Bonifaz Vogel de A Boneca de Kokoschka?

Voltando a algumas personagens de outras histórias para criar um contexto familiar, Afonso Cruz centra-se agora numa família desfeita pelo abandono por parte da figura feminina. Sozinhos, pai e filho demoram a encontrar um novo equilíbrio, durante o qual o rapaz vai conhecendo figuras peculiares e conversando com a sua própria morte.

img_9806

Enquanto o duo pai-filho busca um novo equilíbrio, o pai compondo música, e o filho explorando o espaço que o rodeia e os sentimentos que se materializam em pessoas imaginárias, lemos as transcrições de reuniões de uma polícia secreta que os espia, com intuitos encobertos, julgando-se capaz de tudo.

Simultaneamente, acompanhamos o negócio editorial de Isaac Dresner, que continua a dar prejuízo, conforme é suposto, Excepto pelo trabalho de um escritor misterioso que recebe regularmente, contos de uma espécie de ficção que parece ter sido extraída da carne.

Na altura, o racismo americano fazia que os pomares frutificassem cadáveres. («Strange Fruit» era uma canção tão boa que Nina Simone, completamente fascinanda, afirmou: «Nunca ouvi nada tão desagradável.». E a seguir teve de ir à casa de banho, tinha os intestinos às voltas, a alma a pingar. Há canções que fazem bater palmas, não são más; mas depois há outras, as que silenciam a plateia ou que fazem uma evolução no corpo ou que dão um coice na boca do estômago.).

Em cada uma das linhas narrativas, que se cruzam mais vezes do que nos apercebemos numa primeira leitura, percebemos como, sucessivamente, as mais belas produções artísticas podem surgir dos cenários mais degradados, desesperados e horrendos, tal como a canção Strange Fruit terá sido inspirada nos mais horríveis episódios da história humana.

Carregada de sentimentos, Nem todas as baleias voam é uma história que transborda de imaginação e desolação, que, sem esquecer uma gota de ironia, engloba aspectos contrastantes da realidade, como uma espécie de aceitação, sem necessidade de redenção.

Nem todas as baleias voam foi publicado pela Companhia das Letras.

Eventos: Fórum Fantástico 2016

ff-2016

Está-se a aproximar o evento fantástico mais esperado do ano em Portugal, o Fórum Fantástico de 2016. O programa já se encontra publicado e este ano vamos poder contar, como já é habitual, com palestras incidindo sobre diversas artes envolvidas na ficção especulativa. Ao longo do evento (gratuito) decorrerá uma pequena Feira do Livro Fantástico onde estarão presentes editores e autores independentes.

galxmente

Prevejo assistir aos três dias e destacaria este ano, para sexta, a perspectiva mais académica sobre ficção especulativa que será apresentada (Investigando fantasia e ficção científica) ou a componente musical associada aos géneros (Metamorfoses musicais).

3d

Já no Sábado, o dia começa com um workshop sobre impressão 3D, e depois de almoço assistirei decerto a Outra História, Outro Portugal (entre os autores encontra-se Miguel Real, o autor de O Último Europeu), e ao lançamento da antologia Proxy (uma antologia portuguesa cyberpunk que já tive a oportunidade de ler e que vale muito a pena).

proxy2

No Domingo temos o usual espaço de Sugestões de Literatura e cinema (com João Barreiros, Artur Coelho e eu) e prevejo assistir à apresentação de Galxmente de Luís Filipe Silva.

Bang! N.º 19 – Não ficção

capa_bang19_FINAL.ai

Cada lançamento de um novo número da revista é uma celebração. De distribuição gratuita e impressão a cores, peca em formato apenas no grande tamanho da página que dificulta o transporte e a leitura em qualquer sítio que não seja a nossa casa. Mas passemos ao conteúdo. É de realçar o texto introdutório de George R. R. Martin à antologia recentemente publicada, Histórias de Aventureiros e Patifes, bem como o texto de João Seixas sobre Ray Bradbury. Encontramos, também, interessantes referências a Shirley Jackson e Lovecraft.

A revista inicia-se com uma introdução mais política de Safaa Dib, fruto dos tempos que ocorrem, relacionando esta temática com a ficção científica. A esta, segue-se o usual texto do editor Luís Corte Real sobre a colecção Bang! que auspicia boas novidades para os apreciadores de ficção científica: Annihilation de Jeff Vandermeer (Hooray), A Balada de Antel (vencedor do prémio Bang|) e a publicação de Terrarium de Luís Filipe Silva e João Barreiros numa nova edição revista. Ficou apenas a faltar a referência a uma data prevista para The Fifteen Lives of Harry August, livro que a editora chegou a anunciar o pré-lançamento para o retirar de imediato. Esperemos, então, um pouco mais.

