Retrospectiva 2017 – O Rascunhos

2017 no Rascunhos

Quase 270 livros depois da última retrospectiva, eis a de 2017, em que consegui ultrapassar o número de leituras de 2016! Mantive a leitura de livros em outras línguas para além do português e do inglês e, não podendo estar numa CON internacional como no ano passado, tive oportunidade de falar sobre livros em mais eventos nacionais: Sustos às sextas, Sci-fi LX e o usual (mas nem por isso inferior) Fórum Fantástico.

Os valores globais de visualizações deste ano rondaram os do ano passado, 44 000, com alguns meses a exceder este valor e outros mais parados (resultado de compromissos profissionais). Tal como o ano passado verifica-se uma grande procura por informação dos livros do Plano Nacional de Leitura. Mas as entradas do ano de 2017 com maior número de visualizações são, por ordem crescente, Monstros que nos habituam (uma antologia de contos sobrenaturais de autoria portuguesa lançada pela Editorial Divergência), Crónica do Rei Pasmado (uma história irónica de uma corte hipócrita e imoral que tenta evitar que o rei veja a rainha nua), O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruíz Záfon (volume que finaliza a tetralogia O Cemitério dos livros esquecidos). Estes números de visualização excluem os volumes de banda desenhada que terão entrada própria.

As melhores leituras

Excluindo a banda desenhada, que será focada mais tarde, eis as melhores leituras de 2017:

Melhor colectânea – Relatório Minoritário e outros contos

Philip K. Dick gosta de brincar com a memória e com a nossa construção da realidade, sobrepondo diferentes visões, adicionando o efeito de substâncias duvidosas e fazendo-nos questionar o que achamos que existe à nossa volta. Esta fenomenal antologia não é excepção. Entre elementos programados que prosseguem sem a humanidade na concretização absurda do propósito para o qual foram construídos, encontramos adultos que se refugiam da realidade em casas de bonecas e pessoas capazes de perspectivar alguns futuros possíveis. Vários destes contos deram origem a filmes ou pequenas séries e o conjunto é sublime.

Melhor ficção curta – Kuszib de Hassan Abdulrazzak (Iraq +100)

Um dos melhores contos que li este ano (excluindo, claro, os do Philip K. Dick) encontra-se num local pouco provável, uma antologia de ficção científica iraquiana. Porquê pouco provável? Porque não é um país com tradição na ficção especulativa, onde o regime vigente não favorece o florescimento de especulações e previsões futuras. O próprio organizador da antologia começa por nos referir que a maioria dos autores não está habituado ao género e que terá aqui uma das suas primeiras explorações.

Este conto apresenta um planeta Terra governado por alienígenas. O casal que acompanhamos encontra-se num evento social, experimentando, pela primeira vez, uma determinada marca de vinho que tem, como característica peculiar, ser feito como antigamente, de uvas. Mas então, de que é feito o vinho que conhecem? De sangue. De seres humanos. Um conto extraordinário com reviravoltas viscerais.

Melhor ficção científica – Lágrimas na Chuva de Rosa Montero

Este ano parece centrar-se muito em Philip K. Dick – neste caso Lágrimas na chuva é um livro de uma autora espanhola com vários elementos de Blade Runner que nos apresenta uma rep, uma humana artificial, que se dedica à investigação de crimes. No mais recente caso que investiga ela próprio foi uma das potenciais vítimas e começa quando alguns reps aparecem com memórias deturpadas e tentam assassinar outras reps.

A história possui fortes referências à descriminação (e às suas origens sociais) ou à distinta justiça que é aplicada a ricos e a pobres: numa sociedade em que até o ar puro é pago e muitos humanos são obrigados a viver em zonas poluídas e marginais, expulsos por não serem capaz de pagar os elevados impostos de zonas melhores, a existência de reps bem sucedidos torna-se uma afronta e um bom bode expiatório para as desgraças pessoais.

Melhor não ficção – A Biblioteca à noite – Alberto Manguel

Quem bem me conhece sabe que livros sobre livros são das minhas leituras favoritas, uma paixão reconhecida tardiamente! Este, de Manguel é divinal, centrando-se nas bibliotecas desde tempos imemoriais para mostrar diversas formas de organização e de importância na sociedade. Cruzando diferenças culturais e históricas com a actualidade ocidental, realça o mistério da biblioteca à noite, obscura, carregando todas as possibilidades e todos os livros, os lidos e os não lidos.

Melhor fantasia – City of Blades de Robert Jackson Bennett

Depois de um extraordinário primeiro volume, este segundo não se encontra no mesmo nível mas, mesmo assim, é a melhor leitura de fantasia, considerando que não me dediquei muito ao género. Não me entendam mal – é uma excelente leitura, simplesmente fica aquém da expectativa criada em City of Stairs.

Com uma realidade que alterna os detalhes medievais com uma elevada cadência de descobertas tecnológicas, City of Blades apresenta uma mitologia completa mas não demasiado complexa que vai sendo apresentada sem sobrecarregar o leitor e episódios mais leves provocados por tiradas cómicas de personagens peculiares, constituindo um bom equilíbrio com as desgraças eminentes.

Melhor ficção científica nacional – Anjos de Carlos Silva

Esta não foi uma decisão fácil. Não por causa do livro indicado mas porque este ano li histórias excelentes de autores nacionais (mais, abaixo, nas menções honrosas). O elemento utilizado para o desempate foi o destaque da componente narrativa, elemento que muito prezo.