Annihilation

Uma das mais belas e simples capas de Annihilation

Ainda que me entusiasmem mais os lançamentos de ficção científica, não é de esquecer os próximos de fantasia, com a antologia, já publicada entretanto, Histórias de Aventureiros e Patifes, organizada por George R. R. Martin; ou The Witcher de Andrej Sapkowski. A estas futuras publicações seguem-se sugestões de outras obras, como o The Martian, ou o Estação Onze (um excelente lançamento da Editorial Presença).

A Arquitecturas da loucura em que Jorge Palinhos fala um pouco de cinema de horror (bem a propósito do Halloween) segue-se um texto de Fernando Ribeiro, vocalista dos Moonspell, Metais pesados. Ocupando uma página disserta sobre o snobismo da literatura dita séria em comparação com a literatura de género, escondida e marginalizada. Uma discussão que dá pano para muitas mangas – até porque quem se esconde da FC são essencialmente leitores de best-sellers que do género pouco ou nada sabem. Esta temática será novamente vislumbrada no artigo de João Seixas, em enquadramento distinto.

mailis

A componente de não ficção continua com um bom artigo sobre Banda Desenhada por João Lameiras, sobre Simon du Fleuve, o herói da série de Claude Auclair, e com um artigo sobre cinema de horror de António Monteiro onde disserta sobretudo em torno do The Omen.

Todos adoram um patife é a próxima secção, o nome que foi dado para a transcrição do prefácio de Histórias de Aventureiros e Patifes, escrita por George R. R. Martin, um dos organizadores da antologia. Neste texto, George R. R. Martin aproveita para apresentar alguns bons vilões de cinema e de literatura que, decerto, farão o leitor procurar por alguns destes filmes e livros.

Apesar de não ser particularmente fã dos Iron Maiden (aprecio de algumas músicas, mas a globalidade da sua obra não corresponde aos meus gostos), achei interessante o artigo de Ricardo S. Amorim onde se destacam alguns dos temas literários integrados nos álbuns do grupo. Encontram-se assim referências tão variadas como Poe, Lovecraft ou C. S. Lewis, sobretudo de títulos de horror e ficção científica que terão sido aproveitados quer nas letras, quer nas capas.

rainha vermelha 2

Seguem-se várias críticas a um dos mais recentes lançamentos fantásticos da Saída de Emergência, Rainha Vermelha de Victoria Aveyard, uma entrevista à autora e exposição de alguns factos e personagens que permitem introduzir à obra, cuja premissa exposta me recordou A Trilogia do Mágico Negro de Trudi Canavan (publicada em Portugal há alguns anos).

O Mythos Lovecraftiano nos jogos narrativos de Pedro Lisboa, debruça-se sobre um dos mestres do horror para dissertar sobre a influência nos vários meios que nos rodeiam, dando especial realce aos RPG’s.

De seguida, destaca-se o longo artigo sobre Ray Bradbury de João Seixas, O Futuro é hoje: alimentando as chamas, destruindo o cânone. Como não gostar de um artigo que, expondo alguns factos da vida do escritor, está carregado de referências às suas obras mais emblemáticas?

Acacia_Vozes_da_Profecia_BP

Depois deste artigo, ponto algo da revista, os restantes surgem menos iluminados. O Trio Fantástico Carey, Durham e Hobb apresenta uma análise a três das sagas fantásticas que não me interessou o suficiente, o género de análise que possui variáveis como grau de paixão ou conflito que,  dissecando um pouco as séries, não é alto que goste de ler.

Figuras Clássicas do Terror traz-nos um conjunto interessante de ilustrações de monstros conhecidos, de diversos autores que referem um pouco sobre o método de criação da ilustração. Gostei particularmente do Olharapo e do Skeleton Army.

No final uma surpresa. A secção de Sugestões FNAC que já trouxe algumas referências insípidas, sugere agora Shirley Jackson, a autora de obras como Sempre vivemos no castelo ou The Lottery.

Em suma. Após 19 edições a Bang! continua de boa saúde e recomenda-se. Se considerarmos que a revista é gratuita, ainda mais. Notam-se novos nomes nos artigos, o que vai garantindo a introdução de novas ideias e conteúdos, mas nota-se, também, o aumento do conteúdo de propaganda às próprias obras da editora, Saída de Emergência. O que gostava que houvesse de diferente? Maior exposição do que se vai fazendo lá fora, e que quase não chega a Portugal.

Eventos de Verão

Basta abrir este blog para se perceber que a leitura é algo indispensável na minha vida. Mas claro que existe espaço para outras coisas, e estes meses de Verão são a loucura em eventos gratuitos. Esta é a razão principal para a diminuição de posts. Eis alguns eventos que me interessam (os links para os sites oficiais ou com informação mais detalhada encontram-se no título de cada evento).

programação

Programação (clicar para aumentar)

Festival ao Largo

Este festival gratuito tem trazido várias peças interessantes, existindo uma clara preocupação em apresentar músicas mais popularizadas, principalmente por filmes e musicais. O evento começou ontem e fez encher o largo S. Carlos de uma forma assustadora. Mas se não gostam de confusão, a alternativa é jantar numa das esplanadas que estão suficientemente perto para se ouvir o concerto. O festival prolonga-se até 25 de Julho e espero assistir a todos os concertos que conseguir.

encerramento

Festas de Lisboa

Este está no final, mas ao longo do mês foram várias as iniciativas que animaram a cidade. O espectáculo de encerramente começou ontem (dia 03 de Julho) e termina hoje com mais música e fogo de artifício. A ocorrer no Terreiro do Paço, promete uma grande diversidade de músicos portugueses.

lisbon music fest

Lisbon Music Fest

A decorrer em vários locais pela zona de Lisboa, estende-se a Cascais, Évora, Figueira da Foz, Peniche e Batalha e tem apenas o inconveniente de decorrer nos mesmos dias que outros espectáculos. De entrada gratuita, tem um programa diversificado, tanto em termos de conteúdo como de localização sendo que as ruínas do convento do Carmo, Quinta da Regaleira, Igreja da Graça ou o Mosteiro da Batalha são apenas alguns dos locais escolhidos.

convenção

Sci-fi Lx

Porque pelo meio tinha de existir algo mais geek, eis a Convenção Internacional de Ficção Científica de Lisboa que irá decorrer nos dias 18 e 19 de Julho, no Instituto Superior Técnico. Estou curiosa quanto a este !

cineconchas 2015

Cineconchas 2015

Eis uma oportunidade para ver alguns filmes gratuitamente e ao ar livre.

2014-8-22--29--concerto-dos-Timespine-crop-1140x370-12x370Noites de Verão no MNAC

De entrada livre, decorre no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, mais propriamente nos jardins de Escultura. No link podem consultar a programação completa.

jazz

JiGG

Este é pago (5€) mas parece valer a pena para quem gosta de Jazz. O JiGG (Jazz im Goethe-Garten) é um festival de jazz europeu que decorre entre os dias 01 e 16 de Julho, apresentando oito concertos de bandas de vários países europeus.

OUT JAZZ

MEO OUT JAZZ

Com um extenso programa de Verão, decorre em Lisboa e arredores, até final de Setembro.

Série de links interessantes

steampunk pub romania

Bar steampunk – Romania

E existe alguma razão para que estas compilações se iniciem por diversas vezes com o tema Steampunk – o cruzamento das engenhocas com qualquer estilo originam belíssimos espaços e peças de arte. Neste caso trata-se de um bar na Romania. No artigo podemos ver que, entre mesas toscas e quadros de cavaleiros com goggles, se encontram zeppelins a servir de candeeiro, transportes aquáticos semelhantes a polvos, e máscaras robóticas com engenhocas de roldanas.

coelho

Esculturas surrealistas de Ellen Jewett – clicar na imagem para visualizar artigo e outras esculturas

Mudando totalmente de estilo,esta delicada escultura é apenas uma das muitas que podem visualizar no artigo sobre a arte de Ellen Jewett. Surrealistas e pouco densas, como que recordando um sonho ou uma mistura do essencial dos corpos com a imaginação, a maioria das esculturas junta partes de mais de um animal ou objecto, resultando em fantásticas peças mesmerizantes. Caso estejam curiosos, as peças estão à venda na galeria oficial da artista, desde preços acessíveis (65€) a proibitivos (2 500€).

wire-sculptures-richard-stainthorp-3

Menos naturais e mais metálicas, mas igualmente fantásticas, são as esculturas de Richard Stainthorp. Explorando principalmente a figura humana em transfigurações fantasiosas de imensa fluidez, as peças conseguem ser fabulosas. Apesar da uniformidade em material e cor possuem uma estranha vivacidade.

Eis, outros artigos sobre arte fantástica, bastante interessantes:

Fantast in Focus: Daniel Merriam – imagens espectaculares carregadas de arabescos que transformam qualquer estrutura banal em algo espectacular;

Salvador Dali illustrates Alice in Wonderland – em 1969 o artista terá realizado 12 gravuras para uma versão ilustrada do livro, cada uma mais espectacular do que a anterior.

legendarylands_umbertoeco

Agora para um tema mais literário – alguém recorda o fantástico Baudolino de Umberto Eco? Um livro passado em terras imaginárias com animais míticos, tudo envolto em tropelias de mentiroso? Bem, eis a razão pela qual me recordei desta obra – Legendary Lands, também de Umberto Eco, explora mapas de sítios imaginários e apresenta dissertações sobre a nossa atracção por estes temas. Neste artigo podem ver um pouco mais do que nos espera com a leitura. Continuando com terras inventadas baseadas na realidade, aconselho a leitura deste artigo – Fantasy Worlds that break history’s back. Aqui encontram uma pequena dissertação sobre a transfiguração da história e da realidade.