Partindo de um tema actual e adicionando vários elementos originais, Anjos possui diversas linhas narrativas que se combinam e divergem, resultando num romance de ficção científica carregado de acção e detalhes tecnológicos.

Melhor ficção histórica – Lovesenda de António de Macedo

Cineasta caído na obscuridade, professor, escritor competente mas pouco conhecido. António de Macedo era uma figura acarinhada do meio literário depois de ter deixado o cinema ao ser marginalizado e remetido ao esquecimento (talvez por não se enquadrar no que outros achavam que deveria ser o cinema português – podem ver o documentário Nos interstícios da realidade para mais informação).

Conhecedor tanto da história do fantástico português como da História Medieval portuguesa, escreveu este livro de frases sublimes que necessitam de uma atenta leitura onde o fantástico medieval se torna palpável aos nobres abrutalhados que não possuem o usual glamour romântico usualmente atribuído noutras obras. Infelizmente esta edição é limitada a 100 exemplares, fruto do  lançamento por uma pequena, mas esforçada editora nacional.

Menções honrosas:

 

 

 

 

 

 

 

Ficção científica – A súbita aparição de Hope Arden surpreendeu pelo conceito utilizando duas ideias entrelaçadas para concretizar um romance original, com uma personagem esquecível por todos e uma app que indica o caminho para a perfeição. Os três estigmas de Palmer Eldritch teria atingido o lugar de melhor ficção científica não fosse uma releitura. Por sua vez, Babel-17 foi outra das grandes leituras do ano ao se centrar nas possibilidades da linguagem para produzir uma guerra. E, claro, Normal de Warren Ellis com o seu abismo tecnológico, não pode ficar esquecido.

 

 

 

 

 

 

 

AntologiasNeutron Star de Larry Niven é um conjunto divertido carregado de estranhas mas interessantes espécies alienígenas e centrado num ser humano aventureiro que acaba por aceitar perigosas missões em troco de umas descargas de adrenalina e alguns trocos. Já Invisible Planets é uma antologia de contos de ficção científica chineses que possui alguns contos excepcionais e memoráveis!

 

 

 

 

 

 

 

Não ficçãoHistória natural da estupidez é memorável pelos exemplos de estupidez descritos. Que a humanidade tem uma capacidade incrível para realizar actos estúpidos já sabíamos mas a compilação apresenta casos sublimes! Por sua vez Desobediência Civil é um discurso genial de crítica à sociedade ocidental conseguindo, simultaneamente, ser subversivo e enaltecer a democracia.

 

 

 

 

 

 

 

Fantasia – Aliette de Bodard tem-se distinguido por apresentar ficção especulativa com elementos pouco ocidentais que conferem um ambiente exótico às suas histórias. Neste caso, The house of shattered wings é o primeiro livro de uma fantasia fantástica que apresenta uma cidade europeia após um apocalipse que fez colapsar a sociedade – existem seres mágicos, anjos caídos sem memórias, que constroem facções protegendo quem lhes interessa com motivos altruístas. As casas jogam um longo jogo de influências onde não é raro morrerem peões. Wintersmith é mais um livro de Discworld, destinado, neste caso a um público mais juvenil, com uma jovem mas cómica e decidida bruxa.

 

 

 

 

 

 

 

Ficção nacional – Em Diálogo das compensadas assistimos a uma paródia da nossa sociedade em que se opõe a adoração dos reality shows com uma vida mais pausada e dedicada à introspecção. As freiras constroem peças de computador que todos os fabricantes querem e cabe a um jovem director convencê-las a manter-se como cliente. Por sua vez, A Instalação do Medo é um episódio genial que deixa antever uma sociedade distópica onde os cidadãos são controlados – o próximo passo para esse controlo é a implementação do medo em todas as casas. Bastante diferente, em tom e tema, é As nuvens de Hamburgo uma história com elementos fantásticos onde o passado se materializa no presente (ou o presente no passado) mas sempre em torno de uma rapariga que desconhecia ter tais capacidades.

 

 

 

 

 

 

Ficção históricaO labirinto dos espíritos foi uma das primeiras leituras do ano e fechou a tetralogia passada na cidade de Barcelona. Apesar de ter gostado bastante deste volume peca por se alongar demasiado em episódios desnecessários, alguns que pretendem dar apenas uma noção de ambiente – elemento agradável mas que achei que era excessivo neste volume. Por sua vez, Crónica do Rei Pasmado é um retrato irónico que apresenta a hipocrisia da corte em que todos pecam, mas todos tentam evitar que o Rei veja nua a Rainha.

Perspectivas para o próximo ano

Aproximam-se mudanças. E novos projectos. Espero. Sem indicar prazos nem certezas, prevejo uma diversificação de formatos que ainda não sei em que moldes irá decorrer. E possivelmente passarei a ter espaço para jogos de tabuleiro e concertos.

Melhores leituras de anos anteriores


– 2016

2015

2014

2011

2010

2009

2008

2007

2006

3 pensamentos sobre “Retrospectiva 2017 – O Rascunhos

  1. Pingback: Retrospectiva 2017 – O Rascunhos em Banda desenhada | Rascunhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.