E entre os artigos que mais gosto de manter, encontram-se sempre algumas listagens de livros, por títulos curiosos:

13 Fantasies Inspired by Mythology from the British Isles – esta pequena lista possui alguns livros óbvios como Mythago Wood de Robert Holdstock, mas também obras menos conhecidas que valerá a pena explorar para quem gosta deste género;

Five books that are also labyrinths – novamente pela TOR.com, um curtíssimo conjunto que possui alguns dos meus livros favoritos e outros que, neste seguimento, foram logo adicionados à lista de aquisições futuras;

Five books about weird metropolises – outra lista que contem obras favoritas, mas à qual, sem pensar muito, juntava muitos mais! Como The Other City de Michal Ajvaz;

16 Ecologically-minded speculative fictions – e se o conceito vos repele ou vos desinteressa, basta olhar para o início da listagem para perceber que talvez estejam a passar à frente de boas obras: Annihilation de Jeff Vandermeer, Oryx and Crake de Margaret Atwood, ou Stand on Zanzibar de John Brunner.

OK, Where do I start with that – a lista das listas – Jo Walton fez um grande índice alfabético explorando a cada letra um conjunto de autores e sugerindo livros para iniciar a leitura. Concordando-se ou não com algumas das escolhas, contem excelentes sugestões, que ainda não tive tempo de explorar para além da letra C. Sim, o conjunto é assim tão grande!

Finalmente, sem qualquer categoria específica eis mais quatro artigos:

Origins of the ghoul – figura explorada raramente nas recentes obras de fantástico negro ou horror, apresenta-se como uma transfiguração da espécie humana;

Jessamy Taylor’s top 10 castles in fiction – castelos que inspiraram ou serviram de palco para grandes obras;

11 Facts about Shirley’s Jackson The Lottery – o excelente conto distópico deu que falar e incomodou muita gente;

9 Great songs about libraris, librarians and books – e porque não ouvirmos, também, algo relacionado com livros?

Eventos: Sustos às sextas (Sessão de 13 de Fevereiro)

Sustos às sextas é o nome de um evento que se dispõe a falar de horror em diversas artes ao longo de cinco sessões mensais, no Palácio dos Aciprestes em Linda-a-velha. Não tendo podido ir à primeira sessão, foi com agradável surpresa que entrei no belíssimo espaço, através de uma sombria entrada lateral, bem enquadrada no espírito do evento.

Lá dentro, aguardava-me um ambiente acolhedor e nada escuro, com exposições artísticas de teor fantástico (ou fantasioso), de acordo com a temática. Mas o inesperado é a sala principal – mesmo depois de ter visto as fotos da sessão anterior, o espaço que encontrei é ainda mais acolhedor e propício.

sustos 1

Anabela Paixão e António Leitão com Manuela Fonseca ao piano

 

Sentados, eis que a sessão começa com a apresentação de dois trechos do Fantasma da Ópera de Andrew Lloyd Weber. Após a introdução do Prof. Fernando Serafim os trechos foram interpretados por Anabela Paixão e António Leitão, acompanhados por Manuela Fonseca ao Piano. Uma performance arrepiante que começou com uma das mais conhecidas e marcantes músicas deste espectáculo.

sustos 2

Coisa Ruim – conversa com Rodrigo Guedes de Carvalho e Frederico Serra

 

Segue-se uma pequena apresentação de alguns dos mais conhecidos filmes de horror, que nos pretende introduzir à conversa em torno de Coisa Ruim, com Rodrigo Guedes de Carvalho e Frederico Serra. Para quem não viu o filme, tenho a dizer que foi dos poucos filmes portugueses que apreciei. Sem ser um supra-sumo do cinema, destacou-se por aproveitar o ambiente aterrador das quase abandonadas aldeias portuguesas, trazendo à tona o clima supersticioso do interior português.

sustos 3

António Monteiro em leitura de um conto do próprio

 

Após um breve intervalo, inicia-se a terceira e última parte da sessão, a leitura de um conto de horror por António Monteiro da autoria do próprio. Em sala escura iluminada apenas por velas, ouviu-se uma história onde, novamente, se destaca o ambiente rural e sombrio do interior, onde os idosos continuam a fazer as suas mezinhas, e onde se acredita que o diabo anda à solta.

Em suma, espaço extraordinário para um evento muito agradável que aconselho vivamente, e espero que nada me impeça de poder comparecer às próximas sessões.

Página Oficial do Evento